Pular para o conteúdo principal

GRANDES E PEQUENAS QUESTÕES [Ana Gonzalez]

O momento da civilização ocidental e da sociedade brasileira é raro: Primavera Árabe, crise no mundo e no Mercado Comum Europeu, problemas com nossa Educação, com a nossa Justiça e com a classe política brasileira. Grande questionamento nas relações profissionais e pessoais. Eu poderia ir longe nesta lista. Mas, não são essas as questões que nos movem. Nem sempre saímos em busca de resoluções para essas questões importantes, que mereceriam mais atenção de nossa parte. Na verdade, são pequenas questões que nos colocam fora dos eixos. A natureza humana responde prontamente à chamada delas. Mexe em nosso estômago, cabeça, coração. Parecem até essenciais.

Sei bem que viver em cidade grande é um perigo a cada esquina e pago o preço dessa insegurança, visto que há outras coisas que me agradam nesta metrópole paulista, muito amada.

Mas, confesso que na segunda quinzena do último janeiro fiquei em dúvida. Fui a um jantar em casa de amigos numa noite de sábado, no bairro de Pinheiros. Como não havia estacionamento por perto, o carro ficou na rua. Quando fui embora, percebi algo errado na maçaneta do carro e, mesmo tendo conseguido entrar no carro, ao sair em movimento pela rua, ouvi o barulho avisando-me de que alguma porta estaria aberta.

Não podia parar naquele momento e lugar. Comprovei a dúvida ao chegar à garagem de casa: o bagageiro estava sem o estepe. Interessante que o malandro-meliante-vagabundo-bandido surripiou somente o pneu. Deixou o macaco, os CDs, o som, o par de luvas, o guarda-chuva. E o carro, claro.

Respirei fundo e me preparei para o gasto extra. Na segunda-feira seguinte fui ao telefone e à internet para uma compra de pneu adequado. Pesquisa de preço e modelo.

Na quarta-feira, me dirigi a um bairro mais distante e consegui um atendimento de primeira, com uma equipe mais do que simpática. Era a última roda (sim, amigos, há problema de mercado nesse ramo)... Segundo os rapazes, dei sorte.
Naquela mesma noite, fui visitar uma amiga e filhos em outro bairro. Uma pizza honesta e caprichada entre dezenove e vinte e duas horas comemorou o ano novo, talvez meio passado, mas ainda válido em janeiro.

Ao sair, não gostei nada, porque o barulho (do bagageiro?) se repetiu. Meu coração quase parou. Estacionei o carro e fui verificar assim que pude. Tinham levado o pneu novinho em folha e a última roda!

Primeiramente, fiquei raivosa. Depois, me deu uma frustração enorme. Aos poucos me dei conta de que eu estava um caco. A zero de energia. Impotente, cansada da vida. Foi difícil ir adiante.

Tudo de novo. No dia seguinte, me apresentei à loja de pneus com cara amarrotada e com vontade de chorar, com raiva, com sensação ruim de
quero-colo-mamãe. Fui tratada quase com carinho pela equipe que de novo se pôs a trabalhar. Tive que ir buscar a roda (outra última!) em outro local. O responsável tinha pedido ajuda a um amigo com loja em lugar não distante. Os amigos nos salvam a pele muitas vezes. Contei dessa vez com o amigo do novo amigo (a essa altura o rapaz da loja já era meu amigo).

Mas, tomei a decisão de ir colocar rapidamente um censor mais potente, depois de pesquisa e indicações de modelo, marcas etc. Colocado o novo alarme, procurei apaziguar a mente. Como recuperar a confiança? Lembrei-me de minha fraqueza, da vida do meliante, de sua possível cara, das relações do mercado de pneus entre os bandidos... Ops.

E confesso que não me lembrei nem de leve dos problemas de nossa sociedade e do mundo. Quando será que entro assim em preocupação por essas questões maiores? Algum dia já me sofri assim por elas? É assim mesmo. Tinha entrado na roda viva das questões que tomam o controle de minha vida - essas pequenas -, pois quem disse que sou eu que a dirijo? Fiquei sem rumo, barata tonta, fisgada no fígado, pelo rancor, dor, sabor de fel. Posso desejar coisa melhor, mas estarei sempre à mercê desses aspectos de minha natureza. Emocionalmente um bagaço. Um tempão e energia gastos à toa. Não posso mudar a cidade, nem as relações entre a legalidade e a ilegalidade. Por que, então, deixar-se levar tão completamente? Há esperança de mudança? Por outro lado, poderei um dia fazer a diferença em relação aos grandes problemas da sociedade?

Ainda bem que há equipes de jovens, bons profissionais de plantão que nos salvam quando faltam pneus e rodas no mercado e parecem dar colo quando o estepe some do bagageiro. Salve os amigos e os amigos dos amigos.

Cuide bem dos seus estepes, não facilite.

Comentários

Anônimo disse…
Ana,
Transformar eventos desagradáveis em crônica ... a grande mágica!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …