domingo, 4 de março de 2012

BOM SENSO >> Eduardo Loureiro Jr.

— Em último caso, use o bom senso.

A frase me foi dita já há alguns por uma professora orientadora, gente da melhor qualidade, durante uma conversa sobre meu projeto de doutorado. Ri muito ao ouvir a frase, e o riso deve tê-la fixado de maneira definitiva em minha memória: sempre me lembro desse conselho, que parece absurdo.

Mas se penso na frase não como uma recomendação, mas como uma declaração de realidade, a coisa faz mais sentido. Porque parece que eu só uso o bom senso em último caso. Pior que isso, em muitas situações, avalio que a questão ainda está em seu antepenúltimo caso, e não coloco o bom senso em prática.

Senso é percepção e empatia. Confesso que, com frequência, não enxergo nem dou a mínima para as coisas e para as pessoas que me aparecem. Vou levando a vida feito uma bola branca de sinuca: ao ser cutucado, bato de tabela em tabela, atinjo outras bolas e, de vez em quando, as tiro do jogo.

O bom senso me seria muito útil se eu não o deixasse para o último caso. Por exemplo, uma crônica com este tema talvez fosse uma melhor experiência para o leitor se eu a estivesse escrevendo numa outra situação, e não neste último caso de não ter conseguido arranjar outra ideia melhor.

Ah, o que digo? Vê o leitor a persistência de meu mau senso? Eu penso que pode haver ideia melhor que o bom senso. A minha percepção, convivendo com essa frase já há oito anos, sempre foi que a professora estava um tanto quanto desorientada quando proferiu aquelas palavras "absurdas", mas eu é que estava surdo à verdade da mestra.

Transformo então esta crônica de último caso em um pedido de desculpas à professorinha que quis me ensinar o bê-á-bá de mim mesmo: o absurdo não está no que os outros dizem, mas na minha falta de bom senso ao ouvir.




Partilhar

4 comentários:

Zoraya disse...

Pense assim, Eduardo: às vezes, em último caso, é melhor tomar uma medida desesperada e deixar o bom senso pra lá. Principalmente por que o bom senso é primo da inação. Assim, nao fica nada absurda a sua falta de bom senso ao ouvir.

Marisa Nascimento disse...

Eduardo,
meu bom senso é que me traz aqui todos os domingos para te ler :)

albir disse...

Edu,
bom senso é refletir com você.

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Grato, gente. O senso gentil de vocês melhora o meu senso. :)