sábado, 3 de março de 2012

AS COISAS QUE ODIAMOS EM VOCÊS, HOMENS >> Maria Rachel Oliveira

Inspirada por um papo – e um desafio – de mesa de bar, lançado há pouco mais de uma semana, resolvi listar as coisas que acredito que nós, mulheres, mais odiamos nos homens (claro, sempre há exceções).

A resistência masculina em pedir ajuda:. Quer matar um homem de irritação no tráfego é você abrir sua janelinha e perguntar pro taxista que tá do lado: - ‘Oi moço, por favor, onde fica a rua tal?’ e o sujeito devolver qualquer coisa diferente do que a criatura pensa; especialmente se vocês estiverem indo na direção contrária. O jeito é morder o lábio, se conformar e dar 20 voltas no quarteirão; ou provocar um tremendo de um quebra-pau por tão pouco.

A escassez de gentilezas; ok, mundo moderno. Muitas mulheres ganham muito bem, algumas até mais do que seus parceiros. Mas, desde que o mundo é mundo, as mulheres gostam de ser cortejadas. Isso não significa levar para um restaurante caro nem comprar presentes caros; isso significa você pagar a conta – ao menos das primeiras vezes - antes dela sequer se oferecer, ainda que seja naquele restaurante simples e charmosinho da esquina. Abrir a porta do carro é outro exemplo; não precisa ser sempre, mas é uma coisa que faz bem pra alma da gente. Não gostamos de nos sentir como um parceiro de pelada.

Não abaixar a tampa da privada; é simplesmente horrível acordar com sono e tatear no escuro até o banheiro pra terminar quase afundando na dita cuja.

O termostato dos homens, que, em geral, vêm com defeito de fábrica. Aposto 100 x 1 que departamentos exclusivamente masculinos tem ao menos uns 5 graus de diferença (pra menos) na regulagem do ar-condicionado do que nos exclusivamente femininos. Como o mundo é misto e heteros curtem o gênero oposto ao seu; a confusão está formada... só casais homossexuais podem sonhar em ser felizes quando se trata de ligar o aquecedor ou o ar-condicionado na hora de dormir.

A mamãe. Não precisa nem se tratar de um relacionamento sério pra gente odiar as mães de alguns de vocês. Mães de homens, geralmente (estatísticas comprovam isso, rá!), têm uma relação próxima demais com os filhos. Homem que fala “mamãe” então, pra mim – ao menos – é de matar.

Doença. Drama. Homem doente é o que há. Não tenho a menor dúvida que homens são fortes para muitas coisas; muitas mesmo. Mas talvez por segurar tanto a onda em tanta coisa (Homem não chora e blá blá blá), quando ficam doentes não tem criança manhosa que os supere. Qualquer gripe é praticamente estar à beira da morte.

"Não é nada não". Isso é uma frase horrorosa. Mulheres têm um monte de defeitos, claro, não tô dizendo que a gente ganha ou perde de vocês (até porque acredito que estamos tecnicamente empatados), mas dizer essas malditas palavras é a mesma coisa que dizer ‘tem alguma coisa mas eu não vou te dizer, rá rá rá rá!’. De matar. Vocês só conseguirão outras perguntas na sequência, que vão irritar mais ainda. Falem a verdade ou alguma coisa, pelamordedeus, mas “Não é nada não”... garante que vocês fiquem em maus lençóis por no mínimo duas horas subsequentes.

Dormir imediatamente depois do sexo. Ninguém aqui tá dizendo que tem que comentar a performance ou discutir a teoria do caos no pós-coito. Que sejam 2 palavrinhas, um ‘boa noite’, qualquer coisa. O que irrita é quando vocês dormem i-me-di-a-ta-men-te depois. Porque a impressão que fica é que foi durante; por mais que saibamos que tecnicamente isso seria impossível de acontecer. (Seria?)

Amigas pendurativas. Não tem nada mais irritante que a sua amiga que não tem um macho dela mesma, e te abraça, te agarra, pendura, porque precisa de alguém que tenha cheirinho de Axe. Mesmo sabendo que as oferecidas não são iscas das mais eficientes, e que portanto, muito provavelmente vocês as ‘passam’, isso incomoda profundamente. Não é pra sair pendurando no pescoço alheio, ora, ora! Eu, que sou pessoa muy fina e discreta, vou logo fazendo piada e falando alguma coisa absolutamente sarcástica ou constrangedora pra moça tomar tento e se pendurar onde é bem-vinda.

Da minha parte, adoro o futebol dos meninos e acho que não há relação saudável sem espaço para respirar. Desde que isso não inclua uma esticadinha até as 5h da manhã na Lapa, por exemplo. Por isso não incluí na lista. E tenho certeza, há bem mais do que 10 coisas que gostamos em vocês. Beeem mais. Mas isso já é assunto pra outra crônica.

Partilhar

6 comentários:

Vicente Lima disse...

Muito legal sua crônica, agora sei o que (vou tentar) não fazer com uma namorada.
Parabéns.
Ps.: Tô esperando a crônica dos pontos positivos.

Solom ;) disse...

Também estou no aguardo da crônica dos "positivos", então compará-las e fazer uma média! ;)

albir disse...

Rachel,
Só você nos faz gostar de um texto que fala das coisas que não gosta em nós. Mágica ou literatura? Já sei: mágica e literatura.

Zoraya disse...

RAchel, agora, o comentário feminino: está perfeito! E engraçadíssimo. Acho que, em parte, é nossa culpa. É nossa parcela de responsabilidade "educar" nossos parceiros. Agora falta um dos rapazes contar o que detestam em nós, quero aprender!

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Rachel, quer dizer que tá liberdado o mau hálito, o arroto e a tiradinha de meleca? :) Brincadeirinha...

Anônimo disse...

Parabens.
minha professora pediu para vermos umas crônicas na internet... E le muitas. E de longe posso dizer, que sua crônica é uma das melhores!!
Gabi, 12