Pular para o conteúdo principal

DIA INTERNACIONAL DOS HOMENS >> Fernanda Pinho




Outro dia escrevi aqui mesmo que, havendo outra vida, quero voltar como homem. E hoje volto a ratificar minha simpatia pelo gênero masculino. Esses pobres injustiçados despertam em mim o mais nobre sentimento de compaixão e, por isso, peço licença às mulheres para falar com eles.

Meus caros, esqueçam um pouco do futebol e do XBox e percebam o que está acontecendo: as mulheres conquistaram a famigerada igualdade de direitos, deram uma rasteira em vocês, assumiram presidências de grandes corporações e de grandes países, estão em franca ascensão rumo à dominação do mundo e vocês não vão fazer nada?

Vocês já foram tão bons em estratégias de guerra e esquemas táticos. Onde foi parar tamanha destreza? De certo gastaram tudo tentando provar que são melhores no trânsito. Quanta bobagem. Quer um conselho sincero de quem já esteve na posição inferior na qual vocês se encontram hoje? Foco no equilíbrio. Agora é a hora de vocês lutarem pelas igualdades dos direitos.

Comece pelo mais fácil: recuperando aqueles direitos que são genuinamente seus. Tem muita malandrinha por aí usurpando de vocês o direito de pagar as contas. Elas vêm com um papinho de que são modernas, independentes, jogam o cabelo de lado para te distrair e, quando você menos espera, já racharam a conta. Golpe baixíssimo. É preciso ficar atento com esse tipo. Do contrário, é bem capaz delas mesmas abrirem a porta do carro para entrarem. E você não quer uma coisa dessas, certo? Já pensou se uma delas arranha seu lindo possante com suas unhas afiadas semanalmente? Fiquem espertos, homens: pagar a conta e abrir a porta do carro é um direito de vocês. Reivindiquem!

É muito cara de pau que nós, mulheres, queiramos bancar as donas das situações. Já somos donas do maior privilégio da existência terrestre, o de gerar a vida, devíamos nos contentar e ficar quietinhas. Mas não, queremos mais e mais. Ao contrário de vocês, né? Olha, eu sei que estou traindo meu gênero, mas eu disse lá em cima que me simpatizo por vocês, então vou dar a dica: para quê ficar tentando encontrar vida em outro planeta ou criar clone humano? Que tal aproveitar seus conhecimentos científicos para tentar engravidar? Porque - cá entre nós - vocês são maiores, mais fortes e permitir que os bebês sejam carregados por esses seres passionais e instáveis foi uma falha e tanto da natureza. Já pensou na beleza de um parto? Reivindique o direito de ser o centro disso e o mundo estará aos seus pés.

Pés, aliás, que precisam ser mais bem cuidados, né? Reivindique um dia na semana de salão de beleza e o direito de mostrar suas habilidades gastronômicas diariamente. Que palhaçada é essa do homem ser um cozinheiro eventual se tem almoço e janta todo dia? Mande sua mulher para o shopping e assuma o comando. Principalmente se foi você quem pagou pelo fogão. Quem essa folgada pensa que é? Esse fogão é seu por direito. Pilote-o com seu talento e vigor. E a máquina de lavar também. Um produto que tem robustez e performance como atributos de venda não foi feito para ser operado por mulheres.

Robustez e performance são atributos inerentes ao cromossomo Y. O direito é seu! Mostre isso ao mundo. Nem que para isso seja necessário queimar algumas cuecas.

Comentários

Fernanda, por um minuto -- e um parágrafo -- eu até me animei nesse final de noite. Mas o resto da crônica só confirmou a sensação com a qual eu acordei: nesse dia das mulheres, só sinto vontade de parabenizar os homens. De toda forma, mesmo discordando, vou além de reconhecer o direito de você proferir suas palavras: admito que são muito bem elaboradas. Parabéns, então, por isso. Só por isso. :)
Solom ;) disse…
E nós nem fazemos tanta questão de usar o que compramos; deixamos vocês usarem e nem cobramos aluguel! rsrsrsrs! mas obrigado pelas dicas.(machismos e feminismos a parte, rs).
Eu acho que você é uma ótima cronista! Parabéns!
albir disse…
Fernanda,
verdade que estamos ainda um pouco atordoados. Mas até que estamos sobrevivendo com alguma dignidade às mudanças dos últimos quarenta anos. Já não ficamos histéricos numa troca de fraldas ou diante de um fogão. Já choramos de vez em quando. Chegaremos lá. Somos novos em civilidade.Paciência é o que cabe a vocês neste momento histórico.
Carla Dias disse…
Fernanda, gostei muito da sua crônica, simplesmente porque ela tem um humor que cabe bem na realidade. Os homens têm de ralar muito para ganhar um dia só deles :)
Zoraya disse…
Fernanda, assino embaixo! Eu não queimei sutiã na praça, nao quero abrir a porta do carro, esse realmente é um prazer que deve ser reservado aos homens, nós mulheres andamos muito egoístas. Muito divertida a sua crônica, gostei muito.
Oi, muito bacana! Gostaria de pegar alguns fragmentos para gravar um vídeo, posso?
Fernanda Pinho disse…
Oi, tudo bem? Você tem sim minha autorização para usar o texto. Se puder, me mande o vídeo depois para meu e-mail: ferdipinho@gmail.com
:)
Att.
Fernanda

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …