Pular para o conteúdo principal

FAZ SENTIDO >> Whisner Fraga

Estudávamos inglês até ali porque a disciplina fazia parte do currículo, mas eu não conseguia enxergar alguma aplicação para aquele conteúdo, de forma que frequentava as aulas sem muita empolgação. Isto é, por que estudar outro idioma, se eu não conhecia nenhum estrangeiro e se só falava em português com meus amigos? O mesmo acontecia com as demais matérias. Por que estudar equações do primeiro grau? Por que me dedicar a conhecer os pormenores de uma bromélia, por que decorar as capitais de todos os estados do país, por que calcular o tempo de uma reação química e assim por diante? Eu estudava por estudar, o que, em si, não parece ser errado. Mas aí, teve um ano, no Colégio Polivalente, que a coisa mudou. Dei sorte e só neste período tive uns seis professores fantásticos, daqueles que faziam a gente pensar: puxa, os caras são gênios, devem ganhar uma fortuna. Sei lá, eu ligava conhecimento a sucesso financeiro, ou seja, reconheço que era ingênuo.

Então, esse cara, não me recordo o nome, e, mesmo se me lembrasse, não ia entregar aqui, era o professor de Língua Inglesa e, durante o primeiro dia de aula, foi provocando: vocês sabem por que aprender uma língua estrangeira? Aí emendou: é para não serem enganados. Se forem ao cinema, não precisarão confiar no sujeito que traduziu as falas, não irão perder tempo lendo legendas e poderão se concentrar nas imagens. Além disso, comentou sobre as letras de músicas, sobre os dizeres em camisetas, em folhetos de propaganda, e assim por diante. Pronto, depois disso, estudar inglês começou a fazer sentido para mim.

Depois veio um professor de Física e seus óculos clichês-fundos-de-garrafa. Levava pequenos experimentos para a sala de aula, explicava o significado prático de cada termo de uma equação, deduzia fórmulas, brincava com o conhecimento. E, assim, a Física ficou ainda mais divertida. O mesmo eu posso relatar sobre o sujeito que lecionava Língua Portuguesa. Ele nos desafiava, nos mandava ler autores complexos, livros extensos, pedia que escrevêssemos nossos próprios textos. Corrigia tudo, anotava, palpitava, melhorava o que compúnhamos. Graças a ele, aprendi a gostar de Augusto dos Anjos.

Até sobre o professor de Biologia há algo de bom a dizer, uma vez que ele nos levava frequentemente para visitas externas. Não existe nada melhor para um aluno do colegial do que viajar com a sala, mesmo que seja para um local a dez quilômetros da cidade. Mas, certa vez, ele se meteu numa enrascada. Vejam bem, estávamos numa região conservadora de Minas, numa época que idolatrava os valores tradicionais da sociedade: virgindade, sexo só depois do casamento, entre outros absurdos, e o sujeito me cisma de dar uma aula de educação sexual. E, pior: pede para as meninas saírem, que quer falar primeiro com os meninos. Pronto, não precisou mais do que isso. Levou uma advertência séria e por pouco o assunto não foi parar nos jornais. Passou um susto e foi só por ter o aval do Diretor que não foi demitido.

Como o colégio era polivalente, tínhamos matérias técnicas, como Educação para o Lar, Práticas Agrícolas, Oficina, entre outros conteúdos práticos. Adorávamos o indivíduo que lecionava Práticas Agrícolas. Parecia-nos que estava constantemente em outro mundo, sempre nos falando de coisas que não compreendíamos muito bem, como alimentação natural, vegetarianismo, hortaliças sem agrotóxicos e outras viagens do tipo. Ainda bem que, uns anos depois, todos esses conselhos, ensinamentos, de todos esses professores, começaram a fazer sentido para mim.

Comentários

albir disse…
Whisner,
às vezes penso que nem os professores acreditam na importância que têm para a vida das pessoas.
whisner disse…
Concordo com você, Albir. Abraço!
É, Whisner, parece que hoje é mesmo dia de reverenciar os professores e reconhecer o sentido de seus ensinos. :) Gostei da coincidência.
Ôxi! Será que estudamos na mesma escola ? :)
Carla Dias disse…
Aprender tem lá sua magia, não? Isso quando nos abrimos ao aprendizado.
Zoraya disse…
Benditos os professores que abrem nossos olhos para a vida que há além do que vemos. Gostei muito.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …