Pular para o conteúdo principal

SARA, MAGO >> Eduardo Loureiro Jr.


"Você escreve tão bem que faz a gente concordar com coisas que, examinadas de perto, descobriríamos não ser verdade", foi o que me disse meu orientador de mestrado após ler uma das primeiras versões de minha dissertação. Achei curioso o comentário — até o tomei por um elogio, mas só hoje me ocorre que talvez não tenha sido.

Alguns anos depois, já com um diploma de doutorado na gaveta, foi a minha vez de pensar a mesma coisa sobre um outro escritor, o Leonardo Marona, que escreve aqui no Crônica do Dia: O Léo escreve tão bem que faz a gente gostar de coisas que, se avaliássemos bem, não deveriam ser gostadas.

Há poucos meses, aconteceu novamente, ao ler um livro de José Saramago, "Caim". O cara escreve tão bem que a gente perde a noção de que está lendo uma série de absurdos.

Curioso é que há algo de comum em nossos sobrenomes: Loureiro, Marona e Saramago. São todos enganadores.

Loureiro é uma árvore cuja origem é explicada na mitologia grega. A ninfa Dafne, já cansada de tentar fugir do assédio amoroso do deus Apolo, pede a seu pai, Peneu, que a livre de tal situação. O pai então a transforma numa árvore, o loureiro. Apolo, que não pôde ter Dafne como mulher, escolheu o loureiro como árvore sagrada, levando sempre consigo um ramo de louros. Ou seja, o loureiro se refere a uma fuga por encantamento, a uma tentativa bem-sucedida de engano dos deuses.

Marona remete a mar, ao seu movimento contínuo e enganador. O mar que é calmo após a rebentação. O mar calmo que esconde buracos, depressões, mesmo perto da praia. O fundo alto-mar, cheio de mistérios. O mar dos monstros e das sereias. O mar que atrai e seduz. O mar que trai e mata. O mar pequeno, a praia, com o qual lidamos no dia-a-dia. O mar longo a se perder de vista. O mar correnteza que nos leva a naufrágios.

Saramago traz em si a magia, o ilusionismo, essa forma sedutora de engano. E bem que poderia ser também Saramágico, o engano pela distração, o driblar da atenção, a armadilha para os olhos. Enquanto o outro vê o que o mágico quer que o outro veja, o mágico faz outras quase invisíveis que dão um resultado inesperado para o espectador desatento.

Loureiro, Marona e Saramago são enganadores, cada um em seu estilo. Sofrem da doença do ardil.

Ontem Saramago morreu. A "múltipla falha orgânica", de que fala a nota oficial, trata-se do estado final dessa doença degenerativa do engano. Enganou a nós, leitores, com maestria, mas não conseguiu enganar a morte, essa leitora mais experimentada.

Marona e Loureiro já estão avisados. Embora não sejam enganadores a ponto de ganhar um Prêmio Nobel de Literatura, estão brincando com fogo, soltando balões de São João perto do Morro dos Cabritos. Mais dia menos dia, chegará a vez de também eles prestarem contas de seus ilusionismos.

A essa hora, no Tempo sem horas, sara o mago de sua terrena doença. Seu médico talvez seja, por ironia, o deus em que ele não acreditava. Marona e Loureiro continuam doentes de mar e de árvore. Ficam aguardando o dia em que a morte lhes mostrará — sem ciladas de palavras — a sã verdade.


Comentários

albir disse…
Edu,
ainda bem que a mágica imortaliza os mares, as árvores, os deuses e os magos. Se não enquanto eles existirem, pelo menos enquanto ela existir.
Debora Bottcher disse…
Ah! Eduardo... Estou sem palavras - a morte, essa ingrata leitora, sempre a nos surpreender... Que o tempo, para vc e Leonardo, mágicos de textos também deliciosos, seja ainda mais longo que a Saramago (a quem eu sempre adorei de paixão). Beijo enorme.
Marcos Afonso disse…
Cada pedacinho...
Cada cantinho...
Tem o Quê de poesia, Eduardo!

Grande enganador,
Grande encantador!

Abraços!
leonardo marona disse…
edu,

amém.

digo a ti, a mim, a nós: ite!

é só o que nos resta: caminhar vendados pelas brasas ainda vivas.

beijo de coração do leitor ardiloso,

marona san.
fernanda disse…
Depois de uma enxurrada de textos sobre Saramago, você consegue dizer lindamente coisas que ainda não foram ditas. Não dá para discordar, mesmo que nem tudo seja verdade :P
Marilza disse…
Loureiro, vc realmente é um encantador que nos delicia na magia da sua escrita.
Vc escreve tão bem que perco a noção do que estou lendo. Mas, nao leio absurdos, leio beleza, leio magia, leia a vida...
Gente, posso ficar sem palavras? :) Brigadim,
*Fê* disse…
Edu,
Sem palavras fico eu!
Meu encantamento com seus textos já passam dos 10 anos!
Perfeito
Beijo
Carla Dias disse…
Eduardo, que fica enganando a si e levando a gente junto... Já pensou toda enganação fosse assim? Até a sã verdade se dobraria.
Ana Coutinho disse…
Ai que lindo!
Texto de homenagem, tão bem escrito que ficou muito, muito digno do homenageado.
beijos

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …