Pular para o conteúdo principal

94 OUTRA VEZ >> Fernanda Pinho


"Desde o início, eu já fiquei muito contente só de saber que o Brasil participaria da Copa do Mundo. Eu já estava preparada para perder. E principalmente para ganhar. Mas mesmo assim, eu queria mesmo era a vitória. Eu me sentia muito nervosa a cada jogo. E assim os jogos se passaram e o Brasil foi eliminando todos os países. Até que chegou a vez da Itália passar pelo Brasil. Foi um jogo de muita aflição. Tivemos que ir para os pênaltis. Foi quando o Roberto Baggio errou o chute e o Brasil inteiro comemorou a vitória. Foi muita emoção. Obrigada, seleção! Foi muito bom, pela primeira vez, ver o Brasil ser campeão".

Achei o texto acima nos guardados da minha mãe, assinado por mim, com a data de 09 de agosto de 1994. Aos dez anos de idade, eu ainda me sentia extasiada e eufórica pelas emoções proporcionadas pela magia futebolística. Foi a primeira vez que eu me senti assim e, naturalmente, também foi a única vez em que eu me senti assim. Claro, vieram muitas outras emoções com meu time e com a própria seleção, depois disso. Mas aquela foi a primeira vez, e a primeira vez só tem uma.

Embora eu tenha saído da maternidade enrolada no manto do alvinegro e passado boa parte da minha infância trajando o uniforme do Galo (meu pai custou a aceitar que eu nasci Fernanda, e não Reinaldo), foi só na Copa de 94 que eu fui entender que fascínio era aquele que o futebol exercia sobre as pessoas. Foi quando o Brasil empatou com a Suécia, ainda na primeira fase, que eu entendi como era possível que um Mineirão inteiro se calasse quando um time de fora fazia um gol aqui dentro. Foi quando o Leonardo (lindo!) foi expulso no jogo contra os Estados Unidos que eu entendi por que as mães dos juízes eram tratadas com tantos impropérios. Foi quando Bebeto balançou os braços, homenageando o filho recém-nascido, no jogo Brasil X Holanda, que eu entendi por que homens adultos se debulhavam em lágrimas por causa de outros homens correndo atrás de uma bola. Foi quando o Taffarel fez uma linda defesa de pênalti no fatídico jogo contra a Itália que eu entendi por que meu pai chegou a quebrar o lustre da sala com uma cabeçada de emoção. Foi quando Baggio deu aquela bola fora que eu entendi por que meu pai achava mais legal que eu tivesse nascido Reinaldo, e não Fernanda. E foi quando Dunga, o capitão do tetra, levantou aquela taça que eu descobri que o Brasil era o país do futebol. A gente podia ser o país do basquete, da ginástica olímpica ou de algum esporte mais remoto, como o rúgbi (a África do Sul não é o país das vuvuzelas e do rúgbi?). Mas não! Que ficassem os americanos com o basquete, os russos com a ginástica e os sul-africanos com o rúgbi (e com as vuvuzelas). Porque o futebol já era nosso — na minha vida, pelo menos a partir de 1994, quando o Dunga levantou aquela taça.

Ter o Dunga no comando, dezesseis anos depois, era para ser um bom presságio. Não apenas para mim, que descobri pelas mãos — e pelos pés — dele que o Brasil é o país do futebol, mas para todo mundo. O povo, no entanto, embora inevitavelmente envolvido pela magia da Copa, parece andar desacreditado. Eu — com a minha opinião de quem ainda acha o Leonardo lindo, mas que não faz a menor ideia do que seja gol de trivela — acho que não falta ao Dunga talento, competência e muito menos disciplina. Falta ao Dunga o jeitinho brasileiro, um toque de malemolência, um sorrisinho de vez em quando. Dunga, em sua missão de ser Mestre, virou Zangado. Espero que essa historinha tenha um final Feliz. Porque, como em 1994, eu estou preparada para perder. E principalmente para ganhar.


www.blogdaferdi.blogspot.com

Comentários

Fernanda... Com você, Branca de Neve, escrevendo a história dessa Copa, acho que o Dunga-Mestre-Zangado tem chance de nos trazer a taça.
Samara disse…
A minha copa tb foi a de 94. Realmente muita emoção. De lá para cá meu envolvimento com o futebol só vem diminuindo, tanto que nessa copa nem tô fazendo muita questão de ver os jogos. Mas sorte ao mestre-zangado Dunga e seus 22 anoes.
Paula disse…
A copa de 94 realmente foi inesquecível e, foi nesta ocasião, que eu tbm passei amar o futebol do Brasil...
Vamos torcer para o Dunga e pelo final feliz!
Bjos ao quase Reinaldo..rs
Por incrível que pareça eu lembro da Copa de 94, era uma criança, mas lembro, foi talvez a única vez que torci com muita paixão pelo Brasil, ou pelo menos a última. Como desde criança tenho uma obsessão inexplicável pelo futebol da Argentina, curiosamente passei a torcer para eles, não para ser do contra - como muitos pensam-, pois não torço contra o Brasil, mas a favor deles. Hoje, esse preparo que vc tem em relação ao Brasil, eu tenho em relação a Argentina. Chorei horrores e me desesperei quando eles saíram da última Copa, nas quartas, por dois erros nos pênaltis. Enfim, ninguém entende e também não me esforço muito para explicar.
Quanto ao Dunga, adoro ele, torci para que fosse o técnico da seleção quando cogitaram um novo. Acredito no trabalho dele e não esqueço quando levantou e beijou aquela taça. Também fiquei feliz por ele cortar umas estrelinhas da Copa, pois de uns tempos pra cá, os jogadores da seleção estão mais preocupados com status, arrumar a meia no campo, fingir que joga, enfim, Dunga fez bem em dar uma chance aos que querem honrar a seleção. Eis a opinião de quem não entende nada de futebol, mas torce com o coração! Boa sorte aos rivais...
Anônimo disse…
kkkkkkkkkk, amiga, mais uma vez vc brilhou, amei sua cronica de hoje, falou tudo e mais um pouco!
Bjusss

Loreyne
Fabiana Yoko disse…
94 também foi a minha primeira copa... Só de lembrar daquela final, meu coração acelera.

Apesar do amor pelo futebol ter diminuído, confesso: os batimentos cardíacos aumentam a cada jogo do Brasil.

bju
Naquele pênalti do Baggio eu cai de joelhos e chorei muito de felicidade. Não me lembro de emoção maior do que essa pra mim no futebol . E como você bem disse, 94 foi minha primeira vez, A INESQUECÍVEL.
Debora Bottcher disse…
Não sou muito fã de futebol, confesso, prefiro Tenis), mas seu texto é um primor e, como todo mundo, torço pela vitória do Brasil. Que seja uma vitória tão bela como a de 94. Beijo pra vc.
albir disse…
Fernanda,
mesmo com todo mundo falando e escrevendo sobre isso, você ainda consegue fazer uma crônica interessante. Parabéns!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …