Pular para o conteúdo principal

TEMA LIVRE >> Fernanda Pinho

E então, na semana passada, fui surpreendida por um convite para escrever neste blog que, já há algum tempo, reside na minha lista de favoritos. Eu mal havia terminado de ler o e-mail e o convite já estava aceito. O fato é que todos os convites para escrever - os que já recebi, os que recebo e os que ainda receberei - já estão aceitos por mim, mesmo antes de me serem direcionados. É como chocolate. Se eu recusar, podem mandar interditar que não estou em pleno domínio das minhas faculdades mentais.

Me informaram, então, a periodicidade da minha contribuição aqui no blog. Ok. Os mecanismos de postagem. Ok. O dia da semana no qual eu escreveria. Ok. E que as crônicas tinham tema livre. E aí já não foi tão "ok" assim. Tá, eu sempre soube que tema livre era regra por aqui. Mas, tá, eu nunca soube que eu seria chamada para participar dessa libertinagem toda.

Parece simples, mas não é! Ou vocês acham que é simples uma categoria que coloca a controversa escalação do Dunga, a Mariana (minha prima que nasceu semana passada), o final de Lost, o cachorro quente do Boquinha Lanches, o vulcão Eyjafjallajoekull e os irritantes comerciais de Dia dos Namorados tudo dentro do mesmo saco? Porque tema livre é isso. É tudo. E tudo é tanta coisa.

Sempre me assustei com o tudo e me desorientei com o livre. Sou libriana, veja bem. Já nasci em dúvida. Duas opções já são capazes de me tirar noites de sono. Imaginem todas as opções do mundo? Pode parecer um pouco de drama (E é mesmo. Estou chegando agora, então fica uma rápida apresentação, para quem não me conhece: prazer, meu nome é Fernanda, mas pode me chamar de Drama Queen). Mas é que, como diz uma música do Nando Reis, o mundo é muito mais água do que eu posso beber. Tema livre implica em liberdade e, sinceramente, liberdade, liberdade mesmo, no sentido mais cru da palavra, é algo que nem me apetece tanto assim. Calma - esse negócio da gente não se conhecer ainda requer muitas explicações! Não tenho fetiche por correntes e algemas, penso que o mundo é grande demais pra vivermos a vida toda no mesmo lugar e acho uma falha da evolução que não tenhamos asas. Acredito, no entanto, que estar preso é a coisa mais humana que existe. Todo mundo é preso a alguma coisa. A um trabalho, a um amor, à família, ao cachorro, à comida preferida, à casa, a uma convicção, a um sonho, a um desejo, a uma rotina, a uma crença, a um time de futebol, a um hábito, ao compromisso de ser livre e a toda e qualquer coisinha que nos faça se sentir parte desse espetáculo que é a vida. E é tão gostoso fazer parte disso que a gente nem precisa ser assim, tão livre.

Agora, por exemplo, estou presa à deliciosa missão de escrever neste blog. Quanto ao dilema do tema livre, minha faceta jornalista - acostumada a ser pautada - já criou toda uma estratégia. Na minha cabeça, já estabeleci muito do que quero e do que não quero contar (Nunca vou falar, por exemplo, do vulcão Eyjafjallajoekull, porque é chato ter que recorrer ao Google toda vez que tenho que escrever essa palavra).

E vocês, fiquem livres - mas nem tanto - para comentar!

Comentários

Seja muito bem-vinda, Fernanda. Adorei o humor da sua estreia.
albir disse…
Bem-vinda, Fernanda. Receba nossa solidariedade pelo sofrimento de liberdade. Parabéns pelo texto inaugural.
Anie disse…
É bom ver uma escritora que admiro ganhando asas. Espero que as pessoas daqui passem a gostar dos seus textos tanto quanto eu já gosto. Ah, ótimo texto, por sinal. Quanto à liberdade, só digo uma coisa: "Livres para escolher, prontos para indecisão." (; haha.
Samara disse…
Um breve e leve ensaio sobre a liberdade. Tema livre é a crueldade das amadas crônicas. Mas quem disse que tudo tem que ser perfeito? E quem disse que a perfeição é boa? Seja livre para ser imperfeitamente perfeita.
Calypso Martins disse…
Texto tão convidativo e sedutor quanto todos os escritos por Fernanda Pinho. Adorei.
Loreyne disse…
Ferdiii, nem preciso comentar o quanto adoro ler o q vc escreve, qualquer coisa, até mesmo papos de msn vc me diverte sempre, e agora mais um lugarzinho pra ler vc, muito bom, parabéns amiga, vc merece!!!
Bjuuu
fernanda disse…
Eduardo e Albir, muito obrigada pelas boas vindas. Muito bom dividir um espaço com pessoas a quem eu já admirava.

Meninas, obrigada pelos comentários, pela amizade e pelo apoio de sempre.

Beijos!
Eu sou suspeita para comentar o texto porque um profundo laço de amizade me prende à autora, mas tenho a liberdade de me confessar abertamente dizendo que ela é uma das minha escritoras favoritas, pela inteligência de seus textos, pelo modo como consegue se expressar tão perfeitamente e me causar a sensação de compreensão mútua que só atinjo ao beber uma boa taça de vinho e ao ler Fernanda Pinho.
farley disse…
Pinho! Toda quinta vou ter o prazer de ler crônicas de primeira. Pq eu estava lendo umas de quinta( de seg a domingo). DESCULPE PELA PIADEX , foi a forma 'bem humorada" q quis te enaltecer. Adoro ler seus textos. O Costa.
SÃO RAROS OS TEXTOS QUE ME FAZEM IR ATÉ O FIM...E ESSAS ARTES ESCRITAS POR FERNANDA PINHO ESTÃO ENTRE ESSAS RARIDADES. SUCESSO FERDI...
Jujú disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Jujú disse…
Fico tão feliz em ver minha amiga-irmã-companheira de signo-dinda e muito mais ganhar mais um espaço, e quem ganha mesmo somos todos nós. E feliz porque finalmente podemos voltar a comentá-la!

Orgulho da Jujú, seus textos são sempre inspiradores, não importa o tema. E sei que vai arrasar em cada um deles, assim como nesse...

Muita "merda" (como dizemos no teatro!) nessa nova missão!

E desde já agradeço cada palavra, porque sei, elas vão me tocar como sempre!

Amo ocê!

Beijos
Sá Luz disse…
Qualquer coisa em grande quantidade, pode se tornar prejudicial. Talvez liberdade seja a única exceção.
Sejamos livres. Sempre.
fernanda disse…
Amigos, muito obrigada! Amanhã farei o depósito do valor combinado na conta de cada um :)
Beijos!
Carla Dias disse…
Fernanda... Acho que você acabou de ganhar o seu par de asas : )
Elas são invisíveis, mas como diria a minha sobrinha de nove anos: não quer dizer que não exista.
Seja bem-vinda com todas as prisões que a fazem bem (eu entendo completamente... adoro a maioria das minhas) e com a liberdade a tiracolo.
eu não conhecia esse blog, muito legal e parabéns por ter sido convidada para fazer parte dele e chegar apavorando,como sempre- nossa primeira conversa também foi assim, vc chegou com tudo, sem máscaras e armadilhas...- Enfim, agora vou bater ponto aqui tbm, assim como vc, não recuso convites para escrever e nem para leitura !
beijos
Kelly disse…
Lindo! Sempre bom Ferdi, arrasa!
Fabiana Yoko disse…
A liberdade (às vezes) me apavora. Gosto de pautas, regras e normas. Acho que isso é mal de jornalista, não é Ferdi?
Mas quando as explicações são dadas por você, o entendimento para mim sempre fica mais fácil...
Você é uma das minhas literaturas prediletas... Parabéns pelo novo desafio. Nem lhe desejo sorte, porque você tem mais que isso... Você dispõe de competência para fazer parte do mundo das palavras... Sou fã! Beijo.
Anônimo disse…
Puxa, Fê, ando correndo tanto...

Não podia, porém, deixar de passar por aqui, sabendo da sua estreia. Sabia, também, sempre soube, que o pessoal iria te amar.

Parabéns ao Eduardo também, sempre sábio nas escolhas.

É isso. Fernanda Pinho, escritoríssima. Rs...

beijos,

Felipe Peixoto
Sam Green disse…
Oi, Fernanda!
Bem, quando vc disse pra gente ficar livre - mas nem tanto - para comentar, confesso que fiquei com certo receio, mas vou arriscar.
Primeiramente, seja bem-vinda (ainda tem hífem? Essa regra nova me coloca doido).
Em segundo lugar, quero dizer que já tô adorando vc. Andei "butucando" o seu blog e gostei muito.
Tenho que dizer também que, apesar de vc não ter fetiches por algemas, te achei uma gatinha! Se eu não tivesse namorada e vc conseguisse manter relacionamentos por mais de meses eu iria te procurar. Hehe. Aliás, acho que eu iria te procurar de qualquer jeito, com excessão de eu ter namorada. Aff...
Enfim, Beijão. Adorei o texto!
fernanda disse…
Meninas e meninos, muito obrigada pela motivação de sempre. Vcs, que escrevem tão bem, falando tão bonito sobre mim...

Sam, não me complique com sua namorada...rs

Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …