Pular para o conteúdo principal

REALIZAR UM SONHO NÃO TEM PREÇO QUANDO SEU PAI TEM UM MASTERCARD >> Clara Braga

Sábado de manhã, céu super azul, um dia lindo como há muito eu não via. Não tinha como não ser um dia perfeito para que eu realizasse um dos meus incontáveis sonhos.

Acordei meio tarde, como normalmente acontecia antes de eu começar a trabalhar aos sábados, tomei aquele banho para acordar e comecei a me arrumar. Coloquei uma roupa bem fresca para aguentar o calor do dia que seria longo e fui para o tão famoso almoço em família. Esse era um almoço especial, pois minha vó estava indo passar um mês na Europa, então queria se despedir, não sabia como iria ficar um mês sem ver as filhas e os netos. No almoço era aquela bagunça, todo mundo anotando as encomendas no guardanapo, e minha vó, coitada, se perguntando como ela ia fazer pra dar conta de carregar aquilo tudo, parecia que todo mundo tinha esquecido que ela — mesmo não parecendo — já era uma senhora de idade.

Apesar de sermos só 4 aqui em casa, tivemos que ir em dois carros, pois eu teria que almoçar rapidinho e sair correndo para ensaiar com a minha banda, não ia poder ficar para a famosa fofocaiada pós-almoço. Como eu, sempre enrolada, fui a última a terminar de me arrumar, minha mãe e meu irmão foram na frente para buscar minha vó e meu pai ficou esperando, extremamente impaciente, eu terminar de me arrumar, assim ele poderia me ajudar a carregar algumas coisas da minha bateria até o carro.

Assim que entramos em meu carro e eu dei a partida, o ponteiro da gasolina mal subiu. Eu tinha que ir para muito longe, não tinha outra opção, eu teria que abastecer, e esse foi o momento em que eu me toquei de que poderia estar perto de realizar um dos meus sonhos.

Fiz um certo charme pro meu pai, falei que eu era uma estudante até então desempregada, não tinha como manter meu carro sozinha, gasolina estava cara e como eu divido carro com minha mãe, espero sempre ela abastecer para usar, mas naquele dia não teria jeito: ou eu usava meu dinheiro quase inexistente ou contava com a boa vontade do papai.

Pai que é pai pode até fazer cara feia, mas no fundo não resiste a um bom charme cheio de argumentos. Quando ele disse: "Sim, eu encho o tanque do seu carro, minha filha", meu coração disparou e eu percebi que era verdade, eu estava mesmo muito perto de realizar um dos sonhos que eu só achei que realizaria quando fosse muito, muito rica, ou seja, nunca!

Em poucos minutos, eu já estava no posto, o que era muito importante, afinal, se demorasse, podia ser que a gente tivesse que empurrar um carro com uma bateria dentro até o posto. Quando o frentista começou a caminhar em direção ao meu carro, eu me via naquelas cenas de filme hollywoodiano em que tudo acontece em câmera lenta: ele vinha andando calmamente, segurando aquela flanelinha na mão, enquanto eu ia tirando a chave da ignição para entregar a ele. Já sentia o meu momento acontecendo, aquela palavra que eu sempre quis dizer e nunca pude já estava quase pulando para fora da minha boca, meu coração batia cada vez mais rápido, estava mesmo acontecendo! Quando o frentista chegou ao lado do meu carro e disse: "Boa tarde, vai botar quanto?", eu entreguei a chave a ele, tendo sempre em mente que o cartão que ia passar não era o meu, então sem titubear eu disse a famosa palavra que eu sempre quis dizer em um posto e nunca cheguei perto de dizer: COMPLETA!

Comentários

Eita prosinha boa, completa. :)
albir disse…
Clara,
não esqueça de nos contar quando realizar cada incontável sonho.
albir disse…
Clara,
não esqueça de nos contar quando realizar cada incontável sonho.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …