Pular para o conteúdo principal

ABRAÇAR [Maria Rita Lemos]

A senhora, sentada à minha frente, estava visivelmente tensa.

Era uma pessoa de meia-idade, com problemas muito sérios de relacionamento, envolvendo o marido, filhos e filhas. Aliás, esses eram as primeiras vítimas de seu problema, que poderia até ser diagnosticado como distimia (uma espécie de mau humor crônico), mas não eram as únicas pessoas que sofriam com os distúrbios dessa senhora, que chamarei de dona Maria. Sendo professora, como era, dá para perceber que os pequenos (ela dá aulas no primeiro grau) também recebiam os respingos de sua forma de ser e atuar no mundo.

O sol da manhã batia em meu rosto, portanto levantei-me para cerrar um pouco a persiana. Fazendo esse movimento, toquei em seu ombro, sem querer, e a reação foi muito forte: ela emitiu um movimento, involuntário mas visível, um gesto brusco de sobressalto e até de certa repulsa, pelo simples fato de minha mão ter tocado em seu ombro, por fração de segundos.

Percebi – e apontei isso a ela – que dona Maria não gostava de ser tocada. Quase chorando, ela confirmou, e disse que era essa uma das dificuldades que tinha em amar e receber amor, ao menos fisicamente falando. Não importava o sexo de quem a tocasse, ou a cumprimentasse com um beijo ou abraço, dona Maria sentia repulsa e repelia manifestações físicas de afeto.

Nossa capacidade de dar e receber carinho está diretamente relacionada aos modelos afetivos que tivemos na infância. Aprendemos a abraçar quando somos abraçados, aprendemos a repelir abraços quando somos repelidos. O medo de tocar alguém está em linha direta com as vivências afetivas e/ou sexuais indesejáveis, mesmo que inconscientes. Para essas pessoas, com o perfil de dona Maria, que na infância tinha também severos traumas sexuais, qualquer contato físico pode ter conotação erótica. Em nossa sociedade, infelizmente, os toques que são dados nas crianças consistem, muitas vezes, em puxar, empurrar, conduzir ou, muito pior, bater.

Entre adultos, mesmo que sejam amigos, os toques físicos são também pesados e medidos: apertos de mão duram poucos segundos, beijos não envolvem pele e boca, muito menos olhares: limitam-se a muxoxos simultâneos no roçar de bochechas, quando mais rapidamente melhor. Os homens, quanto muito emocionados (em enterros, casamentos e aniversários), capricham em “espancar as costas”... quanto mais tapas, e mais ruidosos, acreditam que estão expressando mais ainda seus sentimentos. Pobre ser humano, quanta coisa para mudar, ainda, quantos grilhões ainda nos retêm prisioneiros!

Quando alguém “ousa” chegar mais perto, abraçar mais longa ou apertadamente, ou solta a alma na carícia das mãos, no mínimo será tachado como excêntrico, para não usar outros adjetivos. Até mesmo a sexualidade, infelizmente, vem sendo apartada do afeto e dos vínculos. Sem amor, sem laços, o sexo fica sem graça, insosso, sem brilho. Vazio.

Em reciclagens que fazemos periodicamente em análise transacional e terapias corporais, temos que vivenciar diversos exercícios de toques, massagens, dar e receber afeto, sem qualquer conotação erótica (inclusive os pares ou casais são separados para essas atividades). Estamos tão presos aos nossos (pré)conceitos que mesmo psicólogos mais experimentados a princípio sentem-se tímidos e constrangidos, e reagimos retesando o corpo ou rindo, quando o exercício consta em tocar lentamente o rosto de um(a) colega, dar ou receber seu “colinho” como se fôssemos bebês outra vez, ou simplesmente olhar para o outro, profundamente, tentando enxergar a alma. Tudo é feito lentamente, sem pressa, com a intenção de experimentar o prazer do calor humano, quebrar barreiras e aprender a dar e receber mais naturalmente. Só treinando percebemos o quanto somos rígidos, o quando nossa cultura nos endureceu, por fora e por dentro, o quanto aprisionamos o que temos de melhor para dar.

Fazer contato físico com as pessoas é, talvez, a mais rica e eloquente das comunicações humanas. No entanto, somos todos subnutridos dessa forma maior de doar-nos. Quer um exemplo, aqui e agora? Pare essa leitura e abrace, agora mesmo, onde estiver, a primeira pessoa que encontrar, dizendo apenas que ela é importante, insusbstituível. Se estiver perto de alguém amado(a), não esqueça de dizer desse amor. Poderá ser chamado de louco ou olhado como se fosse, mas aos poucos sentirá que vale a pena começar a mudar essa história.

Comentários

Olá

Já me acostumei, vez por outra , a vir ler as crônicas do blog. Gostei muito da forma como este artigo fala sobre o toque e da aprendizagem vivencial.
Aços
Brigadim por nos lembrar dessas coisas tão importantes, Maria Rita.
Anônimo disse…
Eduardo, estou com uma crônica para mandar e não estou achando o local... me ajuda? Desculpe a desinformática!
Maria Rita
Oi, Maria Rita.
Respondi para o seu e-mail antigo (não sei se você ainda o usa).
Caso não receba minha mensagem, me escreva no eduardoARROBApatio.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …