Pular para o conteúdo principal

O IDEAL E O REAL >> Eduardo Loureiro Jr.

Sei que não parece, mas já fui muito exigente. Quem me vê assim, tranquilo, satisfeito com as coisas do jeito que são, não imagina o quanto eu já reclamei meus supostos direitos e clamei aos céus o atendimento de necessidades "fundamentais", sem as quais eu não poderia viver.

— Por exemplo? — o leitor, sempre curioso, há de perguntar.

Mulheres, por exemplo. Eu pensei que tinha direito a uma mulher ideal e já pedi muito a Deus que me desse uma mulher assim...

Fisicamente, apenas um pouco mais baixa do que eu. Cabelos longos e dourados (mas não pintados), quase encostando na bunda, que teria de ser grande, sem ser exagerada. Seios fartos, até com uma certa tendência ao exagero. Uma mulher esguia, não magrela. Pele macia, de fina penugem. Mãos e pés delicados, nem grandes nem pequenos. Pernas grossas, não marombadas. Olhos alternando entre o verde e o azul, de acordo com a luz do ambiente. Voz de quem canta, e que cante mesmo, e muito bem, mas sem aquele tom de impostação. Quanto mais natural o corpo, melhor. Nada de batom nos lábios, pintura nas unhas ou saltos nos sapatos. Sandálias baixas, de preferência. Perfume só se for tão sutil que parece que nem foi colocado.

Os gestos, os movimentos, são importantíssimos. A mulher deve andar feito uma bailarina e correr feito um cavalo — a perfeição está nessa graça selvagem. Embora saiba dançar muito bem, e participe de um ou dois grupos de dança, deve ter paciência comigo, que não sei dançar e que prefiro ficar só olhando. Há que se ter discrição, aqui também não fica bem o exagero. A mulher deve falar quando convidada, mesmo que seja apenas com o olhar, e há de possuir o dom da oratória escondido em uma cativante simplicidade. Mas, acima de tudo, tem que ser uma fiel amiga do silêncio.

É preciso que possua habilidades manuais: que tanto saiba costurar quanto fazer pequenos consertos. Que toque um instrumento, de preferência a flauta transversa. Que saiba fazer um bom embrulho de presente. Que cozinhe com perfeição desde um simples molho de cachorro-quente até um complexo peixe. E que, depois da refeição, a cozinha fique limpa, com cheiro de nova. Organização é primordial em uma mulher: cada coisa no seu lugar, sem mancha no chão, sem farelo na mesa, sem louça na pia. Mas, mais uma vez, sem exageros: convém deixar a cama por fazer pelo menos três vezes por semana.

Há que ser companheira: minha melhor amiga. O ideal é que torça pelo São Paulo e ainda guarde, da infância, a torcida pelo Fortaleza. Deve acompanhar, e entender, o futebol. Também o basquete, o vôlei e o tênis. E que tenha memórias de quando era uma esportista. Deve ter disposição para caminhar diariamente, seis, oito, dez quilômetros, de pés descalços na beira da praia. A saúde, claro, em perfeito estado: sem cansaço nem estresse. E nada de vícios: nem bebida, nem fumo, nem compras, nem fofoca.

Assim como é minha amiga, deve ser amiga de meus amigos: gostar de recebê-los em casa para um papo e comparecer aos aniversários. Deve compartilhar meus hobbies: ser inteligente e hábil em jogos de tabuleiro; conhecer um tanto de história da música e do cinema; ser descolada nas novidades informáticas e internéticas.

A mulher ideal lê o que eu escrevo, antes de ser publicado, e é uma perita em revisão. Não deixa passar um equívoco, mas respeita os erros voluntários de estilo. Entende as brincadeiras, as ironias, as elipses. E, acima de tudo, admira o texto, mesmo que trate de outras mulheres — tem segurança suficiente para não ter ciúmes. Além disso, escreve também com mestria, seja uma dissertação de mestrado ou um simples e-mail. E trabalha comigo em projetos criativos.

Sexualmente, gosta de fazer — e não apenas de receber — preliminares. Massageia-me do couro cabeludo até a ponta des pés — de costas depois de frente — antes de fazermos sexo. Está completamente umedecida antes mesmo de tirar a roupa. Goza três vezes em questão de vinte minutos: uma quando a penetro pela primeira vez; novamente quando a penetro depois de colocar a camisinha; e uma terceira vez junto comigo. Remexe os quadris como uma passista de escola de samba e domina a arte do pompoarismo. Molha meu peito com as lágrimas quentes de seu prazer emocionado. E ainda faz sexo anal de vez em quando. Depois do amor, deita em meu peito e fica ali. Não se levanta para tomar banho, mas adormece comigo. E me faz cafuné e me amolega todos os dias.

A mulher ideal é inspiradora como a lua, sedutora como as sereias, surpreendente como as nuvens, protetora como a Mulher Maravilha. Não tem filhos. A mulher perfeita é amiga, amante e mãe. Existe só para mim. Se adoeço, sabe tratar-me. Se erro, sabe perdoar-me. Se enlouqueço, transforma a loucura em projeto. Minha deusa escreve certo por minhas linhas tortas.

*

Tal é a mulher que, por tanto tempo, acalentei em meus pensamentos e em meu coração. O leitor vai dizer que tal mulher só existe em minha cabeça. E hei de confessar que sim, assim assim, todinha uma só, ela apenas existe na minha cabeça, mas sem esquecer de que ela é a combinação das mulheres que já conheci. Houve mesmo um tempo, o tempo quase todo de minha vida, que procurei por essa mulher, sem jamais encontrá-la exatamente assim.

Foi quando percebi que mais vale uma mulher real na mão do que uma mulher ideal na imaginação. Não mais reclamo nem clamo. Apenas amo a mulher que escolhi para mim.

Comentários

fernanda disse…
Vou te contar, eu também tenho meu homem ideal. E todos aqueles de quem eu gostei verdadeiramente não preenchiam nenhum requisito da lista...rs. Vai entender...
É, Fernanda, "o coração tem razões que a própria razão desconhece". :)
Marilza disse…
Eu nunca tive um modelo de homem ideal. Até porque, pra mim, o ideal de "fidelidade" na exata concepçao e abrangência da palavra já é bem forte.

Acho que o ideal é aquele que te faz feliz, no seu momento, no aqui e agora.
Sam Green disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Sam Green disse…
Sabe de uma coisa Eduardo, acho que essa não é apenas a sua idealização de mulher, mas a de todos os homens. Tô apaixonado por essa que vc descreveu.
Também tenho uma mulher ideal em mente e uma namorada real há 4 anos (e como namorada real, ela é ideal). Hauhauhau.
Parabéns pelo texto. Maravilhoso, como sempre!
Carla Dias disse…
Ideal mesmo é a gente não perder a chance de amar pessoa escolhida, independente do que a nossa imaginação pintou e bordou, independente do que é ideal. Sem contar que assim há a surpresa... E quem não gosta desse tempero, não sabe o que está perdendo.
Marilza, você quer um modelo mais ideal do que "aquele que te faz feliz"? Na realidade, é a gente mesmo que se faz feliz. :)

Ô Sam, a mulher ideal é minha e o boi não lambe. :) Mas brigadim por ter se apaixonado por ela. :)

Carla, você sabe tudo. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …