Pular para o conteúdo principal

DE ESTEREÓTIPOS [Monica Bonfim]

Te economizando a ida ao dicionário, diz o Houaiss que estereótipo é “idéia ou convicção classificatória preconcebida sobre alguém ou algo, resultante de expectativa, hábitos de julgamento ou falsas generalizações”. Uau... uau... uau...

Pois acabei de entrar em casa, tirei os sapatos, pus os pés na mesinha de centro e tomei um mate gelado com limão, enquanto minha secretária para assuntos domésticos estava passando roupas na sala (é atualmente o lugar mais fresco da casa com a chegada do verão amazonense) ouvindo U2 enquanto dança e me pede o CD emprestado para ouvir na casa dela no final de semana. E comenta que ela gosta mais de dançar que as filhas dela — que estão adolescentes e ela cria sozinha, trabalhando em dois empregos. Aproveitei a oportunidade para perguntar por que ela tinha tirado os CDs de pagode que eu estava ouvindo no final de semana. “Pagode, doutora, só quando estou bebendo... ”.

E semana passada eu estava numa reunião cheia de senhores engravatados quando toca meu telefone, eu dou duas ou três instruções ao meu faxineiro e, quando desligo, vem a pergunta:

— Desculpe, doutora, mas a senhora estava falando com quem?
— Meu faxineiro.
— A senhora tem um faxineirO? — o
“o” foi com maiúsculas mesmo.
— Tenho sim, claro, por quê?
— Mas ele é gay?
— Não, não é. É heterossexual convicto, pai de filhos e eu que não ponha moral em casa porque senão ele e a passadeira se conhecem em sentido bíblico.
— Mas ele lava suas roupas?
— Não, meu caro, quem lava roupas é a máquina... ele só põe a roupa na máquina.


Não vou contar o desdobramento (aliás ridículo) do diálogo porque é óbvio: para o conceito machista do “doutor” que comigo discutia, um homem não se presta a ser faxineiro a menos que tenha tendências femininas.

Já eu acho que toda casa tem que ter um homem, nem que seja mediante pagamento. Querem saber se sou capaz de pintar paredes, fazer extensões de telefones, usar furadeiras? Sou, amores, mas nessa altura do campeonato — aliás, como já lhes disse — tenho humildade suficiente para encarar o fato de que, apesar de ser capaz, não sou eficiente na matéria e acho melhor chamar quem sabe. Meu faxineiro é o rei da eficiência nessas matérias: instala aparelhos elétricos (os eletrônicos sou eu), conserta coisas, pinta paredes, varre a casa, encera os móveis, lava as paredes, põe a roupa na máquina e ainda faz serviços externos para o meu escritório de vez em quando.

Mas aí eu olhei para mim mesma e fiquei rindo: solteira, 48 anos, um cachorro... Oh! céus! Já teve um desavisado que achou que eu ficava os finais de semana com um paninho na mão limpando bibelôs... AAAAAAAAAAAAAAAAARGH!

E na sexta passada, saio eu para comemorar uma vitória jurídica de uma amiga que representei e que, como eu, gosta de vinho, e no lugar em que bebíamos se aproxima um sujeito que pede para sentar à mesa. Como ele foi educado, nós consentimos, mas aí ele resolveu chamar um amigo. E o amigo... Ai, ai, ai. Na quinta vez que ele me interrompeu no começo de uma frase, a minha paciência — que já tinha nadado na primeira garrafa de vinho e começava a se afogar na segunda — foi para o brejo e disse a ele que o assunto estava ótimo antes dele sentar, e que se ele não tinha vindo para acrescentar nada e só para interromper o papo ele podia se retirar. Duas mulheres bebendo num bar têm que estar catando homem? Mas que absurdo!

Para vocês verem, senhoras e senhores, quão limitada é a ótica de quem rotula a vida e as pessoas segundo padrões preconcebidos e falsas generalizações: meu faxineiro não é gay, minha empregada não gosta de pagode e eu, heterossexual desde criancinha e solteira, continuo achando que antes só que mal acompanhada.

Comentários

Juliêta Barbosa disse…
Monica,

Não foi esta a tua intenção, eu sei, mas ganhaste uma fã. Vou ficar de olho nos teus próximos textos. Parabéns!
Kinha disse…
Julieta, obrigada...
Amor amor disse…
Mônica, amei a idéia de ter uma faxineiro, o máximo. E a idéia de estar solteira depois dos 40, colocada assim, me parece muito interessante! Muito bom o texto, me diverti horrores, hahaha!

Beijocas doces cristalizadas!!! ;o)
Analu disse…
Monica, my darling, sempre pertinente. Pois vc sabe que eu penso igualzinho a vc. Antes só do que mal acompanhada.
E quantas cervas tomamos juntas num barzinho aqui em Petrô durante uma tarde longa e agradável e nem por isso estávamos à procura de alguém. Só de nós, que não nos víamos há anos...mas enfim...preconceitos...rotulações. O povo medíocre é assim.
mil beijos e saudades!
Kinha disse…
Nalu querida... é por isso que a gnete sempre pode beber mais cervas...risos... e tome assunto.

Brigadim
Lemarsa disse…
Olá, Monica! Adorei o texto. Crítico e bem humorado - na medida certa do sarcasmo. Achei que vc esbarrasse com caras chatos só em bares de São Conrado. Teve sorte de ele também não ter jogado a gimba do cigarro no balde de gelo das duas... bjs Leandro.
Kinha disse…
Le... eu agradeço muito àquele chato que jogou o charuto no balde de gelo, sabia? hahahahahahahahaha

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …