Pular para o conteúdo principal

CALEIDOSCÓPIO [Sandra Paes]

Debruçada. Semprei achei essa palavra e imagem muito estranha. Lembro-me da primeira vez, quando criança, em que experimentei seu significado. O céu debaixo das pernas parecia um convite especial a uma viagem transcendental. A cabeça de menina, por certo, não tinha os conceitos na mente, mas a visão de cabeça pra baixo revelava quase que um outro mundo.

Depois disso, as piruetas, as cambalhotas. Estar horas e horas na barra de ginástica não era, como pensavam os adultos por perto, um exercício a mais pra uma menina com vocação de ginástica. Qual o quê! Eu estava mesmo em busca do céu às avessas. Que maravilha poder não sentir a gravidade e ter o céu sob as pernas, de tantas formas e contornos que poderia fazer tantas e tais posições e prender a respiração apenas pelo lúdico movimento de estar no céu de certa forma.

Hoje, contemplando a tempestade lá fora, ouvindo ao telefone queixumes sobre os relâmpagos, me vi bebendo a chuva e em glória única diante dos trovões e relâmpagos que o céu exibia.

De novo, eu e o céu. Esse mar azul onde sonho nadar por tantas vezes. Entre nuvens que parecem flutuar, sigo sóbria e lépida, ao mesmo tempo num mergulho único, e saio banhada de luz e leveza entre as braçadas e movimentos serpenteantes que faço no puro azul do céu.

Vejo, pela televisão, momentos de cebebração pela chegada do homem à lua. Minha paixão pelo cosmos e essa vontade de alma de o virar do avesso me fez vibrar orgasticamente com a frase de Gagarin dizendo: “A Terra é azul!”.

Sim, conheci ali a inveja. Quisera estar em seu lugar olhando o planeta pela janela. Tão maravilhada quanto a menina que descobria o céu entre as pernas.

Fundei ali meu caleidoscópio. Criei ali o desejo já plantado na alma por éons de ver em miríades todas as imagens como reflexos de milhares de espelhos que tudo refletem. Dos pensamentos aos desejos. E eles nem teriam tais nomes. Na imaginação, onde todas as ações são apenas imagens, seu criador nada precisa fazer. Apenas o ato de estar sempre de cabeça pra baixo lhe dá a dimensão que tudo está certo e em seu lugar, ou seja, lugar algum.

Portanto, cessem os chamados de ofertas, de cobranças, de propostas de negócios e lucros, e toda essa conversa sobre vantagens disso e daquilo. Sou uma viajante em céu de brigadeiro, onde não há guerras nem competições de mercado, e nem se ouve falar das coisas dos homens. Essas com etiquetas de preços e valores a serem barganhados como ensinaram os velhos vendilhões dos templos e dos mercados.

Não quero compras nem vendas, não gosto do jogo das apostas como sintoma de vitórias e derrotas, nem pisco pela possibilidade de ganhar só pra mostrar que posso ser a tal. Entre fulano e sicrano, prefiro beltrano só porque não apareceu na opção ofertada. Esse o efeito na escala de valores de quem descobriu muito menina que a vida é apenas a possibilidade de trocentos caleidoscópios, e eu sinto muita saudade de brincar outra vez, sim, de cabeça pra baixo.

Que bom ver tudo de pernas pro ar. Que luxo quebrar com a gravidade de tudo - da Terra, dos objetos, da seriedade de temas e juízos, de tudo que se nomeia como certo e real, de todos os sintomas catalogados como forma de se cercar uma gnose e dar um diagnóstico.

Bah! Cessem os tambores dos anúncios dramáticos ou prenúncios de novidades. Pois a coisa mais certa de todas as coisas, no céu do avesso, pode ser apenas uma possibilidade e, se piscarmos os olhos, tudo se movimenta e se altera.

Por que não experimenta? Arruma a coluna e revela que, mesmo com vértebras tortas, pode-se perder o centro com alegria e ainda rir de tudo que parece esquisito por estar fora de ordem.

Desdigo a virginianice criticada em mim e apenas sorrio, porque, afinal, em não sendo fundadora da ordem, gargalho diante dos arremedos de justificativas de como deveria ser certinha e responsável.

Faço de minha vertigem cotidiana um retorno aos tempos de menina na barra em busca de uma nova visão do céu e da terra.

E per se move...

Comentários

Mais um belo texto a partir de quase nada, Sandra. Parabéns!
sandra disse…
Obrigada Eduardo..Esse "quase " nada é fruto de alguns anos de contemplação viu?

Beijo,

Sandra
Lindo texto, Sandra! Também tenho um caleidoscópio de vida e com ele enxergo um mundo de alternativas coloridas.
Kinha disse…
Sandra...desculpe a demora em ler...o texto é lindo.

Beijo grande

Mônica

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …