Pular para o conteúdo principal

ESTOU PARA... >> Carla Dias >>

A temperatura das palavras a perturba...


Fosse apenas um arruaceiro, dedicado a emparelhar sentimentos vãos - e lançá-los contra os muros do óbvio -, talvez ela não mastigasse nesse tempo o amargor, enquanto encaracola uma mecha de desassossego.

Arrancada que foi da (in)tranquilidade que lhe cabe, agora conta nuvens nos dedos: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7... O mundo para e, em vez de descer, enquanto lhe é de direito, ela pisa firme no solo da teimosia e da curiosidade. O que está no avesso assanha o seu desejo em esperar para ver.

Ela: estática. E a chuva cai nas suas faces, que amparam o cansaço dos anos que foram e dos que virão. Ela é assim: ora se atrasa e ora se antecipa, atrapalhando-se com os rompantes da própria existência, como quem prende o dedo na porta e cala o grito, o olhar simulando uma diversão pálida.

Creio que sempre teve esse algo com a temperatura das palavras, como aquelas que ela guarda na memória, desde os arrabaldes da infância, ditas pelas vozes da mãe, das tias, da avó: Que Deus lhe guarde.

Deus a guardou nessa caixinha colorida com laço cor de arco-íris. Em suas mãos, Ele depositou o segredo das coisas mais simples, para que ela pudesse se alimentar de experiências o cotidiano ao vislumbrar a ingenuidade. Só que, no seu coração, Ele tatuou labirintos, onde ela se perde nas noites longas demais da conta ou quando acossada por inusitados acontecimentos.

Nessa caixinha colorida, com laço cor de arco-íris, ela aprendeu a reza, esfolou os joelhos de tanto se ajoelhar. Puiu os dedos de tanto desfiar rosário. Em dias de sol, esconde-se debaixo de tampas de papel machê e molda solicitude. Quer ser desabrigada, dia desses. Desabrigada de sair pelo mundo sem destino, mas com o olhar atento à novidade refletida no horizonte, em tom de desobrigação.

A temperatura da palavra estampada em sua pele. Questiona sempre se os que a cercam realmente sabem sobre o que está tatuado em sua tez. E se eles compreendem que a tez é a cortina que separa o público das atrações principais.

Ela já sequestrou entendimentos, mas isso não deu certo. Desentendeu-se com ele em dois tempos, feito um samba de Cartola. Anda inquietada com a volatilidade das canções de amor, das preces e das bênçãos, da inegável necessidade de alento, companhia, fé, improvisação.

Improvisa um tamborilar sobre a mesa da cozinha. Um tamborilar esgarçado, de preocupação impertinente com a temperatura das palavras. Lá fora: tantos graus de um verão narcisista. A temperatura preferida dos que fogem para as praias, dos que ficam de molho em piscinas, dos que tentam se refrescar aos baldes d’água. A beleza para os que fotografam dias de sol para as revistas de turismo.

Dentro dela, a temperatura é a tecida pelas palavras: um inverno a toca, despudorado esse tal, e a faz pensar em cenários outros que não os veiculados em telejornal ou em comerciais de cerveja e refrigerante. A temperatura é a das palavras à sombra de tantas outras, gélidas, de um jeito bom, de quando se toma banho quente depois de tomar chuva, para então se enfiar debaixo das cobertas e assistir televisão, até cair no sono.

Badulaque tem temperatura da alegria e da alegoria. Distração é coisa morna dentro da gente. Paixão? Essa tem de correr das rimas.

A temperatura das palavras a perturba por pura oscilação. Por teimar em pertencer às estações da alma dela. Dela que insiste em levar a vida como quem anda em linha reta, ainda que, por ousadia de qualquer entidade dedicada a cutucar alma, ela acabe por contar nuvens como quem conta pétalas de flor colhida na quentura das emoções.

Perturbar-se é necessário.




http://www.carladias.com
http://talhe.blogspot.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …