Pular para o conteúdo principal

NECESSIDADE DE HOJE >> Carla Dias >

Quando eu era mais jovem, tinha uma necessidade tresloucada que vivia dentro de mim. À noite, ela me tirava o sono. Durante o dia, me distraía do que tinha de fazer.

Essa necessidade também teve suas fases, de acordo com o tempo do meu calendário de vida experimentada. Por exemplo, aos dez anos, eu a chamava “cadê o meu buraco?”. Sei que dar nome a algo usando uma frase, ainda mais com ponto de interrogação no final, não funciona na maioria das ocasiões. Mas, neste caso, tinha tudo a ver com os meus dez anos de idade e a vontade louca de me enfiar num buraco e não precisar lidar com as pessoas. Para mim, os adultos estavam sempre fazendo perguntas menos importantes do que a falta de ar que me pegava de jeito quando tentava entender aonde ia dar o universo.

Mais tarde, a minha necessidade era de livros. Lia tudo o que caía na minha mão, romances água com açúcar, gibis, revistas de música, álbum de figurinhas, bulas, receitas da lata de leite condensado, Herman Hesse, Vinícius de Moraes, Clarice Lispector, Richard Bach, Milan Kundera, Lobsang Rampa... Foi a necessidade por me infiltrar no universo desses escritores que me levou a pegar três ou quatro livros por semana na biblioteca da minha cidade.

Mais do que ler aqueles livros, eu ficava imaginando quem os teria lido. Aqueles números de controles nas capas, a fichinha de retirada e de entrega, os nomes que eu não sabia de quem eram, mas enfeitavam a minha imaginação. Pensava muito sobre as casas, gavetas e bolsas por onde passavam aquelas histórias. E almas... As almas que os sorviam.

Um pouco mais adiante, e a necessidade era de assistir aos filmes da promoção “pegue 5 do catálogo e fique com eles durante 5 dias”. Descobri que adorava as locadoras de vídeo, que era sempre um prazer passar um tempão vendo aqueles filmes, lendo sinopses e ficando bronqueada com títulos horríveis em português e capas que eram um pesadelo, mesmo quando o filme era “de amor”. Obviamente, isso nunca me impediu de pegar tais filmes, vide o “Apaixonado Thomas” e “O Buraco”. Ótimos filmes, péssimos títulos, capas estranhas.

Foi então que chegou essa necessidade que resolveu prevalecer. Claro que continuo querendo um buraco onde enfiar a cabeça, toda vez que tenho de lidar com pessoas que não conheço, mas acho que tenho enfrentado esse problema com mais classe do que a menina bicuda que era aos dez anos de idade.

Certamente, os livros ainda freqüentam minhas necessidades, tanto que não me bastou lê-los, por isso me atrevi a começar escrevê-los. Porém a gana é outra... Muito mais curiosa pelos detalhes, disposta a perder mais tempo em cada um deles, visitar as entrelinhas, hoje a urgência vem de outro canto. É urgência em me embrenhar pelos mistérios que os livros carregam para seus criadores.

Ando cada vez mais envolvida com esse mundo do cinema, dos filmes. Perdi completamente o pudor em relação às sinopses e às capas, e me arrisco, sem pestanejar. Às vezes, as surpresas são daquelas, como ontem, ao assistir “A Vingança de Alexandra”.

Descobri - agora adulta e mais desacautelada do que quando tinha dez anos – que a necessidade pungente e vigente é a de me acalmar um pouco... Desnecessitar. Pode parecer que não, porque sou até que reservada, mas enquanto a tranqüilidade transparece são as necessidades – que sim, hoje são muitas – que fazem baile no meu dentro. Estou sempre pensando em muitas coisas ao mesmo tempo, calculando um jeito de chegar na hora, mesmo quando ao meu corpo só resta o descanso. A necessidade de valer a pena, de conquistar afetos, de demonstrá-los claramente. E daquelas tardes de sábado regadas à preguiça da mais sonsa, a insônia morando em outra freguesia.

Desvencilhar-me da necessidade turbulenta, criada apenas para amparar o meu passeio por aquele buraco onde vivem as controvérsias da minha própria existência.

Não é a primeira, talvez não seja a última vez que requisito um descanso de mim mesma. Complicado é me dar conta de que, sendo assim, esse descanso é a atual necessidade que me tira o fôlego.

http://www.carladias.com/
http://talhe.blogspot.com/

Comentários

Carla, mudam os filmes, mas eu bem que poderia ter escrito essa crônica. Não tão bem quanto você, é verdade, mas eu estou completamente aí. :)
Ah, o nome do filme é mesmo "A Vingança de Cassandra"? Eu não consegui localizar. Qual o título original e o nome do diretor?
Carla Dias disse…
Oi, Eduardo!
Pois é... Quem sabe a gente não divide a varanda com cara para um horizonte bem bonito nesse descanso, falando sobre esses filmes, essas músicas, né? Uma varanda com redes pra gente sossegar a alma. Podemos chamar outros afoitos com a vida para esse descanso merecido e fazer uma festa preguiçosa : )
E claro que eu, que vivo trocando as bolas, me dei conta somente hoje de que o nome do filme estava errado... É A VINGANÇA DE ALEXANDRA (Alexandra's project).
Carla, você tem o dom de fazer seus leitores irem em busca das suas aulas de arte!
Carla Dias disse…
Ah, Marisa... Ser arteiro é bom que só : )

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …