Pular para o conteúdo principal

Vou deixar a rua me levar >> Kika Coutinho

A história é verídica. Eu tinha acabado de criar o meu primeiro blog, que se chamava Estações ou algo assim. Do alto dos meus 20 anos, escrevia sem parar e, para decorar o blog, escolhi uma foto linda que achei na net. Eram umas árvores de outono, com folhas amarelas no chão. Enfim, uma belíssima paisagem.

Lá pelas tantas, recebo um e-mail em inglês de uma senhora que se dizia a fotógrafa da imagem que eu usava no blog e, como eu o fazia sem a permissão dela, deveria depositar na conta XYZ uma quantia de X dólares. Eu tomei um susto, mas, como mal tinha real, ri de pensar que ela imaginava que eu teria dólares.

Respondi me desculpando e explicando que não poderia pagar-lhe, mas tiraria a imagem, já que ela não queria que eu a usasse. Não demorou muito para que a mulher me escrevesse novamente, propondo um acordo. Ela pesquisou meu nome na internet e, achando que só existia uma Ana Carolina no Brasil, concluiu que eu era uma cantora famosa e que tocava guitarra em muitos shows pelo meu país. Dessa forma, ela gostaria de receber um CD meu, porque também tinha ouvido falar muito bem da música brasileira e o meu CD, portanto, poderia ser o pagamento pela foto que eu usava. Dessa vez, eu ri muito com o e-mail. Eu, que mal sei segurar um violão, não tinha nem reais nem dólares, estava sendo confundida com a Ana Carolina.

Não titubeei. Juntei um pouco do que eu tinha, fui a uma loja de CDs e comprei o último da cantora. Peguei o endereço da minha fã americana no e-mail e fui ao correio. Lá chegando, ainda fiquei alguns minutos no balcão, decidindo o que escreveria. “With love, Ana”, eu ensaiei em um papel de rascunho como seria a minha assinatura de famosa. Já pensou se ela quisesse um show meu? Poderia me indicar para o estádio da cidade dela, e eu iria, claro. Chegaria lá arrebentando no “Vou deixar a rua me levar”, um dos hits da cantora. Ups, um dos meus hits. Eu já estava assumindo a personagem, me imaginando no Central Park ao lado da Madonna: “A revelação Brasileira” seria a manchete dos principais jornais, o Zeca Camargo cobrindo tudo.

Acontece que a verdade, como sempre, é bem menos interessante do que a imaginação. Eu não assinei o CD, apenas mandei com um bilhetinho e, em casa, escrevi um longo e-mail explicando a ela o mal entendido.

Passaram-se alguns dias até que viesse a resposta. Ela escreveu, agradecendo a minha honestidade e principalmente o CD, que tinha feito enorme sucesso na casa dela. Enviou, anexo ao e-mail, um link para o catálogo dela de fotos, e pediu que eu usasse quantas quisesse, sempre que precisasse. Eu obedeci, mantive a foto de outono no meu blog, mandei fotos minhas, recebi outras tantas da família dela, e ficamos amigas, enfim.

Aquela senhora talentosa, que parecia ser uma mulher briguenta e rabugenta, tinha um marido de anos, filhos jovens e uma conversa muito boa.

Eu desisti de cantar no Central Park, certamente não conhecerei Madonna, mas essa história tola, tonta, me faz pensar por que destinos que poderiam dar tão errado, atitudes que poderiam gerar brigas e desentendimentos, tantas vezes tomam a contramão das coisas e, simplesmente, terminam bem.

É comum nos perguntarmos o contrário, buscarmos respostas por aquilo que deu errado, mas, de repente, aquela jovem fotógrafa me fez questionar aquilo que sempre esquecemos de pensar: “Por que o bem, afinal, também nos acontece?”

Comentários

InsanoChronicles disse…
Hahahahahah

Sério, essa história é a mais mirabolante que eu já vi! Como que a mulher foi achar a dita imagem no teu blog... e de onde você tirou essa dita imagem!

Muito louco tudo isso.

Insano Chronicles
Ana, nesse caso a resposta à pergunta final é simples: VERDADE. :) Agora... essa americana é muito desinformada sobre a arte brasileira: confundir você com a Ana Carolina?! Que absurdo! Antes fosse confundir a Ana Carolina com você. :)
Ana Lucia disse…
hehehe! adorei o rumo dessa história diferentona!! Quem imaginaria um final tão amistoso?!
Anônimo disse…
Kika, essa história é hilária, e a crônica, incrivelmente bem escrita. Já li várias vezes.

Parabéns!!

Felipe Peixoto

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …