Pular para o conteúdo principal

VÁ, DOR! >> Eduardo Loureiro Jr.

Rafael Alves de Souza / Flickr.com
Escrever não o que está sendo, mas o que há de vir... Como quem descreve o sonho antes de dormir. Feito quem planeja instantes sem planos de os cumprir.

Pouco tão me falta. Eu padeço é de raros excessos.

O corpo é corda — levemente tensa — de instrumento. Alguém que toca. O corpo que dança não é o que dança, é o que é tocado, e junto toca. Existe o silêncio do antes, o impacto do momento e a vibração do depois. Silêncio novamente.

Diz o sal:
— Vá, dor!
E a dor se vai em salgada obediência.

O bem é tão grande que envolve o mal em suas pequenezas e o faz girar: rodopios de dança.

Este mundo está levitando. A música está tirando nossos pés do chão. A alegria nos assombra feito um fantasminha. Brincadeira de criança: vida, tempo, som.

De vez em quando, levamos a sério. Crises, desastres, assassinatos, violações. A vida é tão amedrontadora quanto um teatro de assombrações.

Eu quero contar uma história, a nossa. Simples e tocante feito a que ouvi ontem...

Um homem pobre em Buenos Aires. O filho brasileiro que não vê o pai desde os 3 anos. Milhares de quilômetros — e uma língua — que os separam. A busca em listas telefônicas. O encontro marcado. O filho que toca o ombro do pai. O pai que, após 24 anos, sente e ouve o filho sem o ver: está cego. Um violino, que o pai músico esperava há meses, chega finalmente — no preciso dia — e é dado de presente ao filho. Revelações de distância: a mãe do pai escondia as cartas que chegavam da mãe do filho.

As histórias precisam do tempo que se sucede. E o tempo não se sucede mais em mim. Olho tudo e vejo tudo. O tempo se há convertido em espaço. Eu vejo tudo da minha distância. E — feito potente telescópio — vejo tudo em cada detalhe de tudo ser.

Mas desagradam-me as frases curtas, a prosa fria. Quero a alegria de ser quem não penso que sou. Estar na praia embaixo do guarda-sol ao invés de caminhar. Mover-me lentamente em engarrafamentos. Sambar um show inteiro. Passar a noite entre fumantes e bêbados.

Viajar devolve-me o coração. Viajar é chegar à beira de si: beira com beira de outro si. Viajar devolve-me as gentes. O corpo — corda — vibra com o olhar da menina, com o vestido da menina, com o canto da menina, com o toque. Meu corpo frágil feito uma bola de sabão — na mão espalmada.

Tudo por um triz. Avião que acelera antes vôo. Mão que vai abrir torneira. Sonho prestes já em carne. Texto quase sem palavra. Transição de relógio em meia-noite: muda tudo, muda nada.

Senhor do Bonfim, me dê um bom meio — porque o começo já foi há muito tempo.


Comentários

Eduardo, não é novidade que tudo que você escreve produz um efeito anestésico imediato em seus leitores. Eu, por exemplo, fico aqui com cara de paisagem e um ar de sorriso bobo no rosto. :)
Mas hoje li e reli seu texto e fiquei aqui, imaginando o que se passa nessa sua cabeça enquanto você escreve, de onde surge tanta inspiração...E isso só pode ser coisa do Senhor do Bomfim que te abençoou sim, do começo ao fim.
C Letti disse…
Concordo com a Marisa... de onde vem esse vento carregado de ludicidade?
Roubei uma frase pro orkut. :)
beijo grande!
É, Marisa, deve ser coisa do Senhor do Bonfim, porque tudo que passa pela minha cabeça são apenas vozes. E de vez em quando, pelo corpo, passa a vida. E ainda há de ser de quando em sempre voz e vida. :) Bom tê-la de volta.

Ah, Claudia, o vento É do ar do Pátio. :) Minha frase ficou linda em seu lugar de honra. Grato.
criscalina disse…
É, parece que a viagem lhe fez bem. E quanto desse texto é licença poética, quanto é verdade? :)

Beijo,
Cris, tudo verdade pedindo licença poética pra fazer bem à viagem da minha vida. :)
Anônimo disse…
Você está triste?
Anônima, eu não estou triste, mas havia mesmo um tom de tristeza na crônica. :) Boa percepção!
Carla Dias disse…
Sabe o quê? Que suas viagens sejam sempre abarcadas por bons ventos. Por você, que é uma pessoa querida, e por nós, aqueles que viajam através das suas palavras.
Thaís Aragão disse…
Estou morando num lindo bairro chamado Bom Fim. Estão aparecendo muitos estrangeiros e lembro do céu que você leu para mim. Aliás, percebi que tenho essa mania de dormir olhando para as estrelas, porque no apartamento onde moro é assim. Quando passar aqui por perto de novo, faça uma escala.
Thaís Aragão disse…
No apartamento onde moro também é assim. Acho que sempre será.
Carla, é bom lhe levar na bagagem. :)

Thaís, estou precisando mesmo dar uma esticadinha pra conhecer Porto Alegre qualquer dia desses. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …