Pular para o conteúdo principal

O DESENLACE >> Ana Coutinho >>

Não há forma fácil de encerrar uma conta em banco. Não há forma fácil de emagrecer, não há forma fácil de enriquecer. Definitivamente existem coisas que serão sempre difíceis. Nunca será fácil tomar chá verde, por exemplo.

Mas, do que é difícil na vida, talvez despedir-se seja o que há de pior.

Assistir a partida de quem se ama é o mais doloroso espetáculo da terra. Mesmo que saibamos. Mesmo que a partida seja boa, mesmo que seja de comum acordo, mesmo que precisemos, mesmo que esteja sol, mesmo que estejamos inteiros, firmes e convictos; uma separação, uma despedida, um rompimento, um desenlace, seja ele qual for, é um transtorno cuja dor e tristeza não podem nunca ser medidas.

Todos odeiam despedidas. Todas odeiam dizer adeus. Mas sempre, todos os dias dizemos. Ou quando não dizemos a dor é igualmente imensa.

O desenlace é a prova cabal de que somos animais, embora humanos. Somos tolos e sentimentais, tolos e apaixonados, tolos e incoerentes, embora humanos.

Há casais que suportam-se mutuamente, vivendo com pequenas doses de dores e tristezas rotineiramente. Cansando-se e praguejando a vida todos os dias, apenas porque não suportariam a única dor maior do que a de viverem juntos: separarem-se.

Depois, depois eles sabem que seria bom. Depois eles sabem que se acostumariam e se apegariam à independência e as delícias de uma vida de solteiro. Mas para chegar aos depois têm de passar pelo desenlace. Tem de passar pelo adeus. Tem de arrumar a mala, tem de separar os CDs, tem de rever os livros, tem de fazer as contas e ela nunca será justa. Nunca haverá equilíbrio. Sempre a conta será maior para um dos lados. Sempre haverá quem pague mais, quem sofra mais, que perca mais e quem ganhe mais. Embora ambos percam e ganhem em grandes medidas nessa situação. Mas não a escolhem sempre. Não conseguem optar pelo desenlace.

Eu não os condeno. Nossa decisão — idiota — diante da possibilidade de tamanha dor e devassidão, não pode ser julgada com olhos sãos. Porque quem as toma são os doentes. Os fracos doentes. Ou os fortes doentes. Quem suporta a morte em pequenas fatias, porque não a agüentaria em uma única parcela, são bravos guerreiros fracos, ainda que não pareçam. Eu os compreendo.

Talvez até mais do que compreenda os outros. Os loucos doentes que aceitam a dor e a angústia de uma separação, porque crêem que há vida após a morte.

Esses, os fracos guerreiros bravos que se jogam na arena da frustração e do ódio, são os que enxergam além do possível. Como o paciente que opta por uma cirurgia plástica, ainda assistindo ao Dr. Hollywood. Ele vê ali como se corta a pele, como sangra o rosto, como se raspa o nariz, como se martela os ossos e, ainda assim, com uma força a mim desconhecida, segue para o hospital, paga (!) e entrega-se para o médico, como que aceitando a sua pena. Como um prisioneiro entregando-se ao seu algoz. Ele acredita num outro caminho e escolhe percorrê-lo, ainda que tenha grandes hematomas.

Não há forma certa. Não há forma fácil. Soltar as amarras pelas quais demos a nossa vida, despedir-se do que acalentamos por tantos anos, assumirmo-nos fracos e impotentes diante de uma situação e deixarmos partir ali, a olhos vistos, aquilo que gostaríamos de agarrar com o fiapo de força que nos resta, é a dor que não tem nome. Aquela que nos faz burros, tristes e incapazes, é a mesma dor que nos torna esperançosos, racionais e humanos.

Comentários

Marisa Nascimento disse…
Ana, em muito do que já li, nunca tinha visto definições tão claras e coerentes para a dor da separação e a justificativa para não fazê-la. Parabéns pelo texto!
É, Ana... feliz é "quem não teme o corte das novas feridas pois tem a saúde que aprendeu com a vida". :)
Cristiane disse…
Ana,

Sempre que vejo situações como esta descrita, em ir ou ficar, separar ou suportar, lembro-me de uma frase que li na agenda de um rapaz no dia em que ele tomou coragem e terminou um relacionamento de 8 anos (houve muito sofrimento para ambas as partes depois):

"A vida não deve ser um hábito do qual a gente não pode se livrar". Acho que esta frase é atribuída a Che Guevara.

Dói mais a indecisão, dói mais o "não ser" pelo preço que se paga, a conta pesa mais para quem fica sabendo que o tempo esgotou... é preciso entender e ter coragem para aceitar o tempo da relação.

Mas quem sou eu para dizer o certo ou errado? A mim que também falta tanta coragem.

"viver é muito perigoso (...) o que a vida quer da gente é coragem!" Guimarães Rosa
Carol Barcellos disse…
Aninha, eu não vejo com muito bons olhos esse tema da separação, porque sou quem foi deixada pra trás por causa da falta de coragem de enfrentar desafios. Muitas vezes, não temos coragem de deixar um coisa ruim, mas outras vezes, não temos coragem de enfrentar uma coisa ruim para conseguir a boa.
Por isso, penso que nem sempre a separação significa coragem, mas em algumas situações, a falta de coragem.
Debora Bottcher disse…
É sempre uma decisão complicada e difícil a de separar-se... Tem uma metade nós que quer ficar e outra libertar-se... Seguir o coração, dizem, é sempre a alternativa, mas para tanto é preciso uma coragem que nem sempre temos...
Bela reflexão, como sempre.
Beijo e saudade.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …