Pular para o conteúdo principal

A VELHA INFÂNCIA >> Eduardo Loureiro Jr.

Mª Eugênia M. Guimarães / Flickr.comAcordei com as vozes de minha mãe e de minha avó. É muito diferente de acordar com despertador ou com sons cotidianos, mesmo naturais, como o vento na janela ou passarinhos no telhado. Acordar com vozes familiares, ancestrais, é como acordar com o próprio Tempo: acorda-se no passado da mãe que é a avó, no presente da mãe que é o filho e, com um pouco de imaginação — que no meu caso é muito — acorda-se no futuro do filho que é a filha.

Então acordei com a voz de minha avó antes mesmo de minha mãe nascer, com a voz de minha mãe quando eu era criança e com a voz de minha filha quando eu for pai. Quando se acorda assim, não se pensa no dia, no mês ou no ano. É-se um com o Tempo passadopresentefuturo. É preciso acordar assim pra confortar novamente a desconfortável sensação de que, quanto mais o tempo parece passar, mais eu me sinto menino.

Eu sempre fiz pouco dos que idolatram a infância sem retorno. E eu pensava que era só porque eu não tinha tido uma infância à qual quisesse retornar. A impressão agora é de que envelhecer é caminhar para a própria infância. A infância é retornável. O que não se pode é voltar para aquela velhice menina.

Sinto minha infância tão iminentemente próxima que qualquer dia desses começarei a andar em muros, trepar em árvores, quebrar braços e pernas, beijar estranhos e fazer outras coisas que nunca fiz quando criança. A vida, para mim, está passando de trás para adiante. Posso, a qualquer momento, perder a maioridade que já tinha aos 7 anos. Estou pronto para reganhar a virgindade, dar e receber o primeiro beijo.

Só não me queiram de volta à escola. Minha bunda já cumpriu a sua cota em carteiras de madeira. Quero os pés descalços na grama e na areia. Quero a coragem de querer o que eu quero e não o que eu acho que deveria querer. Quero a vida mesmo, ao vivo, sem protelação. Ser o que sou hoje, e o que fui sempre e o que serei quando. Provocar a adultice para além do "porque não": por que "porque não"? Por que não "pode, sim"?

Mãe e Vó falam despreocupadamente, às 8 da manhã, sem saber que este será o primeiro som que um de seus descendentes malucos ouvirá, e que isso o fará querer viver uma vida de sonhos, sem limites, sem concessões à tristeza, sem meios-termos.

Sim, a vida pode ter tapioca sabor beijo-na-boca no café da manhã, o banho de mar pode ser banho de amar, o baião-de-dois com paçoca, carne de sol, macaxeira e ovo mexido pode ser comido com o baião-de-muitos da família reunida, o cochilo da tarde pode ser com rede armada no caramanchão, o pôr-do-sol pode vir com Lua Cheia, o céu pode ser estrelado e a boa noite pode terminar com um boa-noite cochichado ao ouvido.

À medida que essa infância se aproxima, meus cabelos vão gestando cachos, minha cabeça vai formando raios, meus pensamentos vão ganhando ondas, minhas idéias vão criando mares e eu quero mais é navegar — em barquinho de papel, de preferência.

Até o dia em que eu desmorrer, entrar por um buraco parecido com o que eu nasci e descobrir que do lado de lá da vida existe uma vida do tamanho da vida que a gente sonhou aqui.



Comentários

Marisa Nascimento disse…
Eduardo, ler você faz com que a vida ganhe tonalidades diferentes:)
C Letti disse…
As crianças, meninas e meninos, que vivem cá dentro da gente, estão comemorando essa celebração escrita.
Sou somente mensageira pra vir aqui e agradecer -- quisera que tivesse como mandar virtualmente o "muito obrigada por nos comover" num aviãzinho de papel. :)
beijo!
Oi, Marisa! Que bom que consigo expressar tonalidades com a escrita. Ameniza um pouco a frustração de não ter dom para o desenho e a pintura. :)

Claudia, seu aviãozinho de papel chegou carregado de meninos e meninas agradecidos. Estamos todos aqui brincando na maior farra. :)
Anônimo disse…
Oi Edu!
Belas imagens,lindo encontro! Emocionada, espero vê-lo com a filhota... Bjim, Dri
Carla Dias disse…
Eduardo... Que jeito bonito de dizer as pessoas e a influência que elas têm sobre você e seu ser quem é. Que ao desmorrer a sala de estar seja tão arejada quanto esta a qual você nos levou, de mãos dadas com essa crônica.
Brigadim, Dri.

Carla, o ar do pátio arejará todos os cantos de mundo. :)
ana disse…
nossa eduardo,
porque eu demorei tanto a elr a sua crônica, essa semana.
está linda, linda.
tem um espaço na sua árvore, pra outr criança?
:)
bjs!
ana
Suba logo, Ana, a vista daqui de cima da árvore é qualquer coisa de vertiginosa. :)
clarisse disse…
eduardo, li, curti, me diverti, reli, aprendi... e ainda nao cresci! oba! muitíssimo obrigadinha!
Vixe, Clarisse... então eu não fiz uma crônica, fiz um playground. :) Que maravilha!
Ângela disse…
Viajei em sua crônica e me perdi no tempo... Maravilhoso ler você, abraços.
Que bom que gostou da viagem, Ângela. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …