Pular para o conteúdo principal

IMAGENS E ELEIÇÃO [Ana Gonzalez]


Quem sabe o que passa na cabeça dos eleitores no dia das eleições? Alguns levam a sério a responsabilidade de votar. Outros pensam mais nos candidatos que vão perder seu voto; outros ainda pensam na proposta útil para o seu bairro. Há aqueles que só vão cumprir a obrigação e os que votam branco ou nulo. Mas, na verdade, tudo isso faz esse evento.

Eleições são assim. Uma diversidade que é a cara da democracia. Bem ou mal é essa que temos no momento. Já vivemos períodos de história em que ela foi menos presente. Os escravos de séculos passados que o digam. Tá bom, mudou pouco. Mas, é assim que funciona. O crescimento de um país e o desenvolvimento de suas instituições andam devagar. Algumas vezes, devagar demais. Seja como for, eleições são sempre uma possibilidade de mudança, apesar de toda a frustração e desânimo com a classe política. E pensar nisso acorda em mim a lembrança de uma foto.

Certa vez, recortei de um jornal uma imagem que trazia uma moça magra, de cabelos escuros,um tanto em desalinho, com chinelo de dedo, camiseta e saia curta colorida. Ela segurava uma bandeira nacional, andando por uma rua de terra, possivelmente em um bairro da periferia.

A foto é privilegiada, momento único. Uma pessoa jovem empunha a bandeira nacional em um momento de comemoração. Minha memória falha nos detalhes. Não me recordo do que se tratava. Uma greve, um movimento de moradores do bairro ou o Sete de Setembro.

O que restou na peneira seletiva de minha escolha inconsciente foi a expressão de seu rosto: os olhos e a face em meio sorriso e os braços em movimento contraído, da força necessária para segurar a bandeira, sustentando um protesto, um grito, um sentimento de entusiasmo. Ela era viva. Embora frágil, a democracia em pessoa. Jovens empunham bandeiras, na França, pela queda da Bastilha, como no quadro famoso, no Brasil ou em qualquer lugar.

Essa é a imagem que me lembra agora a experiência das eleições. Minha memória insiste nela. Uma ação por ideais de liberdade, ou por outros valores quaisquer que valham mais do que miséria e violência. A resistência de um gesto pulando de dentro da passividade da rotina diária.

Talvez não haja palavras suficientes para descrever a cena. Um enorme paradoxo entre a imagem da pobreza do lugar e a riqueza do gesto generoso de uma vida na participação e no compartilhamento social.

Que cada um complete com o seu repertório a imagem possível de seu voto. A cena da bandeira empunhada e do gesto de quem sabe o caminho, de quem sabe uma esperança, essa é a imagem de meu voto nesta eleição.

Imagens: Debate RJ, Luiz Thiago Santos, UOL; Debate SP, Rogerio Cassimiro, Folha Imagem; Debate BH, Marília Juste, Globo (G1).

Comentários

Ana,
Sabe a impressão que me passa, é a mesma do carnaval, quando vejo escola de samba.

o Eduardo, desconsiderando o seu comprometimento até a alma, é aquela escola que passa tecnicamente perfeita, mas não levanta a arquibancada.
Entretanto conforme os jurados pode até ganhar... snif .. snif.. snif...

MAS O GABEIRA TEM PAIXÃO PELO RIO, olha no olho, sua postura foi de responder
as perguntas de peito aberto, sem ficar lendo papelzinho.

a escola dele pode não estar tecnicamente apresentável, MAS SUA PAIXÃO PELO
RIO CONTAGIA e o pessoal invade a pista para acompanhar.

Sabe o que eu gostaria muito... é no domingo a noite, depois dos resultados,
ir pegá-lo em casa, para por sua escola na avenida no desfile das campeãs.

sabe, nunca participei de uma comemoração destas... tenho pavor de tumulto...
mas acho até que me arriscaria...

Gente, aquela do Gabeira, dizer que dará desconto no IPTU para financiar a
arrecadação da água de chuva nas casas e a energia solar...
GENTE, ISSO É QUE É VISÃO DE subsistência de futuro...

Gabeira é sonhar de novo com um amanhã... que pode até ter Grande Onda, mas ele vai saber enfrentar a situação... como o prefeito de Nova York fez em 11/09...
tem um amanhã nos olhos dele, e nos nossos sonhos...

Este é meu sonho... A paixão pelo Rio de Janeiro...
já que os tecnocratas até hoje nada nos trouxeram...
só buraco na rua e um monte de dívidas.

Voto não tem preço tem conseqüência.
Lenora Milesi
Eu Quero Agora e Sem Demora
Anônimo disse…
Lenora, que lindo!!!!! emoção demais e amor pela terra. A sua cara!
bjsss
Ana González

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …