Pular para o conteúdo principal

CONTEMPLAÇÃO >> Carla Dias >>

Todos construindo realidades...

E ela gosta de pensar que, na sua maioria, e contrariando as manchetes dos jornais, há mais realidades acolhedoras do que trágicas. Por isso a fascinação pelas entrelinhas, os olhos seduzidos por frestas e gestos amiúdes, que se erguem em grandes feitos.

Particularmente hoje, as realidades alheias lhe enchem a alma de inquietações. Observa, detidamente, as pessoas caminharem pelas ruas; as suas pressas e olhadelas no relógio. A consternação diante da mudança de rotina com a greve dos motoristas de ônibus, ou o tráfego atrapalhado por absurdos, atiçado por um acidente em alguma marginal.

Detém o olhar nas duas mulheres que se abraçam; abraço longo, repleto de suspiros, palavras ininteligíveis, falta de fôlego e... Saudade sendo sanada, num desespero cultivado por distâncias diversas. A mais jovem sorri o sorriso do alívio, e como se a dor estancasse ali mesmo, pronuncia o nome da mais velha: mãe.

Também ela confidencia pressas aos ouvidos do dia. Chega mesmo a esbarrar em estranhos, enquanto tenta alcançar a rotina. Mas ela lhe escapa, e suas mãos ficam soltas ao ar, num balé excêntrico que, para muitos, é sustentado pelas vibrações maléficas da loucura.

Mas para ela a loucura sempre foi plural, por isso não ousa colocar no mesmo balaio todas as loucuras. Busca, nas que lhe são apresentadas, indícios daquela característica que muito se confunde com a loucura: a genialidade.

Cultiva possibilidades com um carinho distraído, assim como coleciona intensos “e se”, classificando-os como iguarias para o sustento da criatividade. Ela vê na criatividade o bálsamo para o desajeito com que andam sendo tratados sentimentos que antes chamávamos pelo nome; que convidávamos para freqüentar a sala de estar do nosso coração, embasados não pela certeza, já que os sentimentos tendem a curvá-las, mas pela honestidade com a qual lidávamos com eles.

Pensa demais sobre o motivo de alguns transformarem o amor em homicida, deixando-se guiar pelas mágoas e carências que vêm de onde? Esse onde... Ela quer saber desse onde, dessa nascente das loucuras que são sandices mesmo. As que são capturadas e mantidas sob a tutela do destrato, do desamparo. Esse canto escuro onde muitos de nós guardamos revezes para mais tarde.
Fosse possível dissipá-los com um assopro, ainda nos primórdios da cólera...

É humana, e assim como outros da sua laia, quer se fartar de afetos. Sonha andar de mãos dadas com a paixão, sem o medo de perdê-la, antes mesmo de conhecê-la por fora, por dentro, às avessas. Que a habitem e lhe permitam habitar, também. E sem que se coloque em risco a identidade, porque apesar de nos empanturrarmos de cópias, imitações, sósias, é justamente aquele quê – meu, seu, dela – que mantém cada um de nós sendo um vivendo na companhia de outro um.

As realidades lhe parecem ríspidas, às vezes, mas ainda assim demandam agrados. Como agora... Ela resguarda a alma da realidade que convalesce de perdas. E na urgência de cuidá-la e torná-la saudável para apreciar horizontes, arrebanha uma série de histórias que não são suas, mas que lhe cabem tão bem.

Os amantes que se encontram no ponto de ônibus.

O menino choramingando pelo brinquedo exposto, na banca de jornal.

O encontro entre filha e mãe.

O senhor xingando o farol que, sem consideração, abanou a cor vermelha e o impediu de correr com sua pressa.

O entregador da floricultura que já se cansou da beleza das flores, e quer mais é parar na padaria e tomar um pingado.

A vida... As vitrines... As loucuras.

A contemplação...


Imagem: "Water Lilies", de Claude Monet

www.carladias.com

Comentários

Carla, quase fico zen só de ler. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …