Pular para o conteúdo principal

QUANTOS SÃO OS SEUS MEDOS? [Maria Rita Lemos]


Ter medo é um dos instintos básicos, inatos, do ser humano. Portanto, não há que espantar-se com esse sentimento. É fácil percebê-lo, logo após o nascimento: se segurarmos um bebê recém-nascido pela cintura, jogando-o para cima e pegando-o novamente, ele apresentará todas as reações indicativas do medo: taquicardia, sudorese, choro, etc.

Muitas vezes, as pessoas que têm medo de tomar decisões e atitudes, sejam elas de pequeno ou grande porte, acreditam que são apenas "prevenidos"... essa é uma racionalização muito comum para esconder o que mais tememos: o fato de ter medo, realmente. Que, naturalmente, batizamos com outros nomes, como prevenção, receio, para amenizar o que estamos sentindo.

Tem gente que se gaba de não ter medo de nada, e passa a recalcar qualquer coisa que lembre os seus temores mais ocultos. No entanto, admitir o medo é importante. Na verdade, é o primeiro passo, na maior parte das vezes, para que consigamos solucionar muitos de nossos problemas.

Não temos medo apenas de pessoas, vivas ou não, ou de situações: temos medo de atitudes que, muitas vezes, estão mascaradas, apresentam-se assim para não mostrar o temor, e isso é inconsciente. Assim, há pessoas que temem decidir e errar com a decisão tomada; gente que tem medo de se ferir, descobrindo algo que teme, mas sabe que está ali, bem à sua frente (medo de olhar de perto aquilo que nos faz sofrer); temos medo, às vezes, de dizer coisas que levem a interpretações errôneas, e assim, preferimos nos calar a correr esse risco. Temos ainda os medos mais conhecidos e famosos: medo da violência, de doenças incuráveis (e até curáveis!), de ladrão, de solidão, de ficar desempregado, de não conseguir pagar as contas no final do mês... medo ser rejeitado, de amar... ah, como é terrível o medo de amar! Temos ainda medo daquilo de que é impossível fugir, como da velhice e até da morte, única certeza de todas as criaturas viventes!

O medo, quando dentro de um quadro em que é possível se lidar com ele, é até benéfico, na medida em que faz parte de nosso instinto de sobrevivência. Para que os nossos medos não fujam de controle, é preciso que eles sejam equilibrados pela razão e pelo bom senso. É preciso usar esses amigos não para fugir de nossos medos, mas sim para com eles acender a luz de nossas emoções e tomar contato com aquilo que tememos. Nesse momento, lembro-me de mamãe, e peço desculpas aos meus leitores e leitoras, por tantas vezes que falo em meus pais: é que aquilo que aprendi com eles escola nenhuma me ensinou. Ou seja, as escolas deram nome e forma àquilo que eles me ensinaram desde pequena. E mamãe dizia, sempre, que muitas vezes o medo é maior do que aquilo que temos que fazer. E que, quando encaramos e fazemos, o medo parece ridículo! E não é que ela tinha razão? Em outras palavras, ela estava dizendo o que os compêndios de psicologia dizem com outras palavras, ou seja: acenda a luz e encare seu medo, em vez de fugir dele... de repente, aquilo que mais tememos pode não ser tão temível assim!

O importante, para não deixar que os medos nos carreguem, é tirar o peso dos ombros, relaxando, confiando na vida e tendo certeza de que coisas boas virão, se esperarmos por elas. Não temos que assumir responsabilidades por ninguém, basta-nos as nossas próprias limitações... cada um pode e deve viver sua vida. Inclusive as pessoas que mais amamos. Saber isto e viver isto já alivia, e muito, o medo em relação aos seres amados. Talvez seja o momento de perguntar: tenho medo do quê? De perder prestígio, amores, amigos? Bem, quem gosta realmente de nós não está preocupado com nosso prestígio, ou com o que temos, mas sim com o que somos, e com o que significamos na vida deles. O mundo não vai desabar se soltarmos os problemas, se descansarmos deles, pelo menos daqueles que não são necessariamente nossos.

Vale, também, um momento de reflexão e questionamento: será que estamos fazendo o que realmente gostamos, estamos vivendo a vida que escolhemos, ou nossa vida é apenas aquilo que querem de nós, que escolheram para nós? Se a resposta for a alternativa "b", o medo com certeza está presente. Quando se vive pelos outros, no modelo do que querem de nós, é claro que o medo é maior, até o momento em que uma doença vem e nos faz parar com tudo. Aí, as pessoas que esperam que façamos tudo por elas vão aprender a se virar sozinhas, com certeza. Tomara que não precisemos disso para reagir e perder o medo de fazer o que queremos e ser como gostaríamos!

Coragem não é apenas aquilo que se faz "por fora", os atos de heroísmo que implicam salvamento de outras pessoas, atos de bravura, que saem nos jornais e são elogiados. A coragem verdadeira começa dentro de nós, no momento em que acendemos a luz da razão sobre nossos medos, e eles deixam de ser tão ameaçadores. A coragem autêntica nos impele à mudança, a uma nova forma de ser, talvez mais solta, com certeza mais feliz.


Imagens: Woman in Fetal Position in Silhouette of Head, Arquivos da Playboy; Woman Wearing Mask After Surgery, Milk Photographie.


Comentários

sandra disse…
Que beleza de reflexao, Maria Rita..

fiquei pensando nos varios nomes que costumamos dar a tantos medos e quantos sao impostos a nos, nos tempos de hoje.

Fiquei com a impressao que quanto mais cresce a acumulacao de tudo , naturalmente, mais medo de desapegos...Necessario, nao? mas tb sei que nao nos ensinam a nos desapegar, e tb fica questionavel essa coisa de o que é mesmo ficar tudo bem diante de tantas seletividades..
Anônimo disse…
Obrigada, Sandra, pelo comentário. Concordo com você.
Beijos, meu melhor.
Maria Rita
Carla Dias disse…
Maria Rita... O medo tem sido matéria-prima não somente do que não fazemos, não é mesmo? Como você esclarece, às vezes é ele quem dá fôlego àquela coragem que desconhecíamos em nós. Basta olhá-lo bem nos olhos.
Acho que é desejo de muitos, mas poucos chegam lá. Encarar o medo...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …