Pular para o conteúdo principal

Da arte de desaniversariar >> Maria Rachel Oliveira



Aniversários são, teoricamente, momentos de reflexão e de aprendizagem. São? Bem, para mim, não este – ao menos não exatamente. Como o aniversário foi meu, e com ele faço o que quiser, decidi que este ano e em alguns outros, oportunamente, não quero saber de aniversário. Só de desaniversário – modalidade na qual estreei anteontem, dia 11, sábado. Sábado, que pra me contrariar, não me deu um arco-íris de presente, embora houvesse sol e nuvens muito, muito cinzas.

A propósito, podem dar os parabéns atrasados que eu os aceito todos. Desaniversários merecem também.

Não vou dar pra mentir idade, nem tentar me fazer passar por tchutchuca universitária. Desaniversariar também não significa começar algum projeto esdrúxulo para virar uma velha ridícula de cabelos longos, loiros e com peitos siliconados.

Trata-se de desaprender.

Eu, astróloga iniciante, posso tentar interpretar sabidamente alguns aspectos desta Revolução Solar; talvez até achar alguma justificativa para essa sandice; mas não quero. Porque descobri que um dia eu já quis coisas sem motivo algum, e que no final das contas elas eram boas.

Quero reaprender a gostar sem medo. Ou desaprender a gostar com; o que dá no mesmo. Eu, que voltimeia tenho saudosismo de mim mesma, porque amar logo que a gente aprende como é tem o lado gostoso de se jogar sem pensar muito nos 'e se...' e nos 'mas'; duas pragas da experiência.

Quero esquecer como é fazer tantos planos; mantendo vivos bem menos de meia-dúzia - e ficar aberta aos imprevistos que virão pelo caminho. Como naquele Natal em que você queria uma boneca Chorinho, mas ganhou um Genius, sabe? No final das contas não foi uma bela surpresa? Pois é! Não ter o que a gente pensa que quer não é necessariamente uma coisa ruim.

Carece também descobrir como a gente desaprende a ter culpa das coisas, esse sentimento que não leva nada a lugar nenhum. Afinal, melhor uma autocrítica construtiva do que uma culpa inútil e bolorenta ocupando espaço.

Talvez essa estranha proximidade com o Dia da Criança, que foi ontem, tenha lá seu significado de ser. Desaprender será pra mim o leitmotiv do ano-novo. E Oxalá os anjos estejam de acordo. Ao menos a primavera finalmente chegou, e há sol aqui nas proximidades do Trópico de Câncer.

***

Mal educada que fui, nem me apresentei para vocês, que agora vão me ler. Já tive duas crônicas publicadas no antigo Crônica do Dia, uns anos atrás. Sou jornalista de formação, aspirante a psicanalista, fotógrafa e astróloga; e desaprendente. Paciência comigo; já que estou começando tudo de novo, peço-vos. Embora ainda não tenha colocado todo meu novo plano em prática, creio que, relativizando, não há contra-indicações e que deveriam tentar fazer o mesmo.

Até a próxima esquina de alguma segunda-feira.

Comentários

C Letti disse…
Então, feliz desaniverário, dona moça, à moda do coelho de Alice! :)
Desaprender, não raro, é sábio.
Bem vinda à nau do CD! E das desaprendizes também!
beijo grande!
Feliz desaniversário prolongado, Rachel! Cuida que o arco-íris também pode vir de presente a qualquer momento. Bem-vinda ao Crônica do Dia! Essas segundas-feiras prometem. :)
ok ok ok

feliz, feliz.

beijomeliga?
albir disse…
Você merece parabéns por qualquer coisa que comemore.
Nós comemoramos sua chegada. E ganhamos o presente de suas palavras.
Beijos... mais beijos!
então, assino em baixo e em cima: desaprendamos!
mimika disse…
Quando desaniversariar significa encarar o mundo de maneira mais solta e feliz, recebendo tudo de bom que ele tem pra oferecer e se livrando das expectativas e regras que acabam engessando a vida - TUDO pode ficar bem mais interessante!! Muitas descobertas pra vc!! Um feliz desaniversário!!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …