Pular para o conteúdo principal

“amor é bicho sem teto e dor é única morada, não cabe no coração” >> Leonardo Marona

Talvez que o poeta seja um pedaço em sangue de cada lugar, sempre à deriva a constante separação após o encantamento, o ato que desmembra e que prejulga o cadafalso, e cobre a cabeça com o capuz de prata.

Talvez que ao poeta sejam deixados os restos da carne utilizada, poeira na estrada de quem foi abismo, uma sutil abnegação dos termos como são dados, pela incrível vontade de permanecer em busca do cálice hipotético.

Talvez que ao poeta reste apenas um tanto de pele sob os pés atados, uma delicadeza do rosto retorcido em chamas, algo nos olhos que brilha feio como a última aurora de um condenado à morte, a testa protuberante.

Talvez seja preciso reconhecer sua condição de humilhado da cabeça baixa, anjo libertador pela moral adquirida do não saber julgar, apenas se deixar absorver como plâncton, guelra sem fôlego na fusão do espaço.

Talvez que justamente na improbabilidade de seus atos, na constante mudança de estação, esteja o toque frágil de uma alma fugidia, que nega o amor e pede perdão, porque é preciso ir – a boca falsa treme hesitante.

Talvez haja algo de gato no seu virar de cabeça, algo de um azul muito escuro no fundo de seus olhos, um azul que prenuncia uma falência meticulosa e um mergulho na vida, as mãos nos bolsos das calças, pronto para receber o som.

Talvez o vulto precioso que dobra aquela esquina, fabricante de momentos em pequenas caixas de música, talvez eu por um dia, por um minuto, talvez o sanguinolento tirano com mãos boas para o piano, a sutil contradição entre viver e deixar-se consumir.

Talvez o poeta seja a casa de máquinas vazia, pistão que arranca pedaços atribuídos a experiências vergonhosas, porque ao poeta não é dado o direito de escolher, o que parar terá atenção, o que brigar terá briga, e ao amor o adeus.

Talvez o poeta seja o que pergunta: "quem deixou esse buraco?", o que dança mal qualquer música, separado do corpo, mas dança sempre, se lhe arrancarem os pés, se lhe fizerem uma tiara de espinhos, ele dançará sorrindo, ele é amor.

Talvez ele se vire numa estação de trem e lhe diga: "não consigo mais ver", porque a opção do poeta é estar cego do mundo para em si concebê-lo, não alienar a carne falsa, dar adeus ao amor porque, sendo o amor, não carece de si mesmo.

Talvez não seja raro que as Escolas o abominem, o acusem de escandaloso, de parasita social, ele que não passa de um enfermeiro recém contaminado, esconjurado devido ao peso da pedra bruta, criminoso de cenho ereto.

Talvez não, é melhor dar como certo, que a condição primordial do poeta não é propriamente escrever poemas, apresentar mil facetas ao corpo prejudicado, muito mais é a febre da criança que não teve, e nunca terá.

http://www.omarona.blogspot.com/

Comentários

Léo, eu dou por certo: suas certas palavras. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …