Pular para o conteúdo principal

GOLEIRA DE CASAMENTOS -- Paula Pimenta

Eu confesso. Adoro pegar o buquê da noiva. Não me entendam mal, não estou louca pra casar, ou acredito em crendices, nada disso. Eu gosto mesmo é da emoção de catar o buquê no meio daquela mulherada desesperada e sair com ele do meio da multidão, como se fosse um troféu. É um esporte meio perigoso, eu sei. Já levei cotoveladas, puxões de cabelo, pisões no pé... e é preciso muito sal grosso no dia seguinte, pra lidar com os olhares invejosos depois do arremate. Mas tem gosto pra tudo... uns gostam de 'skydiving', eu prefiro 'bouquetcatching'.

Curiosa pra saber de onde veio essa tradição de se jogar o buquê, resolvi pesquisar. Descobri que sua origem vem da idade média, quando durante o trajeto de sua casa até o local onde seria realizado o casamento, a noiva recebia flores de todos os que a acompanhavam, chegando ao local da cerimônia com uma braçada de flores. Ele viria a ser disputado por todas, porque ao jogá-lo no momento da despedida, a noiva repartiria, num gesto generoso, a sua felicidade. Seja para ser feliz ou pelo prenúncio de ser a próxima a se casar, o fato é que a tradição pegou.

Já perdi a conta de quantos buquês eu peguei e nesses vários anos de observação e prática, cheguei a uma conclusão. Existe uma técnica para se pegar o buquê. Em 95% das vezes esta técnica funciona, e quando não funciona é porque o buquê veio com defeito. É claro que eu não vou entregar o jogo todo aqui, afinal, não quero que isso se espalhe, pretendo continuar pegando todos os buquês dos intermináveis casamentos que participo. Mas vou dar uma dica (e já revelei a mesma a uma das minhas amigas, ela inclusive pegou o buquê e vai se casar no ano que vem): existe um ângulo de arremesso das noivas. Todas elas jogam o buquê na mesma direção. Se vocês descobrirem esse ângulo, segredo desvendado.

Uma outra coisa muito importante a se reparar é se a noiva realmente está jogando o buquê que ela usou para se casar na igreja (ou na cerimônia). Porque a moda agora é guardar para si o buquê grandão, abençoado por Deus, e jogar para as convidadas um falso, feito só para o arremesso, pequenininho, completamente sem graça e sem o poder de atrair casamento para quem o pegar. Eu me recuso. Só entro na caçada pelos buquês legítimos.

Agora um conselho às futuras noivas para que não desperdicem esse momento tão esperado de suas festas de casamento: é extremamente importante que vocês não percam o “timing” do buquê. Tem um momento certo para a jogada. Se for muito no começo da festa, não dá certo... não é uma hora oportuna quando todo mundo ainda está chegando, o champagne ainda não fez efeito, a preocupação com o visual ainda comanda. No final também não é uma boa idéia, já que as mulheres todas vão estar com os pés doendo, passando mal por causa da bebida, muitas já acompanhadas (e pega mal largar o gatinho recém-conquistado pra caçar o buquê)... O momento ideal é exatamente 2 horas e 30 minutos após o começo da festa. Nesse ponto, todo mundo já está alegrinho e as convidadas já estão soltas o suficiente para ter coragem de pagar o mico (e sem receio de estragar o penteado).

Então, técnicas divulgadas, desejo muito boa sorte a todas as caçadoras de buquês que não freqüentam os mesmos casamentos que eu. Às minhas amigas, que sempre reclamam que eu nunca deixo o buquê pra ninguém, só tenho a dizer que rezem para que todos os buquês que eu já peguei façam efeito logo. Aí eu prometo que divulgo o ângulo das noivas e libero os próximos pra vocês, inclusive o meu próprio. Garanto que se ele não lhes trouxer um marido, pelo menos virá repleto de felicidade.

Comentários

C Letti disse…
Paula querida, eu nunca peguei um buquê. Por constrangimento mesmo, de ficar lá esperando, ehehe. Bobagem minha, bem sei, até porque se eu soubesse dessas técnicas todas, teria me aventurado.
beijo carinhoso procê.
Marisa Nascimento disse…
Vixe, Paula! Eu nunca peguei um buquê! Agora também não tenho nem mais intenção. Deveria ter sabido dos seus truques uns, pelos menos, 15 a 20 anos antes. :)
Paulinha, essa cronica foi ótima. Mas lamento informar que também não jogarei o meu buquê (de tulipas). É amor demais por ele para jogá-lo.
beijos

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …