Pular para o conteúdo principal

Essas coisas inomináveis >> Leonardo Marona

O objeto central da crônica de hoje é muito comum. Muitos cronistas superiores foram especialistas no tema, mas, mesmo assim, há que se falar, e o diabo de se escrever é esse: qualquer idiota pode fazê-lo, bem ou mal.

Falarei de um tema amplo, interminável, pois que permanece um mistério insondável por milênios. O tema sobre o qual discorrerei é ralo como areia nas mãos de imperadores e proxenetas. Pessoas sem espírito são capazes de fazer o sinal da cruz ao se depararem com certos exemplos do tema abordado hoje. Podemos explicar chacinas, parricídios abissais, mas o objeto sobre o qual escreverei permanece intacto diante dos nossos olhos, como de resto são o Triângulo das Bermudas, a Caixa de Pandora e o Senado da República.

Gostaria de tecer palavras carinhosas sobre o incrível e anatômico objeto a que me refiro, mas a verdade é que tenho medo dele, porque vim dele, ou seja, porque ele sempre será anterior a mim ou a qualquer homem; e antes dele apenas o vazio hipotético.

Este objeto tanto assusta por sua inabalável capacidade carmesim, que os maiores gênios da humanidade, homens carrancudos e sem vida própria, com medo dele o afastaram das idéias, o taxando como ser inútil de medidas desproporcionais. Tentaram derrubá-lo com motivos falsos de uma eficiência insípida, isso porque este objeto emite uma luz ofuscante, dado que é anti-eficiente e apenas reluz ao sabor das marés lunares. E eu respeito os gênios, mas não sou um deles. Minha moral é mais delicada, posto que não sou um deles. Então posso continuar tranqüilo até o fim.

Tal objeto tem a inacreditável capacidade de tirar vida de coisas sobre as quais os homens passam por cima. O contorcionismo é também outra grande habilidade. Pela atenção que desperta em si próprio e nos outros, este inenarrável objeto percebe o mínimo, e dele faz pequenos adornos e bibelôs para almas ciganas. Tendo alma cigana, mas sendo covarde e extremamente moralista, me faço de sincero e vou à luta. Pois não se engane: não há paz diante do objeto tratado. A paz diante do objeto tratado é o mesmo que a indiferença.

Sua luminosidade e sua mordaça secular fazem com que o feixe rasgue a pele. E então ali estamos, contando moedas, respeitando os vizinhos, comprando flores à meia-noite, dizendo amém. A incrível saga do objeto tratado faz de Dante Alighieri um rapaz que brinca de boneca.

O objeto, aliás, detestaria ser tratado assim. Tratemo-lo, pois, de “as coisas”. Elas sempre vão, os abraços são apenas disfarces. Nós, os limitados, tentamos agarrá-las à força, enjaulá-las em pátios de insanidade, não propriamente porque as amamos, mas porque, ao chegarmos perto delas, sentimos o sabor da primeira seiva, elas que estão mais próximas da primeira criação e, portanto, distantes de nós, os construtores sem élan.

Olha-se para um homem e vê-se quase tudo. Elas são o quase, a chance perdida. Apenas um idiota se aproximaria delas, essas inigualáveis coisas, em busca de equilíbrio mental e estabilidade financeira. E vejam quantos idiotas! Idiotas que ofuscam a vida, nuvens de fumaça sobre a floresta mágica. Afinal, só existem dois tipos de homem: os que não sabem e os que se enganam.

Digo mágica porque não há vocabulário adequado a esse fenômeno. Quero distância delas como quero distância de tudo aquilo que não sei e me atrai. Como quero distância do abismo e do amor materno. Como quero distância da pequena felicidade dos momentos silenciosos. Como quero distância da Sinfonia do Novo Mundo e dos sinistros meandros que me aproximam do inexprimível. E nós tentamos calar essas coisas como pudemos. Nós as açoitamos e exigimos que peçam perdão pelos nossos pecados. Porque nós temos pouco espírito e nenhuma humildade. E temos medo do não-limitado. Agora vemos nossas caras desmanchadas, a foice tranqüila refletindo ao sol, as violetas tomando a praça como pulgas.

Não tínhamos no fundo a ambição de manter a farsa por muito tempo. Não sabíamos que seria por séculos. Essas coisas agora nos imitam melhor, porque no fundo imitávamos delas a sensação do toque frágil, do sorriso de faca. Porque nossas faces estão sem pele e sentimos frio. Elas nos salvaram, essas coisas, enquanto as massacrávamos com a exigência do amor por nós criado, da mesma forma que um psicopata cria uma causa para suas mortes.

Agora as asas se dobraram sobre nós e os vidros foram estilhaçados. Não espero seu perdão – coisas anteriores ao tempo – nem mesmo quero ser notado. Estou no canto, tremendo a cada passagem violenta desse cheiro sem idade que elas trazem de onde paraíso e purgatório se bifurcam. E se porventura eu estiver no caminho delas, dessas coisas inomináveis, imploro sem expectativas que me peguem no colo e me deixem entrar, porque sou todo vocês e não sei quem sou.

Comentários

Eita, o homem pegou a veia da crônica! Maravilha de texto-mistério. :) Excelente exercício de adivinhação.
Marisa Nascimento disse…
Leonardo, que toque de suspense convidativo. Senti uma vontade de mais quando chegou ao ponto final!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …