Pular para o conteúdo principal

DIA DO PSICÓLOGO [Maria Rita Lemos]


Em 27 de Agosto de 1962, a lei 4119 regulamentou a profissão de Psicólogo no Brasil, estabelecendo critérios legais e civis para seu exercício.

Faz pouco mais de um século que Wilhelm Wundt foi o primeiro a encarar a Psicologia como ciência, no seu laboratório em Leipzig, na Alemanha. As idéias de Wundt, porém, não progrediram muito por estarem ainda muito ligadas ao fisiologismo. Entretanto, a partir de seu pioneirismo, muitas fundamentações teóricas se desenvolveram, como a psicanálise, o gestaltismo, o behaveourismo, a análise transacional, e mais modernamente a psicologia comportamental cognitiva. Embora cada escola aborde o ser humano conforme sua ótica, todas estão preocupadas com o estudo das angústias, conflito e equilíbrio emocional dos indivíduos.

Desde a regulamentação da profissão, há 46 anos, o dia 27 de Agosto passou a ser comemorado pelos profissionais da área, representando o compromisso dos psicólogos com uma sociedade mais justa, mais humana, igualitária e empenhada na qualidade de vida de todos os cidadãos, sem qualquer discriminação de classe, idade, sexo, orientação sexual, nível econômico, cor, etc.

No Brasil, a regulamentação foi, antes de tudo, uma vitória política, tendo em conta o antagonismo de outras profissões de saúde que se mantinham há séculos como detentoras de todos os saberes e práticas.

É evidente que a Psicologia e os psicólogos não têm todas as respostas para todos os problemas e angústias que oprimem os seres humanos em nosso tempo e nossa sociedade. No entanto, os profissionais de Psicologia têm muito a dar, sobretudo somando seus conhecimentos com os de áreas correlatas, como seria o ideal, trabalhando num contexto de interdisciplinaridade.

É preciso deixar claro que a Psicologia não é estudiosa apenas no campo da saúde. Seu campo de ação e práticas profissionais estendem-se a muitas outras áreas do conhecimento humano. Assim, há psicólogos atuando na área do Direito, com Psicologia Judiciária e Forense, psicólogos do esporte, psicólogos clínicos, comunitários e sociais. Isso, além dos diversos saberes que envolvem o campo das pesquisas, e contribuem para uma vivência social mais rica.

Sem se deixar envolver por políticas corporativas de quaisquer natureza, nem aceitando privilégios de nenhuma classe social, o psicólogo é, essencialmente, um profissional comprometido com a dignidade e os direitos dos cidadãos, enquanto trabalha sob os desígnios de um severo código de Ética profissional.

Ser psicólogo é, principalmente, ser pesquisador, estudioso e pensador, um cientista do comportamento humano, que situa-se entre a teoria e a intuição. Muito tivemos a comemorar nesse 27 de Agosto, mas também muito há que ser refletido e pensado a respeito de nossa atuação profissional, independente da área em que ela se dê. Há muito com que se preocupar no dia a dia, há muita luta, ainda, pela garantia também de nossos direitos, enquanto seres humanos que somos também.

Como forma de parabenizar a todos e todas que são colegas de profissão, nessa data que é nossa, permito-me reproduzir nesse espaço a "Oração do Psicólogo", de autor desconhecido, que acho belíssima.

"Senhor, só vós conheceis em profundidade a criatura humana.
Só vós, portanto, sois o verdadeiro Psicólogo.
Contudo, Senhor, aceitai-me como vosso ajudante.
Ensinai-me as técnicas mais corretas, orientai-me para que não erre...
E quando eu falhar, que sei que isso pode acontecer,
vinde depressa, Senhor, sanar o mal que eu possa ter feito a alguém.
Dai-me um amor intenso, diuturno e persistente pela criatura humana.
Não permitais que a rotina, o cansaço ou eventuais decepções tornem-me frio e indiferente ao outro.
Dai-me humildade bastante para aceitar meus erros e aprender com eles, procurando estudar e conhecer cada vez mais a mente e o comportamento humanos.
Perdoai minhas ofensas e ajudai-me a atribuir os êxitos a Vós, que sois fonte de minhas ações. Que, ao final de cada dia de trabalho, Senhor, eu possa dizer com sinceridade:
- Hoje eu fiz tudo quanto dependeu de mim para ajudar aos irmãos que foram colocados em meu caminho por Vosso Amor.
Obrigada, meu Deus e Senhor!"


Maria Rita Lemos é psicóloga clínica e terapeuta familiar.

Imagens: People Accessing Man's Mind, Rob Colvin; Woman Lying on the Couch of a Psychiatrist, Coleção Creasource

Comentários

Parabéns pelo Blogue.
É muito bonito, gosto do que leio e vejo.
Um abraço desde Portugal
Marisa Nascimento disse…
Maria Rita, admiro por demais todas as profissões que se dedicam a entender a alma humana.
bia disse…
Muito bonito o seu Blogue.
Sou muito jovem, tenho apenas 15 anos e sonho em um dia poder ter o privilégio de poder ajudar alguém.
Parabéns, admiro muito o seu trabalho!!!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …