Pular para o conteúdo principal

ELE >> Carla Dias >>

Despe-se da identidade, da indelicadeza do sobrenome; e se acredita nas saídas, também delas desdenha, já que permanece estático, o corpo aninhado no sem-tempo. Quem se atreve a decifrá-lo, acaba mancomunado com a poesia que se revela no seu semblante esmiuçado por êxtases, mágoas, ilusões, alegrias.

Sob a pele sequiosa por deleites há estradas miúdas que se cruzam no rubor das faces. Nelas a assimetria do reconhecimento embeleza uma das versões da verdade: viver também é sofrer a sós.

E catalogar imprevistos, porque entregar-se a eles com certo zelo o faz imergir a própria alma numa dança desengonçada, que mesmo muitos pensem ser um insulto à graciosidade, torna-se impecável aos olhares mais curiosos.

Torna-se cena de filme preferido.

A sós – mas à vista de quem possa desejá-lo -, transgride o fascínio ao enevoar virtudes. Zera a lista de qualidades, como mercadoria que já não está em liquidação, então adoece de depósitos, mostruários, vitrines; embebeda-se dos olhares dos miseráveis que só podem lamber os beiços e jamais tocá-la, quiçá levá-la para casa.

Ele abre os braços, setas opostas, opções indigestas, deflagrando a cantoria do coração. E a boca, há tempos enclausurada no silêncio, oferece guarida à língua transeunte que traficou palavra para presenteá-lo: lisura.

Engolida a palavra – que desceu mansa -, ele enfraquece subterfúgios. As mãos espalmadas amparam sonhos, e ele até se sente capaz de entoar árias, como fosse Lancelot desejando Guinevere, apesar do profundo respeito que tem por Artur. Como fosse cavaleiro montado em trem a mil por hora, contracenando com o vento que lhe desarruma os cabelos e lambe os pensamentos. O relinchar do metal de soundtrack.

Quem o observar de perto, com curiosidade bondosa, poderá alcançar os tantos anjos que o habitam; as asas enroscadas nos adereços da benquerença. Os dedos apontando benéficas transformações e sabedoria. Mas também avistará os demônios que, silentes, porém sorridentes, caminham no dentro do homem, esbarrando em perguntas jamais proferidas. E neste secreto questionamento moram tormentas.

Pudesse desmontar a própria biografia e reconstruí-la mais branda, certamente o faria. Mas este não passa de um delírio pueril, já que cada ser humano arrasta consigo o feito, tal e qual obra de arte de sua autoria; ela que, nem sempre, agrada ao criador... O que dizer sobre os transeuntes que lhe torcem o nariz?

E este é um homem que crê: os bastardos da perfeição são também os menestréis das peculiaridades. São sábios que sabem dizer desconsertos como fossem orações poderosas; que conseguem enxergar ao avesso, de través, pois não se detêm à enganação que há no imediato. São magos com canções de amor e tolerância pipocando de suas varinhas.

Desabonado de severidade e rico em contemplação, ainda espera quem lhe segure pela mão e o acompanhe pelos arrabaldes da felicidade. Lá onde carteira de identidade e sobrenome não definem o que o homem traz em sua alma, tampouco julga o que ele decidiu não pertencer a ela.

Imagens: Esculturas de Auguste Rodin >>> Danaid, The Kiss e The Hand of God.


"Some devil some angel/Has got me to the bones..."
Some Devil - Dave Matthews

Comentários

Rubia disse…
Rodin e Dave... tá tudo muito bom!!! bjoca

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …