Pular para o conteúdo principal

GUERREIROS E ANJOS DA GUARDA >> Eduardo Loureiro Jr.

theoi.com
Há tempos e tempos, os deuses viviam no meio dos homens. Zeus, Atenas, Apolo... nos apareciam com alguma freqüência, agiam entre nós, ora com seus superpoderes, ora com manifestações que poderíamos chamar de humanas, como orgulho, inveja, ciúmes.

Há tempos os deuses se fixaram no céu em pedras e fogo -- as luas, os planetas, as estrelas, as constelações -- como se tivessem desistido de interferir nesse nosso mundo.

Mas e se não for bem assim? E se a inércia -- o movimento previsível dos astros -- for apenas uma aparência, uma ilusão? E se os deuses continuam interferindo sem que nós nos demos conta disso, sem que nossos olhos percebam seu veloz e luminoso movimento?

De vez em quando, ocorre-me ver de relance alguns de seus lances. Durante esse mês de agosto, por exemplo, aqueles e-mails dizendo que Marte apareceria tão grande quanto uma lua no céu pareciam indicar que o Deus da Guerra, auxiliado pelo galhofeiro mensageiro dos deuses, Mercúrio, estava querendo marcar presença, mesmo que através de um boato infindado (a tal aproximação de Marte deu-se em 2003, e mesmo assim ele não ficou do tamanho da Lua).

Marte está sempre por aí, nos que se lançam, nos que empunham armas, nos que enfiam a cabeça, nos que abrem o peito, nos que desbastam matas, nos que cavam picadas, nos que inventam caminhos, nos que rompem o sono, nos que rasgam o espaço.

Marte e o espaço...

Aqui de onde escrevo -- Rio Branco, capital do Acre --, há muitos guerreiros. Guerreiros de hoje, que já não pegam em armas de metal, lembrando guerreiros de antigamente com seus fogos de independência. Marte está na estrela vermelha que brilha no canto da bandeira que se move com o vendaval que varre com louca vassoura o calçadão da Gameleira.

Gameleira
O espaço, aqui em Rio Branco, é uma cidade cercada de floresta por todos os lados. É o verde arrodeando o amarelo para além da bandeira, projetando as cores no vento. O espaço é o ar que se mistura com nossos pensamentos. E o ar está cheio de anjos da guarda.

O coração, que é Marte, rasga o espaço do peito. E há sempre outro espaço maior, que Marte tenta rasgar, e rasga... mas há outro espaço maior. Sempre. Os anjos da guarda.

A minha boca se abre, se marte, as minhas palavras se anjam, se guardam. Tudo é tão grande, tão grande: as seringueiras, as histórias dessa gente, a própria gente é tão grande. Tudo é tão marte rasgando, rasgando, que eu morro de medo de me deixar rasgar e virar um anjo da guarda.



Comentários

Marisa Nascimento disse…
Virar um anjo? Sinto em dizer, Eduardo, mas em algum momento, você se deixou adormecer e rasgado foi, transformando-se num poderoso anjo de luz que guarda e ilumina este Crônica do Dia. :)
Carla Dias disse…
Belo texto, Eduardo. E concordo com a Marisa... Você é o anjo da guarda desse canto no qual encostamos a alma para ler o que dizem os corações.
Hebinha disse…
Um passeio entre fortaleza e delicadeza. Bom de passear também da crônica para os belos comentários.
Hebinha

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …