terça-feira, 12 de agosto de 2008

Falta de assunto é um problema [Claudia Letti]

Quase que não escrevo minha crônica desta semana por dois motivos: falta de assunto mesmo, no duro, e por uma série de problemas e probleminhas que me impediram de sentar aqui e começar a pensar escrevendo. Falta de assunto poderia ser mais um problema se eu não considerasse alguns problemas como contratempo -- que é como costumo chamar a maioria dos meus problemas pra não deixar morrer a Pollyana que treinei por anos a fio.

Até porque o que não tem remédio remediado está, como diz o ditado. Problema é o que não falta na vida da gente, até mesmo quando é vendido como remédio, como se vê. E tem gente com todo tipo de problema e problema pra todo tipo de gente. Conheço quem adore um, trata feito animal de estimação ou planta rara que precisa ser hidratada e adubada todos os dias. Deus o livre se o problema morre, a pessoa padece de falta e alguns não conseguem nem disfarçar o luto, tamanha dor da perda. Também há aqueles que gostam de resolver problema, "Tem problema aí? Deixa comigo!" Há quem não goste, não reconheça e não resolva, "Problema? Onde? Enlouqueceu?". Nesse perfil é muito comum encontrarmos quem negue o problema de tal modo que não consiga articular corretamente e chama de pOblema -- o que não exime a criatura de ter que encarar mais esse problema, o de falar corretamente.

Não podemos esquecer daqueles cuja criatividade abundante arruma problema onde não tem ou, pelo menos, onde não precisaria ter. Esses, chamados visionários, quase mediúnicos, enxergam pêlo em ovo e chifre em cabeça de cavalo -- confesso que eu, às vezes, só às vezes, padeço desse mal. Existe ainda aquele tipo que reconhece o problema, sabe quem pariu mas chama de pendência, pepino, obstáculo, contratempo. E é onde me enquadro. Exceto se for uma quase fatalidade, aos 42 minutos do segundo tempo, me recuso, me nego, não tem por onde dar munição e chamar bandido pelo nome. Sem essas intimidades. Nego tanto que só me permito em crônica.

Gosto de dizer, ingenuamente, é verdade, que problema bom é aquele que o dinheiro resolve, mas falta de dinheiro pode ser um grande problema, sem dúvida.Embora dinheiro seja matemática e até eu, que sempre me dei melhor com letras do que com números, concordo que problema bom é o que a matemática pura e (dita) exata propõe. Então, vamos ser honestos: problema bom é problema resolvido. O resto é fórmula de máscara.

Crônica escrita, missão cumprida, vou ali resolver uns contratempos. E você, preste atenção: o dia está bonito, a temperatura está subindo, é quase primavera... Não fica aí na frente desse computador arrumando problema.

Partilhar

4 comentários:

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Nada como uma pretensa falta de assunto pra revelar a qualidade do cronista. Delícia de prosa! Um contratempo de música. :)

albir disse...

A falta de assunto da Cláudia pode ser problema pra ela, mas é solução para seus leitores.

Marisa Nascimento disse...

Bravo! Se toda falta de assunto rendesse um assunto tão encantador assim, oxalá o mundo fosse um eterno campo de assuntos ausentes.:)

ana disse...

E eu que já estava ficando encafifada com a sua demora por aqui, descobri que o "problema foi meu": por pura falta de atenção quase acabei perdendo essa deliciosa crônica sobre este que, real ou não, aflige a tantos.

Agora tudo resolvido, e crônica lida, ainda que fora do dia, prestarei mais atenção pra não perder a próxima.

beijo grande procê