quarta-feira, 6 de agosto de 2008

PESSOALIDADES >> Carla Dias >>

Pessoas peculiares, algumas excêntricas, até, freqüentam minha vida, desde sempre. Muitas das que encontrei se tornaram minhas amigas.

Verdade seja dita: eu adoro os excêntricos, geniosos, complicados. Escutar o que eles têm a dizer; seguir a linha de raciocínio deles, me influencia a questionar o convencional.

Um desses meus amigos, um guitarrista muito talentoso, é dos mais inspirados. Não sei se pelas histórias em quadrinhos que adora ler ou porque a sua visão sobre a vida e o ser humano é realmente tragicômica, como é a versão oficial que vivenciamos diariamente.

Uma amiga muito querida é das que não medem palavras. Diz tudo o que pensa, sem peneirar. Normalmente, isso incomoda muito quem não a conhece, mas quem se detém um pouquinho mais em quem ela é; quem pára para escutar o que ela tem a dizer, compreende que esse incômodo que ela provoca pela sua sinceridade descarada e pronunciada, é justamente o que a torna uma pessoa dedicada a ajudar o outro, sem julgá-lo.

De um amigo eu invejo a ironia... Sei que não é o tipo de coisa que, normalmente, invejamos (tá... invejar é feio...). Mas é uma ironia refinada, que em nada afeta a pessoa bacana que ele é. As tiradas são fantásticas, o humor negro cultivador de interesse. É agradável conversar com ele, quase desafiador.

E tem essa amiga que parece que saiu de um seriado de televisão. Aliás, eu pego no pé dela para que escreva um roteiro, usando as percepções rotineiras dela. O humor ácido, a visão (e a falta de paciência) que ela tem sobre a rotina, são ingredientes hilários.

Há aquela que está sempre disponível para as pessoas; que costuma buscar uma saída para os problemas e, se não encontra, empresta o ombro. Não é a carente que precisa de aceitação, então usa a bondade exacerbada como ferramenta para alcançar as pessoas. É uma pessoa bondosa e ponto. A bondade e o interesse dela pelo outro me fascinam.

Conhecer pessoas é bacana, mas reconhecê-las é ainda mais interessante. E não pulo fora do balaio, já que também eu tenho lá minhas peculiaridades.

E desse jeito, vamos enriquecendo as relações humanas com as nossas pessoalidades.

Imagem: Jander Minesso >>> http://www.flickr.com/photos/tantofaz



Partilhar

3 comentários:

Marisa Nascimento disse...

Carla, e você, com certeza enriquece a galeria de muitos amigos com esse grande coração esculpido pelos anjos. :)

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Carla, gostei desse jogo conhecer/reconhecer. :)

C Letti disse...

"eu adoro os excêntricos, geniosos, complicados."
Ainda não sei se eu é quem os adoro, ou se eles é que gostam de mim. Enquanto isso, me reconheço na sua crônica. *:)
Beijo, Carla