Pular para o conteúdo principal

INTERIORES >> Carla Dias >>

Neste instante, talvez em outro, quem sabe? Minha existência confronta a serenidade. A intranqüilidade faz desconfortável a estadia neste universo novo em folha; envelhecido pela pressa com a qual seus habitantes constroem seus palácios, seja no mais requintado da alvenaria ou na emenda dos apodrecidos sarrafos.

Pense nela como a mulher que sabe que desejo nem sempre casa com realização. Quem não acredita que podemos tudo, pois tudo é sempre a mais, é extra, é o que não nos cabe. Ela acredita que o que nos cabe é um tudo disfarçado de fragmentada realização, então prefere saborear isso ao excesso impregnado de significativas perdas.

Mansões ou favelas comungam, atiçados um pela sorte do outro. O rico que esperneia para não empobrecer. O pobre sapateia para não engolir de vez a miséria. Há dores em cada lar desses, assim como há alegrias.

Pense nele como quem desvenda desfechos, correndo sempre atrás de uma nova oportunidade. Quem não se conforma com limites, joga-se ao imprevisível como fosse capaz de ler futuro nos olhos dele. A ousadia exposta nas suas palavras alimenta a intensidade da determinação que cultiva.

Mudam as batalhas, mas não as buscas. Todos nós desejamos o conforto de uma quase-felicidade, porque, no fundo, não estamos preparados para inquietação provocada pela total ausência dela. Também desejamos as certezas imobiliárias, o salário garantido; a condição de cidadão capacitado para viver em sociedade. São desejos pragmáticos, regados (em cumplicidade) pela euforia do desvario.

O que nos define nem sempre é claro. O mármore do chão toca friamente as solas dos nossos pés; os saltos batucam canções nas calçadas. Por isso alguns choram e outros dançam.

Ainda que cansado do que considera freqüentes provas de fé, ele regressa ao abraço dela sem vontade, ao menos hoje, de incitá-la a sentir o que ele sente, diante da vida. Ela, por sua vez, entoa uma canção sem letra, tirada de algum tempo da sua infância, que lhe faz bem ao conceder abrigo.

O pobre de espírito vocifera calunias aos deuses que desconhece. O rico em sabedoria observa silêncios, concebendo árias futuras. O moleque que vive na rua enfia o nariz na vitrine e sorri para um terno de fino corte, mas logo volta ao grupo de amigos para bater uma bola. O magnata remói saudade, sentado à sua escrivaninha imponente.


Imagem: Jander Minesso >>> http://www.flickr.com/photos/tantofaz

www.carladias.com

Comentários

Isso é o que chamo de caleidoscópio de gente! :)
Marisa Nascimento disse…
Carla, que texto ritmado com cenário de fundo teatral. Amei!! Parabéns!!
muito bom. A foto em complemento, belo post.
Tenha um belo final de semana.
Maurizio
Carla Dias disse…
Eduardo, Marisa e Maurizio...

Obrigada pelo comentários. É sempre um prazer saber como um texto de nossa autoria toca a alma do outro.

Bjs!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …