domingo, 3 de agosto de 2008

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DO POETA >> Eduardo Loureiro Jr.

Ricardo Zerrenner
Artigo I
Todo poeta tem direito ao silêncio. A fazer. A escutar. A esculpir. Silêncio. Todo poeta tem direito ao calado. Ao mudo. Ao invisível. Ao fantasma. Todo poeta tem direito ao nada.

Artigo II
Todo poeta tem direito à Lua. À mãe. Às mulheres de fases. Às musas inspiradoras. Às noites. Todo poeta tem direito às lobas. Aos uivos. À música. À inspiração. Todo poeta tem direito a um poeta do sexo composto.

Artigo III
Todo poeta tem direito à delicadeza. Ao sexo com amor. Suave. Lento. Todo poeta tem direito às preliminares sem sexo. Ao amor platônico. Ao amor cortês. Todo poeta tem direito a um amor qualquer.

Artigo IV
Todo poeta tem direito a miragens. A olhar uma coisa e ver outra. A transformar pedra em poesia. Todo poeta tem direito à loucura. Ao internamento. Ao pátio. Ao choque etérico.Todo poeta tem direito ao delírio. Ao surto. Ao alvoroço. Todo poeta tem direito ao torto.

Artigo V
Todo poeta tem direito aos caminhos. A pular muros. A abrir buracos. A cruzar cercas. Todo poeta tem direito ao relento. Ao passo de tartaruga. Ao atraso. Todo poeta tem direito ao acaso. Às oportunidades. Às possibilidades. Aos desvios. Todo poeta tem direito aos descaminhos.

Artigo VI
Todo poeta tem direito ao passado. Ao que foi sem deixar de ser. Ao que nunca houve, mas deveria ter havido. À memória inventada. Todo poeta tem direito à alma fotografada. À câmara escura. Ao negativo. Ao olvido. Todo poeta tem direito ao perdido.

Artigo VII
Todo poeta tem direito à infância. Ao seio. Ao colo. Ao cheiro. Todo poeta tem direito ao jogo. À brincadeira. À besteira. Ao trocadilho. Todo poeta tem direito à rua. Ao campo. Ao sereno. Todo poeta tem direito ao brinquedo.

Artigo VIII
Todo poeta tem direito ao futuro. À brecha no escuro. Ao buraco da fechadura. Todo poeta tem direito ao sono. Ao sonho dormindo. Ao sonho acordado. Ao sonho assanhado. Todo poeta tem direito ao perfeito. Ao seu jeito. Ao defeito. Todo poeta tem direito ao esquerdo.

Artigo IX
Todo poeta tem direito à rima. À prima. Às meninas. Todo poeta tem direito ao verso. À frente. Ao lado de cá e ao lado de lá. Todo poeta tem direito ao avesso. Ao branco. Ao preto. Aos lilases. Todo poeta tem direito a explosões solares.

Artigo X
Todo poeta tem direito à palavra. Ao dicionário e à gramática. À exceção e à licença. Todo poeta tem direito ao símbolo. Ao signo. Ao zodíaco. Todo poeta tem direito à metáfora. Ao dentro do fora. Ao fora do dentro. Ao neologismo. Todo poeta tem direito ao umbigo.

Artigo XI
Todo poeta tem direito ao ócio. Ao vício. Ao troço. Todo poeta tem direito ao descanso. E ao descanso do descanso. Ao enfado criativo. Todo poeta tem direito às redes. Às varandas. Aos cochilos. Todo poeta tem direito ao mimos. Aos regaços. Aos mamilos. Todo poeta tem direito ao tranqüilo.

Artigo Final
Todo poeta tem direito à paz. Ao canteiro. Ao carinho. Em um poeta — por direito, se não por favor — não se bate nem com a palavra Flor.

Partilhar

6 comentários:

Marisa Nascimento disse...

Eduardo,
Artigo perene do leitor
Todo leitor tem direito a ler e reler palavras poéticas e não se sentir constrangido de ficar sorrindo pro nada com cara de bobo. :)

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Boa, Marisa! :) Fique à vontade para nos presentear com mais artigos. :)

Anônimo disse...

Lendo este poema comecei a ouvir uma música... linda, suave... ritmada nas tuas palavras... bonito.

JP disse...

Poetas devem ser pagos? :-\

Eduardo Loureiro Jr. disse...

JP, poetas já são pagos. Você não está recebendo? :)

C Letti disse...

Uia, que isso tá lindo demais!
beijo, poeta! *;)