Pular para o conteúdo principal

VOCÊ TEM MEDO DE QUÊ? >> Felipe Holder




Tem gente que gosta de alardear a própria coragem, dizendo que não tem medo de nada. Eu duvido. Todo mundo tem medo de alguma coisa, por mais que diga que não. Uns têm medo de morrer, outros têm medo de viver, outros têm medo de palhaço... tem gente até — imagine você! — que tem medo de borboleta!

Quando eu era pequeno tinha muitos medos: medo dos monstros de Perdidos no Espaço, medo dos filmes de Vincent Price, medo de ouvir o galo cantar de madrugada, mas o meu maior medo mesmo era medo do escuro. Medo comum, que quase todas as crianças têm, mas só que o meu não era exatamente medo. Era pavor. Eu tinha pavor do escuro. Depois de grande (bem grandinho, para ser mais preciso) o medo foi embora. E não foi por descobrir que o bicho-papão não existia, ou por saber que os fantasmas não iriam se aproveitar para aparecer na minha frente quando a luz se apagasse; simplesmente o medo foi embora. Inexplicavelmente.

Medo é mesmo uma coisa inexplicável. Você se lembra da campanha presidencial de 2002?
Naquele ano, Regina Duarte apareceu no programa eleitoral de Serra pra dizer que tinha medo do que poderia ser do Brasil se Lula fosse eleito presidente. Caminhávamos para nos transformar uma “Argentina”; seria o caos e a (perdão pela palavra deselegante) merda iria virar boné. Foi criticada, hostilizada, e seu depoimento sumiu da telinha. Mas sumiu para dar lugar a outro, cuidadosamente preparado para ser ainda mais aterrorizante: depois de Regina Duarte, quem apareceu na TV para dizer que tinha medo foi Beatriz Segall. E foi mesmo assustador. Ela disse que estava “com medo de dizer que tinha medo”. Fui levado a crer que seria medo dos eleitores de Lula. Medo, talvez, de ser linchada por eles em praça pública só porque ousou dizer o que pensava. Eu, hein? Ambas disseram ter medo do Lula presidente, mas nenhuma delas teve medo do ridículo. Vá entender...

Hoje, depois de grande, continuo tendo meus medos. Medo de aranha caranguejeira (a de verdade, esclareço, antes de qualquer insinuação maldosa), medo de errar, medo de decepcionar as pessoas de que gosto, medo de não ser um bom pai, medo da violência, medo de ver nossa cultura ainda mais desprezada e desvalorizada, medo de ver a mediocridade tomar conta do nosso país, medo de o Brasil não ter mais jeito.

E você? Tem medo? De quê?

Comentários

Monica disse…
Oi Felipe,
Muito bom ler sua crônica! Talvez porque me considerava uma pessoa medrosa até ontem, quando ouvi da minha mestra uma definição de corajoso, que me fez mudar de opinião sobre os medrosos, inclusive eu. Disse ela: Corajoso é aquele que se move apesar do medo.
Monica
Felipe disse…
Monica, gostei muito da definição de sua mestra. Devo ser corajoso, pois se há uma coisa que eu não faço quando tenho medo é ficar parado. ;)
Um abraço!
Estrela disse…
Olá Filipe,
Gostei muito da sua crónica, eu também tenho alguns medos ex: do telefone a tocar no meio da noite...é cá um susto!!!
Na terra onde nasci(Peniche-Portugal) existem alguns provérbios engraçados:
-O medo dá asas
-O medo é pai da crença
-Quem tem medo morre cedo
-Nada é tão contagioso como o medo
-O medroso até da sombra tem medo
-Quem tem medo compra um cão
Vamos ser valentes?
Estrela
Aline ツ disse…
- Você tem medo de quê?
- Tenho medo do escuro. É um medo infantil, eu sei, mas é o meu medo. Minha mãe nunca deixou que eu acreditasse em bicho papão, mas permitiu que eu cresse em fantasmas. E o escuro não é nada, só a falta de luz, ela dizia. E era isso que mais me apavora, porque sem luz, não podemos ver nada. E só porque não podemos ver, não significa que não exista. Eu tenho medo do que não posso ver.
Dos males, o menor. O escuro não permanecesse o tempo todo, então, há uma hora em que não tenho medo de nada.
E é nessa hora que eu conquisto muitas coisas ao ler crônicas excelentes como essa.
Felipe disse…
Mônica, Estrela e Aline, obrigado pelos comentários tão gentis.

Espero perder em breve a preguiça de escrever, já que o medo eu perdi faz tempo. ;)

Preguiça... aí está um assunto interessante para uma nova crônica. :)
Meu querido amigo, medo que eu tenho é quando você pára de escrever: medo de que você não volte mais. :) Lendo suas crônicas tão gentilmente humoradas, sinto-me sem medo.
Anônimo disse…
olá Felipe! Gostei muito de sua crônica! Achei muito bem escrita, com humor e inteligência! Continue escrevendo, tem jeito pra coisa!
Abraço, Teresa.
Anônimo disse…
tenho medo de palhaçaos e boneca
Anônimo disse…
Tenho medo de tempestades: vento, chuva, trovoada... Cheguei a essa crônica enquanto procurava algo que me distraísse da ansiedade, já que no momento chove muito aqui na minha cidade. Ainda sou uma adolescente, mal vejo a hora de acordar um dia e perceber que esse medo (muitas vezes exagerado) me deixou. Enquanto isso, sigo enfrentando.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …