Pular para o conteúdo principal

SILÊNCIO! [Mariana Monici]


Eu não consigo funcionar bem mental e emocionalmente com ruídos. Ou uma coisa ou outra - acho que não sei nem preencher um cheque com fones no ouvido. Não entendo a escolha deliberada de poluir sonoramente um ambiente que já não é tranqüilo. Já repararam a quantas andam os ambientes pelos quais circulamos? É uma coisa impressionante. Tem lugares que não se pode escolher, ok, faz parte: trânsito, aniversário infantil em buffett , shows, isto tudo é compreensível e vem no pacote da escolha do programa predileto ou necessário.

Por outro lado, alguns lugares são extremamente barulhentos e nos expulsam como que um grito de horror em castelo mal assombrado (tá, posso ter exagerado... são duas da madrugada!). Hoje fui a um supermercado, destes bem grandes e que tem um nome forte. Não calculei bem, ou não me lembrei que era sexta-feira e acho que isto justifica estar um pouco cheio de gente comprando e abastecendo o fim de semana. A maioria carregava latas de cerveja, outro vi carregando fraldas e outros um monitor LCD. Pensei: “Que mundo mais maluco, eu só quero fazer um jantar...” Claro, maluca sou eu, que encaro um negócio destes em plena sexta por causa de um jantar pra duas pessoas.

Bom, o ar condicionado estava quebrado, de forma que ouvia os clientes reclamando e as meninas de patins suando e se justificando - o próprio caos. Eu não precisava mais do que dez itens, o que me dava uma enorme vantagem de encerrar logo o perrengue. Fui à banca de queijos e quando me abaixei par escolher, veio o som dentro dos meus ouvidos, tirando qualquer concentração nos queijos, ou no jantar ou em qualquer coisa: uma televisão estava instalada bem no meio dos queijos. Nela, passavam propagandas dos produtos e anúncios da TV à cabo. Não podia acreditar: nem na minha casa ligo a televisão, não era possível que precisasse me deparar com aquilo!?

Ouvia crianças chorando e algumas tomavam bronca por isso, outras totalmente sem limites subiam atrás dos carrinhos de compra e deixavam que o destino as freassem bem em cima das garrafas de vinho; as mães não diziam nada. Novamente quis estar em minha casa, assistindo um bom DVD tomando coca-cola gelada e mandar pelos ares o tal jantar.

Quando chego na fila do caixa rápido, algumas pessoas tiravam suas compras do carrinho e equilibravam diversas caixas de leite nas mãos para ter o direito de estar na fila dos 15 itens. E mais uma novidade: uma TV instalada na fila, com um som baixo que ninguém entendia, mas também incomodava.

Então, me dei conta: porque esta escolha pelo barulho? Já havia tanta gente falando, música no supermercado e mais a televisão, além dos barulhos pelos quais não temos escolha: criança chorando, cliente reclamando - coca e cerveja geladas não existiam para vender, apenas marcas estranhas e totalmente suspeitas.

No trânsito não é diferente: mal abre o semáforo e alguém já está buzinando. Sem falar nos motoqueiros que fazem questão de acelerar com aquele barulho que nem sei como fazem, mas penso que seja proposital.

Em casa, ninguém se levanta para falar com a pessoa ao redor. Um está no quarto, o outro na sala e, então, gritam suas solicitações querendo ser mais poderosos do que a TV, o rádio ou mesmo a conversa estabelecida com um terceiro.

Eu, que não gosto do marasmo, simbolicamente vivo pedindo que aumentem o som, mas não é disso que estou falando... Vamos combinar que silêncio é essencial para o bom funcionamento do indivíduo. Exceto, sábado a noite quando, por escolha, você PRE-CI-SA de barulho pra dançar.

Minha proposta, então, é diminuirmos o ruído, que este mundo até quieto, está pra lá de barulhento! Acabo até me lembrando das minhas professoras primárias de quase trinta anos atrás pedindo silêncio... Afinal, quem consegue pensar no meio da confusão?

Outras Cenas

Imagens: Dial, Mathias Kulka; Engren, Peter Maltz

Comentários

Debora Bottcher disse…
Eu, que amo o silêncio, concordo plenamente. O mundo anda encerrado num infernal ciclo de barulho... É enlouquecedor mesmo...
Beijo.
Estrela disse…
Para todo o barulho que nos envolve, eu que sou ateia, só numa igreja consigo encontrar o silêncio de que necessito...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …