Pular para o conteúdo principal

AO SOM DAS BRITADEIRAS >> Carla Dias >>

Lá fora, os moços da Comgás aproveitam a madrugada para consertar sei lá o quê. Tivesse de ser consertado sob a luz do dia, certamente atrapalharia o movimento da avenida onde moro. Imagine o caos: desestabilizar o tráfego; ruir com a rotina do comércio, com o entra-e-sai nos bancos.

Aqui estou... Já é madrugada alta, e escrevo ao som das britadeiras. Imagine o caos: não conseguir fechar os olhos e dormir, às duas da madrugada, por causa do baile da Comgás. Antes nós, não é mesmo? Pessoas que precisam acordar cedo no dia seguinte para encarar correrias e trabalho. Nosso bem-estar, a quem mais importaria senão a nós mesmos?

Recorro ao mp3 player e às canções antigas, algumas mais antigas do que eu. Ando nessa de botar o passado na mesa. Lembro-me da última casa onde morei com minha mãe, e que ela levantava cedinho, porque fazia questão de preparar o meu café antes de eu sair para o trabalho. Às vezes, eu conseguia enganá-la... Acordava mais cedo, desligava o despertador e a deixava dormindo um pouco mais. Era um bairro silencioso. As britadeiras andavam longe de lá.

Estou em férias, mas parece que não conseguirei descansar de jeito nenhum. Minha cabeça fabrica pensamentos sem parar, e eu quieta, praticamente estática. Fazendo nada desses pensamentos. Fiz uns dias de dieta, mas deu uma fraqueza... Até que parei de pensar tanto e me senti vazia, o que não tinha nada a ver com a dieta. Comi dois tomates, além da conta, e pude fabricar pensamentos por mais algumas horas. Aí passou o efeito, e voltei ao vazio... E senti falta de mim ... Comi torradas e tomei coca-cola light.

A dieta dançou, mas os pensamentos vão bem, obrigada! Inclusive aquele que esclarece que, ao andar dessa carruagem, jamais entrarei no vestido de festa da vida. Mas ok. Quem sabe consigo, dia desses, confeccionar meus próprios vestidos. E caber neles como cabe em mim essa maluquice de pensar tanto sobre tudo.

Li na ficha técnica de um filme: "Assistente de Barulhos na Sala". Como já disse, estou em férias, e ela sempre me serve para perder a noção do tempo. Sobram o dia e a noite. O Assistente de Barulhos na Sala, hoje, é o homem que conduz a orquestra. Ao invés da batuta, a britadeira. Mas em dias de rotina, também eu ocupo essa função... Inventando barulhos, como os dos passos de um caminhar em círculos, enquanto busco o fio solto que abrirá caminho para um novo rumo.

Ah, o som das britadeiras se sobrepõe ao do meu mp3 player. Será uma longa e barulhenta madrugada. E amanhã, a avenida estará funcionando normalmente, mas nós, nem tanto.

Comentários

"Em mim essa maluquice de pensar tanto sobre tudo". Nunca havia pensado sobre o que poderia colocar na minha lápide até me deparar com essa frase sua, Carla. Que bela pepita essa que resultou da escavação das britadeiras em sua mente! :)
inês disse…
São Paulo inteiro deveria ler essa sua crônica. :)
Eu me acordei hoje me sentindo assim, vazia de mim... meio sufocada por essa cidade imensa, cheia de tanto e vazia de tudo...

Gostei muito!
Debora Bottcher disse…
Realmente... O mundo anda carecendo de silêncio, não? São Paulo então, nem se fala... :)
Beijo, bonita.
Eduardo - Adm disse…
Estou em situação parecida, tentando continuar meu trabalho de desenvolvedor de softwares, usando essencialmente minha concentração para desenrolar problemas transformando-os em belos algoritmos. MAS... ao lado da empresa, mais precisamente na minha janela, um prédio de 10 andares está sendo "desenvolvido", e um rapaz usa sua britadeira constantemente pelo segundo dia consecutivo...
Entao procurei na internet "Britadeira" e achei sua crônica sobre tal instrumento e seu "barulhinho".
Escreves muito bem, parabens!
Abraço
Eduardo

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …