Pular para o conteúdo principal

UNS PÉS >> Eduardo Loureiro Jr.

Foto: Ozita AlbuquerqueEnquanto ela massageava deliciosamente meus pés, eu falei sem desconfiar que abalaria sua auto-estima sexual:

— Isso é melhor do que sexo!

Do próprio Jesus Cristo, eu não invejo o poder de fazer milagres, mas o fato de ter tido os pés lavados, e depois enxutos, pelos cabelos de Maria, a irmã da trabalhadora Marta. E o reconheço como Mestre não por ter morrido numa cruz, mas por ter lavado os pés de seus discípulos.

Cabeça, coração, olhos, sexos... partes do corpo tão presenteadas com louvores em contos, romances, versos e canções. E o que sobrou para os pés? Um jogo estranho com a mais incompreensível das regras: o impedimento. Mesmo assim, em sua humildade, os pés transformam chute em dança.

Quando dormimos, eles estão de pé, alertas, prontos para qualquer eventualidade. Quando despertamos e nos levantamos, eles nos suportam, passo a passo, muitas vezes aprisionados em chinelos, sandálias, sapatos.

Se à minha futura esposa me fosse permitido fazer um único pedido, eu arriscaria que ela não me fosse fiel na alegria e na tristeza, pedindo apenas: "Amolegue meus pés todas as noites antes de dormirmos." Ela diria que sim, parecendo-lhe fácil. E eu ficaria me perguntando: será que ela sabe amolegar uns pés com firmeza e suavidade, sem cansaço nem pressa?

Se ao cavalheiro cabe pedir ao pai de sua pretendente a mão de sua filha em casamento, não seria justo que a nobre dama pedisse à mãe de seu pretendente os pés de seu filho?

Ah, quando o ser humano descobrir que a felicidade vem pelos pés...

Comentários

inês disse…
Bendito sejam os pés! :)

Seu texto me fez lembrar o livro "Abaixo das canelas" de Eva Furnari. Ele compõe bem com sua crônica.

Beijinhos
CrisEbecken disse…
Os mistérios e a revelação pela caminhada... a firmeza e a delicadeza rendidas à base... os pés, o elo dos elos, encontra bem outro grande elo, as mãos.
Ozita disse…
Gostei da crônica. Nossa história de vida é construida através das caminhadas que percorremos com os pés. Daí a importãncia desse valioso instrumento.
r a c h e l disse…
Oi Eduardo, não sei se você lembra de mim, a louca que abriu o berreiro na Cobal aquele dia que você esteve aqui no Rio com a Clau... rs.

Mas sabe que é verdade, o meu primeiro namorado fazia uma baita massagem nos meus pés sempre que eu pedia - ou não (e nas costas e onde mais eu quisesse oficórse). Acho que essa uma mistura de humildade com adoração que faz com que nos sintamos quase Deuses quando o foco das atenções são os nossos pés, né?

Que assim seja o seu desejo, meu querido. Quando virás novamente?

Beijo,
Felipe disse…
Meu amigo, sua crônica me fez descobrir que não gosto que amoleguem meus pés. Talvez por isso não tenha compreendido (ou sequer imaginado) a sensação tão maravilhosamente descrita por você. Assim, me vejo obrigado a dizer que, se tivesse que pedir para ser amolegado todas as noites antes de dormir, certamente escolheria outra parte do corpo. O lóbulo, por exemplo. ;)
Anônimo disse…
Legal...Gostei muito da mensagem.Você sabe que 06 de outubro é o dia nacional da podolatria?
podo(pés) + latria(adoração)= podolatria/ adoração dos pés.
Anônimo disse…
Edo,
O comentário do dia nacional da podolatria fui eu quem enviou. Sem querer fiquei no anominato. Você sabe que tem muitas mulheres querendo ter um homem aos seus pés?
Esse negócio de "pé" é meio complicado.
Dilma disse…
Edo, fiz dois comentários e em ambos fiquei no anomimato. Vamos ver se apareço agora. Já me disseram que as mulheres mais sensuais usam sandálias de tirinhas para deixar os pés semi despidos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …