Pular para o conteúdo principal

TRÊS ASSUNTOS E UM TEMPISTA >> Eduardo Loureiro Jr.



Quem me acompanha sabe que eu não acredito em falta de inspiração. Eu não tenho o nariz entupido para escrever. Acontece mesmo de eu ter mais assuntos do que cabem em um texto. Meu maior trabalho sempre é escolher; escrever é fácil. Esta semana, não pude optar. São três assuntos, os três entram pelas narinas, os três querem ser escritos, os três desejam aparecer... e eu que não sou leão-de-chácara, que sou cronista — tempista —, resolvi dar passagem a todos.

A água e outros lubrificantes
Há algum tempo, recebi um conselho e um pedido. O conselho era de um mestre: "sempre que estiver discutindo ou prestes a discutir com alguém, dê um jeito de trazer um copo d'água para o ambiente; a água acalmará os ânimos". Eu, que não sou de briga, tive oportunidade de experimentar o conselho uma única vez, e foi milagroso. Incrível como uma discussão acalorada se transformou em escuta mútua. Já o pedido foi de uma amante (no sentido de amar e ser amada): a camisinha lhe irritava a delicada pele, e ela pediu que eu usasse lubrificante. Eu, que sempre achei que fazer sexo com camisinha era como chupar bombom com embalagem, descobri que usar lubrificante é melar de bombom a embalagem do bombom. O conselho e o pedido me fizeram lembrar da música, que tem sido, desde que me entendo por gente, a água e o lubrificante de meus pensamentos, de meus estudos e de minha criação literária. A água, o lubrificante e a música me fazem agora pensar em esperas com paciência, em relações com gentileza e em crises com meditação e oração. As coisas não precisam ser difíceis.

O Zahir e o BBB 8
Esses dias, me peguei com vergonha de estar lendo Paulo Coelho e assistindo ao Big Brother Brasil. Uma amiga querida me indicou o livro: "eu mesma não gostei", disse ela, "mas só lembrei de você enquanto lia". Minha amiga estava certa: eu também só lembro de mim enquanto leio. Minha dúvida tem sido: esse alguém de quem eu lembro ainda sou eu? Não, e sim. Não; aquele de quem eu lembro está no passado: um homem devastado por uma separação. Sim; aquele de quem eu lembro está aqui, desbastando-se em superação. E, na abertura do livro, há um poema a Ulisses, o personagem que recentemente identifiquei como sendo meu gêmeo simbólico. Admito, então, que eu estou lendo e gostando de Paulo Coelho. Assim como estou vendo e gostando do Big Brother Brasil, que me lembra menos 1984, de George Orwell, e mais o mito do Minotauro, em que se conta que sete moças e sete rapazes eram enviados periodicamente a um labirinto com o propósito de servirem de alimento ao homem-touro. Eu sempre me perguntei como seria o cotidiano daqueles jovens sacrificados, que eram citados apenas rapidamente na narrativa. O BBB tem me respondido essa pergunta. E eu vejo em nossos jovens mais do que o desejo de um milhão de reais: vejo, espio, brecho um encontro grandioso de humanidade no artifício do confinamento.

A contagem regressiva
Daqui a três dias, viajarei 2.579 quilômetros para conhecer pessoalmente uma leitora. Há uma semana, cada dia tem sido um dia a menos. Mais um pouco e eu saberei o toque, o cheiro e o gosto das palavras. Quando minha sobrinha Julia era bem pequena, e íamos para a casa de praia, iniciávamos uma contagem regressiva ao sair da estrada principal e pegar a estrada de terra: Julia queria descer apressadamente a escada dos números, e eu ralentava a contagem enquanto acelerava o carro para que, justo ao pararmos em frente à casa, ela dissesse: "Zero! Chegamos". Recentemente, repetindo o trajeto depois de muito tempo, uma Julia já crescida começou a fazer contagem regressiva. "Você ainda lembra disso, Linda Julia?". "Lembro, tio". E aquela lembrança foi — e é novamente neste instante — lágrimas em meus olhos. Agora sou eu, que saio do asfalto da vida e pego a estrada de barro da criação, do novo. Meu tio Tempo vai cadenciando o ritmo: depois (3) de depois (2) de depois (1)... vem o antes.

Comentários

Debora Bottcher disse…
Ai, Eduardo, Li esse 'tri-texto' debaixo pra cima - não sei bem porque - e ele ficou ainda mais encantado. :) És um gênio quando se trata de tocar nossa emoção. Beijo grande.
Anônimo disse…
Edo,
Três textos merecem três comentários:
Água - acalma, alimenta, distrai. Um copo d´água faz milagres, uma chuveirada faz muito mais. Seja ela doce ou salgada (banho de mar) acalma, alimenta a alma, distrai.
BBB/PC - Nada na vida é inútil. Exite um velho provérbio - "se lhe deres um limão faça uma limonada".
Contagem Regressiva - homem de sorte vc. Feliz daquele que sonha, que espera. Entendo sua ansiedade. Desejo-lhe "boa sorte"
Lila disse…
Quanta saudade eu tava de ler seus textos... Ainda bem que vc sempre me faz achar que a simplicidade da vida vale a pena. Boa sorte aí com a leitora.
criscalina disse…
Edu,
Pois aqui vão três coisas a dizer sobre os seus três escritos.
1. Feliz de você que acha fácil escrever. Eu continuo achando um martírio. =) Continuo achando que tudo já foi dito, mas, volta e meia, me pego me martirizando pra dizer as coisas do meu jeito.
2. Eu me pego assistindo, com muita vergonha, mas vendo razão para, o BBB. Ainda não tive essa coragem pra encarar Paulo Coelho.
3. Que cidade fica a 2.579 quilômetros de Teresina? Boa sorte na sua empreitada!
Beijos,
Carla Dias disse…
São três quadros para serem apreciados como se o pintor ainda estivesse na lida, buscando compreensões, desfechos; impregnando de idéias e sensações as imagens. Mas no final, é o tempo quem dá o tom: tempo do copo com água; da observância, através da tela da televisão, e também da idade daqueles que amamos, e a nossa própria, mas sem que se percam as boas lembranças.
É, foi seu tio Tempo quem lhe soprou essa crônica no ouvido.
Outra crônica que adorei ler. Lugar comum, né? Nem tanto... É um gostar para cada texto, para cada interpretação.
Tia Monca disse…
Oi Junoca,
Que delícia de crônica! Mudei meu conceito sobre liquidações 3 em 1:)
Que bela receita! Agua, paciência, gentileza, meditação, oração... Tenho certeza que você já está colhendo os frutos dessa sua dedicação à vida.
Quando crescer quero ser igual a você :)
Que a acolhida da sua leitora, na cidade maravilhosa,seja do jeitinho que vocês merecem.
Bj,
Tia Monca
Anônimo disse…
Edo,
Amanhã é domingo. Será que teremos novo texto? Carnaval, companhia da "leitora", talvez falte tempo de organizar as palavras mas idéias vc já disse que não faltam, ainda mais agora com tantas coisas novas em sua vida. Por si só o Rio já nos enche de inspirações isso sem falar que um "homem apaixonado vale por dois". Ansiosa pela sua próxima mensagem. Feliz Carnaval!!!
Ana disse…
ai, entao, já que idéia nao é problema, conta como foi o encontro com a leitora "forasteira"?
:) fiquei encantada com o texto, com a água, e com os 2 mil e tantos quilometros...
:)
bjs!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …