Pular para o conteúdo principal

A MELHOR AMIGA >> Zoraya Cesar

Meio homem, meio pássaro, o ser encantado finamente entalhado em madeira negra tinha um rosto assustador. Bicudo, maxilares salientes, a boca torta, num esgar sardônico e debochado. Tinha o semblante amargo dos invejosos. Os olhos vazios pareciam vivos de crueldade e malícia.

Era um amuleto contra os maus espíritos, explicara Agnes ao entregar o presente. Camila acreditou, e por que não? Sempre acreditara em sua melhor amiga de infância. 

A vida é um campo de energia.
Cuidado com o que coloca no seu
campo vibracional.
A vida, com suas manobras surpreendentes, acabou por afastar as amigas inseparáveis. De Agnes nada sabemos ao certo. Apenas que, sendo rica e bonita, saiu pelo mundo a quebrar corações, sem pouso ou rumo. Um dia, voltando de suas lonjuras, foi visitar a amiga. Camila, que sempre fora tímida e eclipsada pela personalidade exuberante de Agnes, finalmente encontrara o amor de sua vida. E, se tivera uma infância pobre, conseguira superar as dificuldades. Era feliz. 

O fato é que a estátua ficou em lugar de honra na sala, para desgosto do marido de Camila, que detestara a coisa.  

-------------------------------------------

No princípio, Camila creditou os inexplicáveis acontecimentos ao estresse que passava no trabalho. Andava distraída e tensa. Encontrava objetos em  lugares totalmente inusitados - a chave do carro na máquina de lavar; a ração do cachorro debaixo da cama. Mas não encontrou justificativas racionais para a louça que rachava dentro do armário, sem que ninguém a tivesse tocado. Nem para os gemidos - que pareciam de dor - que a televisão, mesmo desligada, emitia. 

Do dia para noite surgiam teias de poeira e de aranhas; a casa parecia estar sempre suja. Uma extensa infiltração nas paredes empesteava o ar com cheiro de terra podre. Tudo sumia, quebrava ou escangalhava. Nada mais dava certo. O casal, que nunca brigara, desentendia-se a troco de nada. O marido deixou de falar para ela jogar aquela coisa fora. Aliás, não falava mais nada, a separação era iminente. Camila sentia-se prostrada, numa profunda lassidão física e mental. E, como se não bastasse, havia os pesadelos. 

Os pesadelos eram insuportáveis.
Camila preferia não dormir.
Passava a noite acordada, febril. Pois nos poucos momentos em que, exausta, dormitava, cenas horripilantes surgiam em sua mente. Acordava sobressaltada e infeliz. 

Agnes ouvia tudo, olhos esbugalhados, mão no coração. ‘Ainda bem que te dei o amuleto! Imagina como seria pior sem a proteção dele!’. Camila agradecia, convencida que, realmente, imagina!

----------------------------------------------------

Foi num final de tarde, modorrenta e úmida que, ao olhar para a estátua, Camila se deu conta que, definitivamente, a expressão da pequena figura mudara. Mais cruel, mais debochada. Estranhamente sorridente. Como se estivesse... satisfeita.  

Não sabia o que fazer. Estaria enlouquecendo? Sentia-se dominada pela presença do homem-pássaro, não podia desfazer-se dele; além do mais, era um presente da melhor amiga! Estava confusa e assustada. Sua vida se desconstruía a passos largos. Começou a chorar. Chorou tanto, que suas parcas forças se exauriram e ela adormeceu. Dessa vez, não teve pesadelos. 

Viu-se criança, Agnes rica, bonita, popular, tudo ao contrário dela. A mãe dizia que a amiga não prestava, invejosa e sonsa. Inveja de quê?, retrucava Camila.

O luar adentrou pela janela e pelas pálpebras fechadas de Camila, jogando luz em sua consciência, de forma tão repentina, que ela estremeceu em seu sono. Pela primeira vez, ela enxergou a verdade. Agnes sempre destruía pedaços de sua vida, discreta e dissimuladamente, escondida pelo véu da amizade. Soube, nesse momento, em seu íntimo, que fora ela quem envenenara seu gatinho, jogando a culpa em uma vizinha. Várias outras peças soltas se encaixaram. E muita coisa passou a fazer sentido.

Em seu estado semiconsciente, sonhou com a mãe, morta há anos, sentada à cadeira de balanço onde costurava todas as noites. D. Benedita manuseava algo indistinguível. Camila aproximou-se, devagar, para ver o que era. Arrepiou-se. 

"Há quem inveje até a 
dificuldade ou pobreza
alheia",
dizia a mãe de Camila
Nas mãos frágeis e delicadas de D. Benedita, a estátua se debatia, frenética, enquanto era destruída, pedaço por pedaço. “Minha filha, tem gente rica que sente inveja até do trapo que o mendigo usa. Eu sempre te avisei. Você sabe o que tem de fazer."  

Do quintal, o cachorro uivou, longa e profundamente. Camila acordou. 

Sentia náuseas, apavorada como uma criança que sabe existirem monstros de verdade debaixo da cama. Levantou, tremendo e suando, dores crescentes à medida em que se aproximava da estátua. Num ímpeto, jogou-a no chão e a pisoteou com violência até esfacelar. As dores cessaram. 

Eu sou Camila. Essa é minha casa, esse é meu corpo, essa a minha vida. E nem Agnes nem amaldiçoados podem comigo. Eu sou Camila. Filha da minha mãe Benedita. E eu nasci para vencer.

--------------------------------------------------

Semanas depois, tudo voltara à normalidade. Nada parecia ter ocorrido. As evidências sumiram sem deixar vestígios.

Assim como Agnes. 

------------------------------------------------------

Um dia, Agnes voltou à cidade, E chamou Camila para visitá-la.

Camila foi. E levou consigo uma caixinha para presentear aquela que, um dia, acreditara ter sido sua melhor amiga. 

Agnes recebeu-a, cintilante e sedutora, como sempre. Nada falou de si, mas lembrou dos velhos tempos, da amizade de tantos anos, quis saber como estavam as coisas. Camila ficou a olhar para ela, sua melhor amiga, traidora, assassina e pérfida. A quem sempre amara. Em quem sempre confiara. Tirou a caixinha da bolsa, abriu-a e mostrou o conteúdo para Agnes. 

- Você sabe  o que é isso? Estou devolvendo o presente que você me deu. – E jogou sobre ela o pó da estátua incinerada. 

Camila foi embora sem olhar para trás. Não lhe interessava ver Agnes entrando, imediatamente, no estado de entorpecimento e decadência do qual jamais sairia. Bastava-lhe saber que nunca mais Agnes faria magia negra para acabar com a vida dos outros. Muito menos a de uma amiga.

---------------------------------------------

Imagens


Comentários

Érica disse…
Só tenho uma coisa a dizer: "cru cré corroró, treis veiz mangalô"
Anônimo disse…
Melhor amiga de mulher pode ser um perigo! Ainda mais se a mulher tem marido que a outra pode achar interessante e bom de cama! Hehehe...
branco disse…
muito bom, melhor que bom! na verdade muito melhor que muito bom!!!
a sua narrativa beira a perfeição por se tratar de um tema tão real (alguns podem pensar que são frutos de um desvio mental da personagem). ótima forma de descrever os acontecimentos, muito ótimo o momento do inicio da "ressurreição" , " Eu sou Camila. Filha da minha mãe Benedita. E eu nasci para vencer.".
não gosto muito de citações e quase nunca as uso, mas talvez por ser época de natal e invariavelmente nesta época do ano eu estar com charles dickens na cabeceira, os momentos de pesadelos (sonhos(?)) que você narra, para mim possuem, a mesma força dos fantasmas do velho avarento.
grande como sempre !
Carla Dias disse…
Me fez lembrar de histórias compartilhadas na adolescência, com as irmãs e primas. O sobrenatural, que, com o tempo, percebi que eram apenas fatos que eu não gostava de encarar. Ótimo conto!
Marcio disse…
Zoraya, assumo o risco de ser acacianamente óbvio para dizer que seu texto é espetacular!
Mas acho que ficou faltando aquela parte em que as duas ex-amigas saem na porrada e a mocinha mata a vilã com a crueldade característica da segunda.
Nêmesis em estado bruto, com a griffe Zoraya Cesar.
Sandra Modesto disse…
Eu na adolescência dividindo o mesmo quarto com 5 irmãs, sendo uma delas irmã adotiva. Que nos contava histórias de assombração. Muitas irmãs, muitas primas e uma amiga num quarto. Cada uma com suas imaginações históricas. Belo conto, Zoraya.
whisner disse…
Que medo... Me lembrou os contos de Poe.
Zoraya Cesar disse…
Érica - morri de vergonha agora! Não conhecia essa do Ivan Lins, logo eu que amo Ivan Lins!

Anônimo - bem, não foi esse o caso. Mas não é mulher um perigo. Perigo é gente sem caráter ou coração, e aí, qq gênero é perigoso. Agora, que se há de ter cuidado, isso há.

branco - agora mesmo vc me conquistou. Dickens é meu escritor preferido. Lembrar do velho Scrooge e seus fantasmas foi de uma generosidade sua sem paralelos. Nem digo mais nada.

Carla - elogio da grande dama do Lirismo. Fechou.

Márcio- hahahaha "acacianamente óbvio" foi SENSACIONAL. Só vc mesmo. Mas "Nêmesis em estado bruto, com a griffe Zoraya Cesar" vai ficar na história. Me inspirou mil coisas. To dizendo, q vc gosta desse meu lado sombrio...

Sandra - puxa, Sandra, essas noites devem ter sido animadas! Ninguém dormia, claro, né? E obrigada!

Whisner - ,,,Poe? Sério? Vc e o branco estão se superando em generosidade!

A todos, muito obrigada, de verdade, pelo carinho, leitura, generosidade.
Albir disse…
Eu já estava paranoico com luares e bosques por causa da Nadia. Agora não posso mais receber presentes! Repito: vou mandar pra vocês duas a conta dos meus tranquilizantes!