Pular para o conteúdo principal

A ETERNIDADE DO EFÊMERO >> Paulo Meireles Barguil

A vida é um relógio de areia, cuja quantidade na parte superior é desconhecida.

Às vezes, parece que ela está caindo mais rápido.

Outras vezes, aparenta nem estar descendo...

A percepção do fenômeno, como sempre, é definida pelo observador.

Durante essa cascata de poeira, elaboramos sonhos: ora dormindo, ora acordado.

Alguns se tornam realidade, uns permanecem no imaginário, outros viram pesadelo.

Entre mel e fel, seguimos.
 
A parada técnica, programada ou não, é sempre uma possibilidade.
 
Quando a porção na parte inferior se torna substancial, removemos, com distintas intenções, as partículas há tempos depositadas.
 
Corpo e alma, outrora engajados em aventuras, buscam um ninho para contemplarem o vivido.
 
A qualquer momento, contudo, a cortina pode se fechar...

Comentários