Pular para o conteúdo principal

A HORA DOS MORTOS - 1a parte >> Zoraya Cesar

Era madrugada quando ele, das profundezas do sono, sentiu a cama sacudir e tremer fortemente, como se quisesse jogá-lo para fora. Cansado, crendo se tratar apenas de um sonho por demais realista, decidiu, em sua semiconsciência, permanecer de olhos fechados e tentar voltar ao Reino de Hypnos. 

A cama, porém, não desistiu de acordá-lo e a ela juntaram-se as portas do armário, que batiam estrepitosamente; as cortinas esvoaçavam, flap-flap, flap-flap, como asas de um pássaro frenético batendo, agoniado, dentro de uma gaiola apertada; sombras e luzes dançavam nas paredes ao som de alguma música inaudível, formando estranhas figuras que se transformavam e se fundiam umas nas outras, como um quadro vivo de Escher.

Convencido, enfim, de que aquela agitação toda era bastante real, e nauseado pelo tremor da cama, Lucrécio Lucas abriu os olhos, agora bem desperto e atento.

Imediatamente, tudo se aquietou. Um silêncio escuro e denso tomou conta do ambiente. Mas que droga, pensou. Será que não fechei os portais corretamente? Esqueci de bloquear todas as fendas astrais? Tô ficando descuidado?

Sentou-se e repassou, mentalmente, os rituais que fizera antes de deitar. Não viu falhas. Se os fenômenos cinéticos pararam e eu não fui atacado diretamente, nada penetrou nas defesas da casa. Olhou o relógio. 

Três horas da manhã. 
A Hora Morta. A Hora do Diabo.  A Hora dos Mortos.


Lucrècio Lucas custou a despertar de um sono profundo e bom.
Seu inconsciente viajava, descansado, até ser bruscamente despertado.
A hora da plena atividade do mundo espiritual, na qual demônios menores (mas não menos perniciosos) e magos negros praticavam seus ataques espirituais mais letais. A hora em que Anjos e Guardiões estão mais ocupados, e, os médiuns, mais vulneráveis, se dormindo, ou mais fortes, se acordados. 

Ele concluiu que, devido à hora e ao fato de nada ter sofrido, só podia ser uma coisa: uma força astral extraordinária - de um ser que nunca tivera forma corpórea ou de um espírito humano que já vivera sobre a Terra - tentara entrar em contato. 

Lucrécio Lucas resmungou. Preferia enfrentar feiticeiros vodus, vampiros, demônios e assassinos astrais, qualquer coisa, a lidar com gente morta. Mesmo que fossem entes queridos. “Deixe que os mortos enterrem seus mortos”, vivia dizendo seu velho amigo Padre Tércio, e Lucrécio não poderia concordar mais. No entanto, o quanto antes ele soubesse do que se tratava, melhor. 

Pegou o copo de água (que sorte não ter derramado) e o terço que sempre ficavam ao lado da cama. Rezou sobre a água e bebeu-a, acalmando seu coração ainda acelerado pelo susto do despertar abrupto e inusitado. 

E (no mundo dos espíritos não existem coincidências), sendo aquela também a hora em que, pela Medicina Tradicional Chinesa, a energia Chi dos pulmões está no seu ápice, ele resolveu meditar, a fim de captar, com clareza, o que estava acontecendo. “A respiração é a base da meditação”, dizia a Sra. Majo ao menino Lucrécio Lucas tantos anos atrás.

Inspire profunda e lentamente. Expire... ele ouviu, em sua mente, a voz doce e firme da Sra. Majo a ensinar-lhe os segredos da yoga e da mística zen budista - incluindo a exortação, o controle e o combate aos demônios - quando ele tinha apenas oito anos. Oito. O número do equilíbrio cósmico. Do milagre da Ressurreição. Para os japoneses, o mais perfeito número da sorte. 

A Sra. Majo. Uma senhorinha frágil, de pele macia, cujo rosto, de tão engelhado, parecia um papel de arroz amassado por uma criança travessa. Seus olhos puxados e miúdos brilhavam como diamantes, negros e impressionantes. 

Tradicionalista ao extremo, praticava os rituais japoneses com rigor, encantando o menino Lucrécio com suas histórias. Mesmo criança, ele já pressentia nela um mistério sobrenatural.

E não estava enganado. 

Descendente de uma antiquíssima e poderosa linhagem de feiticeiras Kitsune, a Sra. Majo fugiu à perseguição de um rival temível e cruel. Escondeu-se na pequena cidade de Lucrécio Lucas, trabalhando como florista, e, reconhecendo nele um ocultista em potencial, nem se preocupou em saber qual lado do Caminho ele escolheria mais tarde. Tinha o dever cármico de passar adiante seus conhecimentos. Só. Sem julgamentos. 

E, se pareço tergiversar, peço desculpas. Mas a Sra. Majo é parte integrante de todos esses acontecimentos, como logo veremos. 

Lucrécio Lucas entrou numa espécie de transe mediúnico dentro da meditação, abrindo-se para ver o que precisava ser visto. E o que viu não foi agradável. 

Um espectro manchado de sangue pairava em sua mente. Os dedos ossudos rasgavam as vestes à altura do peito, em desespero. Tentava falar, mas nenhum som saía de sua boca escancarada, qual um buraco negro. O rosto, irreconhecível, retorcia-se de angústia.  

Ainda assim, ele soube, com indiscutível certeza, do que se tratava. A Sra. Majo, morta há vários anos, presa no Waru, o Labirinto do Terror, pedia sua ajuda. 

Continua dia 2 de março

Outras aventuras de Lucrécio Lucas

Os Caçadores - um dia da caça, outro do caçador

I Maledetti - todos malditos: vítimas e algozes

O Gato - parte 1 - nem durante as férias ele descansa

O Gato - parte 2 - mas a vida e a morte são assim mesmo

Caçadas noite adentro - nem tudo é o que parece; aliás, nada é o que parece

Viúva Negra - nem sempre o mau se dá mal

A Amante - a origem do nome de Lucrécio Lucas


Foto: kjpargeter / Freepik  - https://br.freepik.com/index.php?goto=74&idfoto=1807379

'Deixe que os mortos enterrem seus mortos" - MT 8,22


Comentários

Marcio disse…
Outra noite me aconteceu algo parecido.
Suspeito do prato de frutos do mar que eu comi.
Mas não tem nada, não. Com um pouco de repouso e hidratação, o Lucrécio voltará em breve à perfeita saúde.
Ana Luzia disse…
não, não, não!!!!! não posso aguardar até lá, preciso saber o que vai acontecer!!!!!
Anônimo disse…
Fisgou a gente essa história do Lucrécio!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …