Pular para o conteúdo principal

PODE PARECER QUE NÃO, MAS SIM... >> Carla Dias >>


Escreveu um samba-canção inspirado no gosto dela pelas palavras. Construiu aquela casa, com aquele quintal bonito que só, para que pudessem comemorar aniversários e eclipses. Onde os amigos chegam hoje e só vão embora amanhã, forçados pela segunda-feira que será no depois de amanhã.

Caso contrário, continuariam ali: prosa correndo solta. Gargalhadas até na hora em que encaram tristezas.

Escreveu um manifesto sobre benquerenças e revides. Sempre se sentiu desafiado a explicar o inexplicável. Claro que, nem sempre, chegava a algum lugar. Mas adorava o olhar dela dedicado a observá-lo, enquanto o pobre tentava descomplicar o que nasceu para ser complicado. Não sabe ser diferente. Nem vai tentar ser diferente. Tem jeito, não.

Há sim o que não tem jeito. Melhor aceitar o fato.

De tudo que conheceram juntos, jamais se esquecerá daquela cafeteria, que fica em uma cidade da qual ele não consegue pronunciar o nome. Lugar bonito, de tão singelo. Que ela gosta dessa coisa de aconchego oferecido pelo rústico, alternativo. Coloque flores em garrafas de vinho, espalhe perfumes e cores. Ela gosta de cores e não se sente à vontade em ambientes planejados para serem caixinhas cinzas a receberem espíritos submissos. Para ela é assim... Não tem cor por fora, ainda que pela sutileza dos tons, no dentro as coisas desabam.

Claro que nem tudo são flores em garrafas de vinho, perfumes e cores. Ela é boa de briga, demanda paciência, quando dá de frequentar seus medos e selvagerias.

Quem não os têm?

Porém, ela gosta de amplificá-los, valendo-se de uma dramaticidade digna de Oscar ao botá-los para fora. Ele se cala diante dos rompantes dela. Eles não são bonitos, mas são dela. São ela. Ele não tem o poder de pacificá-los, já que a própria aprecia cultivá-los e valer-se deles quando arrebatada por certa agonia existencial.

Então, ela se isola, distancia-se dele. Refugia-se no quintal, na estufa que ele construiu para se cultivar as flores que a fazem sorrir tão bonito. Onde ela rumina a infelicidade dos traumas.

Há dias em que ela não vê beleza no fôlego, no toque, na perseverança de se sobreviver aos infortúnios. E que se aprofunda na busca pelo bálsamo, mas de maneira tão dolente, que alcançá-lo nunca é o objetivo. Compreender a necessidade dele é o que a aflige. Como quem não se importa com a cura, mas com uma boa explicação sobre o motivo de sofrer daquilo.

Às vezes, os amigos preferem não frequentar aquele quintal, passar o fim de semana, fiarem-se em conversas. Eles se sentem constrangidos com a incapacidade de lidarem com ela, assim, desconectada deles, como se não conhecessem. E ele sabe que isso é algo que nem todos conseguem fazer.

Ele não é melhor do que ela, apenas mais paciente em relação aos desmandos da vida. Compreende que todos sofremos de tragédias, e que, sim, algumas são avassaladoras e nos roubam afetos e alegrias. Mas o que mais ele poderia fazer a não ser continuar vivendo e apreciando a jornada? Lidando com os incômodos? Cuidando dela, para quem ele compôs um samba-canção. Para quem construiu uma casa com quintal e estufa. Quem entende que eles são diferentes, e que essas diferenças se tornaram a capacidade deles de entendimento.

Ah, não entristeçam com o destino dele... Ter de cuidar de quem nem sempre se lembra do amor que norteia a existência de ambos. Que vai se esquecendo, cada dia um pouco, de quem se tornou na companhia do outro.

Pode parecer que não, mas sim... Essa é uma carta de amor.

Imagem: The Ballad ©  Henry Lejeune

carladias.com

Comentários

Anônimo disse…
É uma bela carta de amor. No fim nem tudo são flores, mas há de saber lidar com a situação.

Escrita sempre afinada. Que bom!

Abraços,
Enio
Carla Dias disse…
Pois é, Enio. Ama-se, mas nem sempre é jornada fácil.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …