Pular para o conteúdo principal

BEM VINDO À SELVA >> Clara Braga

Olhando da janela dava para dizer que era um dia como outro qualquer. A chuva havia dado trégua e amenizado o calor, o que deixava o clima muito agradável para um belo passeio de carrinho. Decidimos ir até um café que fica a menos de 2km de distância de casa, tomaríamos um café e voltaríamos, cumprindo tanto nossa cota diária de cafeína quanto a cota diária de vitamina D do nosso filhote.

Tudo ia bem quando menos de 500 metros depois eu ouvi um latido desesperado de um cachorro. Queria não acreditar, mas quanto mais rápido eu empurrava o carrinho mais próximo parecia o latido. Tomei coragem e olhei para trás apenas para chegar à conclusão esperada: um cachorro corria em nossa direção enquanto seu dono olhava tudo de longe e ria alegremente ao telefone. Para nossa sorte o cachorro estava em paz e se contentou em apenas cheirar nossos pés sem se aproximar do carrinho, que nesse momento já estava com a frente toda levantada caso o cachorro tentasse pular.

Quando estava quase recuperada do susto, observei que a rua na qual andávamos estava suja, um tanto grudenta. Antes que eu pudesse falar qualquer coisa, meu marido comentou: caramba, olha a quantidade de jaca que caiu dessas árvores e a quantidade de jacas lindas e enormes que estão fazendo sombras refrescantes em nossa caminhada prontinhas para caírem em nossas cabeças! Andamos o mais rápido possível para fugir de um verdadeiro campo minado aéreo, mas não tão rápido a ponto de assustar o cachorro e ter que correr dele novamente, afinal, seu dono ainda estava ao telefone apenas observando tudo de longe.

Ao nos livrarmos do cachorro e das jacas, vi que o chão mais a frente também estava grudento, mas dessa vez dava para perceber claramente que eram mangas. Olhamos para as árvores e a situação não pareceu tão grave, as mangas já estavam no chão, que desperdício! Opá, parece que o desperdício não foi tão grande assim, muitas abelhas faziam a festa em cima de toda aquela manga, por pouco não passamos com o carrinho acidentalmente por cima delas e elas propositalmente por cima da gente.

Desviamos o caminho e, finalmente, chegamos ao café! Ufa, tomar um café nunca foi tão difícil. Mas é melhor não contar vantagem, ainda temos que voltar. E como não podia ser diferente, passamos quase sem respirar por um pitbull fora da coleira observando seu dono fazer flexões, nos assustamos com morcegos que voaram muito mais perto do que o necessário e, já no elevador, quando achamos que estávamos bem, lutamos contra bichinhos de luz que atacavam o carrinho. Quando entramos em nosso quarto estávamos realmente acabados e entendendo todos os pais que não se sentem seguros em passeios de carrinho.

Enquanto ríamos da situação vimos o bebê mais lindo do mundo olhar para a gente e também abrir um sorriso, como se entendesse o que estava sendo dito. O detalhe é que seu sorriso era sonolento, pois acabara de acordar de um passeio que nem sabe que fez de tanto que dormiu, por enquanto é melhor assim.

O pior é saber que esse passeio que mais pareceu fases de um vídeo game foi só uma amostra grátis, quase uma parábola, do que vai ser a vida daqui para frente: ele desbravando o mundo enquanto a gente observa, apoia e morre do coração. A parte cardíaca está em dia, mas para você meu filho, só tenho uma coisa a dizer: bem vindo à selva!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …