Pular para o conteúdo principal

CHAPÉUS E... NOVELAS? >> Sergio Geia

 
 

Assistia à TV Globo, uma reportagem sobre chapéus.
Por falar em TV Globo, depois de muitas séries e séries da Netflix, voltei às novelas. Culpa de Ubatuba, culpa do apartamento não ter tevê a cabo.
Voltei porque já fui muito. Novelas de antigamente tinham uma pegada diferente. Julia Mattos em “Dancin’ Days”, aquela abertura deliciosa com “As Frenéticas”, o todo-poderoso Felipe Barreto, personagem de Antonio Fagundes em “O Dono do Mundo”, a linda Marcia de Malu Mader, a abertura genial com trilha de Tom Jobim, todas do craque Gilberto Braga. “Roque Santeiro”, trilha musical das mais bacanas (tenho o vinil aqui), “A senhora do destino”, Wilker, sempre Wilker, “A próxima vítima”, maravilhas criadas pelo talento do artista brasileiro, e outras tantas.
Novela de hoje não gosto, nem nome de novela tem, nome forte, que já conquista na primeira chamada. “Amor à vida”, “Sol nascente”, “Tempo de amar”, “Joia Rara”, “Além do horizonte”, “Sangue bom”, “Velho Chico”, “A lei do amor”, fraquinhos de dar dó.
Mas acabei vendo um capítulo de “O outro lado do paraíso” (desse nome eu gosto) em Ubatuba, depois outro, outro, e o peixão aqui caiu na rede. Nessa última semana ela foi só emoção. Fernanda Montenegro, sempre um monstro de atriz; Marieta Severo, idem; Lima Duarte; são tantos. Glorinha Pires (da lindinha, na cena de topless com Maria Padilha em “Água Viva”, à atriz maiúscula de hoje), Sérgio Guizé, a Grazi Massafera, que atriz se tornou, my God!, e essa menina chamada Bella Piero, não conhecia, Laura, que atriz fantástica, que emoção ela passa, Walcyr Carrasco conduzindo tão bem a trama.
Deu até para abandonar (temporariamente) “Suits”, a Meghan Markcle (sempre uma princesa), e olha que eu estava amando.
Mas voltemos ao chapéu, que é o assunto de hoje, não novelas.
Como dizia, assistia à TV Globo, uma reportagem sobre chapéus. Eram muitos chapéus, de todos os modelos, formatos, cores. Nesse Brasil que massacra sua gente, a família se viu em desespero, sem emprego, sem dinheiro, sem perspectiva. Daí a artista da família (como é bom toda família ter uma artista) resolveu criar chapéus. A coisa deu tão certo, mas tão certo, que a família toda prosperou no negócio, e hoje, a vida sorri a eles mais alegre, sempre com um belo adereço na cabeça.
Na hora, minha vontade foi me teletransportar, como naqueles filmes de ação de antigamente, entrar numa máquina, apertar uns botões, sair aquela fumaça branca e espessa, de repente, aparecer na lojinha da família no Rio, comprar um chapéu.
A empresa-família não fabrica chapéus, depois vi, apenas os enriquece com arte pura, transforma um simples chapéu num chapéu personalizado. Usando lã, Emília pinta corações de vermelho, escreve abstrações como “paz”, “amor”, “união”, “sorte”, ou nomes de gente, Fê, Julia, Patrícia, ou coisas do tipo “sou carioca”, junto com um desenho do Cristo Redentor de braços abertos, ou “sou mãe”.
Na semana passada, em Ubatuba, quase comprei um panamá. Na praia, o vendedor passou, mas estava longe, fiquei com preguiça de chamar.
Sempre que vejo alguém de chapéu, me dá vontade de ter um. Num carnaval, anos atrás, Ayl Godinho usava um alegre (e há chapéu triste?), Paulo Pereira sempre que pode tem um, Haley Carvalho postou fotos em Arraial D’Ajuda com um pequeno e lindíssimo.
Mateus Solano usava um chiquérrimo em “O menino no espelho”, Johnny Depp tem uma coleção. Aliás, há personagens aclamados no cinema que não largavam um chapeuzinho. Heisenberg, por exemplo, com aquela cara de mau em “Breaking bad”, um pork pie preto bacanérrimo; Jack Sparrow e Willy Wonka, do próprio Depp, Indiana Jones, do Harrison Ford,  Charles Chaplin e seu Carlitos, Don Draper, de Jon Hamm, em Mad Men. Tantos, tantos, lindos, gosto até da ushanka (mas só se eu fosse para a Rússia no inverno).
Chapéus, chapéus, chapéus.
Minha vontade de comprar um chapéu hoje me tirou do prumo, me fez levar você às novelas e aos chapéus.
Sorry, de coração.
Mas neste carnaval preciso de um chapéu.

Comentários

João D'Olyveira disse…
Chapéus, novelas, novelos, séries. Uma existência em nossas mãos e em nossos pés...e em nossas cabeças.

Texto deveras aprazível, Sergio Geia!

PS - Em "Tempo de Amar", a presença de uma "designer de chapéus" rs Dê uma espiadinha por lá!


paulo pereira disse…
Gosto de chapéu. Quando era menino, meu e todos os seus amigos usavam. Não que a intenção fosse proteger do sol, mas garantir a elegância e o charme. Tenho cinco. Empresto a amigos, sem nenhum problema. Dois deles, um marrom e outro preto, são Ramenzoni legítimos. Ainda vou comprar um de cor cinza e aba curta, tipo Intocáveis.
Analu Faria disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Analu Faria disse…
Meu chefe costumava dizer: Para nós, homens, chapéu é questão de autoestima. Perdemos os cabelos, não podemos perder também a vontade.
Nunca entendi bem, mas como era um sujeito sábio, imaginei que quando chegasse à idade dele eu entenderia. Ainda estou no processo.
Texto bacana, lerei de novo.
sergio geia disse…
Grato, João, vou ver sim. Analu e Paulo Pereira, obrigado por dividir essas histórias.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …