Pular para o conteúdo principal

FILME DELICADO SOBRE ASPEREZAS >> Carla Dias >>


Nesse feriado, enquanto enfurnada em casa, que meu espírito carnavalesco é inexistente, assisti a um filme muito interessante. Delicado, apesar de o personagem coadjuvante lidar com as pessoas somente no modo grosseria no talo.

Eu conheci pessoas assim. Algumas delas continuam na minha vida. Leva-se tempo para entender que não tem a ver com você. Nem todos têm paciência para viver esse tempo.

A propaganda do filme é feita como “um conto de fadas contemporâneo”. Acho que devo ser bem chata no quesito, mas títulos em português e sinopses quase sempre me incomodam. Raramente retratam o filme.

Uma Beleza Fantástica (This Beautiful Fantastic/2016) é também um filme de fantasia, o que se destaca pelos efeitos especiais que remetem aos contos de fada. Por sorte, eles são poucos e servem ao roteiro, não o contrário.  Escrito e dirigido por Simon Aboud, o filme foi gravado em Londres, Inglaterra.

Não é por ter romance que o filme se fia somente nisso. Sim, há a moça que se apaixona pelo moço, só que, mais interessante ainda, há pessoas que se apaixonam pelo quem são as outras.

Bella Brown (Jéssica Brown Findlay) sonha em se tornar uma escritora de livros infantis. Enquanto a história não vem, ela trabalha como bibliotecária. O narrador do filme, o observador de Bella, é seu vizinho, Alfie Stephenson, interpretado pelo extraordinário Tom Wilkinson.

Alfie é um viúvo com problemas de saúde, que tem como companhias ocasionais a enfermeira e o cozinheiro e as filhas dele. É rude com eles, irônico e se sente extremamente ofendido com a vizinha, Bella, por ela não cuidar do jardim, que está morto.

Abandonada, Bella cresceu em uma instituição e surpreendia as pessoas com a sua capacidade de organizar coisas, o que às vezes era um pouco exagerado. Adulta, mora sozinha e convive bem com sua solidão. Sua rotina se fia em suas compulsões. Um de seus medos é da natureza, por isso o abandono total do jardim de sua casa. Ela não consegue sequer sair e colocar os pés nele.


O roteiro de Uma Beleza Fantástica é delicado com a severidade das questões que acometem as pessoas das duas casas. Cada personagem se mostra importante para a trama, mas o relacionamento turbulento entre eles leva Alfie a criar uma situação na qual Bella é obrigada a recuperar seu jardim, e ela tem de enfrentar uma novidade arrebatadora.

A metáfora está ali, no que acontece entre Alfie e Bella. O aprendizado, também. Como eu já disse, cada personagem tem sua importância. Durante a trama, as mudanças para Bella são muitas e claras. Porém, elas não influenciam somente a vida dela, mas a dinâmica entre todos ao redor e de uma forma mais abrangente, profunda.

Para mim, filmes como  Uma Beleza Fantástica celebram a capacidade do ser humano de descartar rótulos e observar o outro com atenção e gentileza, encontrando nele mais do que a distração criada por equivocadas definições.





Comentários

Anônimo disse…
Agora eu quero assistir este filme!

Abraços,
Enio
Zoraya disse…
Nunca me arrependo de seguir suas dicas, Carla! E amo o Tom Wilkinson.
Carla Dias disse…
Enio, depois me conte o que achou.

Zoraya, eu também amo o Tom Wilkinson. Ele está perturbadoramente adorável nesse filme.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …