Pular para o conteúdo principal

APESAR DA IRONIA >> Carla Dias >>


Notícias sobre política, violência urbana, malabarismos marqueteiros e várias versões a respeito das mulheres de Aleppo. Das meninas de Aleppo. Das pessoas de Aleppo.

Há cinco minutos, o destaque era a fragilidade da pele diante das tatuagens. Não tatuem em locais inclinados à flacidez, se não quiserem que a tatuagem se torne outra coisa com o tempo.

O tempo.

Às vezes, o tempo transforma para melhor.

Aniversário de querido alguém que já não está aqui, celebra-se a vida diante da ausência irrevogável. A sensação de impotência - que nos faz engolir o fato de que nem sempre podemos mudar isso e aquilo - toma o dia. Ainda assim - apesar do peso da morte -, ainda é a vida que desvela belezas e preciosidades. As lembranças - esse livro de recortes da vida que mora dentro da gente - são fortes e trazem momentos de alegria.

É permitido sorrir e sentir alegria por tudo o que foi vivido com a pessoa que partiu.

Os barulhos de carros, de gritos vindos do bar, entoados por bêbados matutinos, contando histórias desconexas que, certamente, fazem sentido para alguém. Barulho de caminhões de entrega de comidas que muitos não podem comprar. Comidas superfaturadas em época de recessão, quando às portas dos supermercados praticamente moram aqueles que aceitam qualquer pacote de bolacha.

Vigarista-guru que jura pelos deuses que pode fazer uma bela manutenção em seu espírito, e que, durante o horário comercial, é funcionário qualificado de agência de publicidade. Ele alega aos meios de comunicação que o endeusam – nada como vigarista-guru bom de lábia e em tempos de escassez de fé no homem -  que o pior já passou. Agora é questão de aceitar isso e trabalhar arduamente para melhorar de vida.

Mas a vida segue complicada, com o mundo abarcando insanidades diversas. E aquele cliente do vigarista-guru, que se consultou há mais de ano, pagando a consulta com seus últimos míseros dinheiros do mês, ele continua trabalhando feito escravo para viver com menos do que o necessário. Às vezes, ele grita em silêncio, para não acordar as crianças que foram para a cama com o estômago vazio. Dormir é melhor... É melhor.

A mulher que pede ajuda para ler o preço da carne na bandeja, diz ao estranho no supermercado que esqueceu os óculos. No carrinho, uma criança inquieta. Depois de saber o preço, pergunta quanto sobraria de troco se ela pagasse com uma nota de vinte reais. Porque também não está com cabeça para contas, pois perdeu a mãe no dia anterior. O estranho se compadece, sente vontade de se sentar no corredor de carnes e chorar pela mãe da desconhecida. Diz que sente muito pela perda dela e cada um segue pelo seu corredor.

México, Síria, Alemanha, Turquia, Rússia, Brasil...

Muitos dizem por aí que o pior do mundo é o ser humano. Ironia ou esperança saber que também o ser humano é o responsável por muitas belezas, alegrias, descobertas importantes, gestos louváveis. Talvez os sábios de botequim, assim como religiosos e políticos que trabalham em prol de si mesmos, devessem repensar seus feitos e se calarem e retirarem por conta. Os deuses devem estar exaustos de levarem a culpa pelos seus erros, assim como o povo.

O que sei, como espectadora da vida, um desses seres humanos com habilidade para o bem e para o questionável, é que sempre me apegarei à esperança, em vez da ironia. Considerem-me ingênua, não me importo. Ainda acredito que o melhor do mundo é o ser humano. Claro que esse melhor não é travestido de perfeição. É um melhor diante das intempéries e da crueldade. É um melhor que encara o pior, diariamente, e ainda assim, sobrevive.

Comentários

albir silva disse…
Carla, esse foi um ano difícil pra humanidade. E, com relação às notícias, acho que a palavra do ano, segundo a Oxford, diz tudo: pós-verdade.
Carla Dias disse…
Albir, já entramos em outro ano e a dificuldade continua. Espero que isso melhore, antes que muitos desistam da própria capacidade de fazer o bem. Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …