Pular para o conteúdo principal

ACADEMIA, LIVROS E HALTERES >> Albir José Inácio da Silva

- Você está muito perto. Suas pernas são compridas – além da boa-vontade, a voz também era gentil. Ajustou ele mesmo o aparelho e o meu exercício ficou mais fácil.

Na semana passada, última vez que vim à academia, fiquei observando esse mesmo marombeiro, confesso, com algum desprezo. Ele era a futilidade em movimento e ritmo. A cada gesto olhava-se no espelho, procurando o melhor ângulo para os músculos retesados e mal contidos pela camiseta. As logomarcas famosas brilhavam nele em tênis, camiseta e meias.

Mas havia alguma gentileza no seu olhar, e isso me dava algum remorso. Pouco, mas dava. Pouco porque percebi várias vezes que também me desprezava. Chegou a fazer careta olhando meu tênis com lama seca, mas disfarçou com um sorriso.

Eu era desleixado como fica bem a um intelectual, camiseta grande e esgarçada, short grande e desbotado e um indefectível livro de sebo para abrir no painel da ergométrica. No fundo ele tinha uma humildade de marca e eu, uma arrogância maltrapilha.

Eu só estava na academia por conselho médico, ia lá de vez em quando, irregular e enfastiado. Ele reinava por ali, falava com todos, sorria. Estava no seu habitat, feliz e adaptado. Éramos uma antítese. Mas, como o que conta para a amizade é o que se fala e não o que se sente, fomos nos aproximando.

Lado a lado nas esteiras, desfilamos nossas biografias, gostos, diferenças e pouquíssimas coisas em comum. Ele correndo a dez quilômetros por hora e eu caminhando e resfolegando a minha disritmia.

- Esse negócio de livro não é pra mim não – repetia ele com um sorriso de menino grande a cada autor que eu referia.

Passou pela faculdade olhando alguns resumos, colando aqui e ali, assinando trabalhos em grupo. Mas aceitou interessado o Nietzsche que estava na minha mão. E falamos sobre consumismo, culto ao corpo, frivolidade e outros defeitos que eu costumo identificar nos outros.

Ele ajudava nos aparelhos, quase como um personal, e me ouvia, atento, discorrer sobre a vida, o homem, o pensamento e o poder. Demorávamos à porta da academia em prolongadas despedidas.

Por semanas seguimos essa rotina.  Ele cada vez mais interessado, levando os livros que eu trazia, fazendo perguntas e propondo temas. Quanto a mim, a regularidade dos exercícios me fazia bem. Estava mais disposto, passadas mais firmes, coluna mais reta.

Eu estava feliz com o meu trabalho: ele já não se admirava no espelho, e parava longos períodos olhando o vazio como se estivesse finalmente raciocinando. Cumprimentava as pessoas, mas sem efusividade. Sorria, mas sem afetação.

Ainda me ajudava nos exercícios, mas já não estava tão atento. Às vezes eu tinha que pedir a ajuda. Em certas ocasiões me atrapalhava mesmo com suas perguntas e comentários insistentes que me faziam perder a conta dos movimentos. Claro que eu sentia amizade e comemorava seus progressos intelectuais, mas precisava concluir minha série.

Passou a me esperar à porta da academia com algum livro ou artigo na mão, e me seguia por todos os aparelhos. Percebi alguma ironia nos sorrisos à nossa volta, como se aquela ligação fosse mais que amizade. Mas ele não se importava. Para evitar constrangimentos, preferi marcar nossas conversas em cafés ou bibliotecas.

Até que ele sumiu. Depois de uma semana liguei preocupado e ele disse que estava estudando aí umas coisas, que aquela academia já não o interessava mais, talvez voltasse à universidade. Eu quis marcar em algum lugar, mas ele disse que me ligava.

Não ligou nem apareceu mais. Eu toquei a minha vida porque já tinha me dedicado bastante àquele moço.

Hoje saí cedo pra academia e, ao cruzar a praça, vi o ex-quase-fisiculturista sentado no banco. Transtornado e sujo, com um semblante de quem não tivesse ainda concluído a noite, levantou a lata de cerveja como quem oferece, e me olhou através da fumaça que soltava em anéis concêntricos.

- Quer conversar sobre futilidade, culto ao corpo e ostentação? – perguntou sarcástico.

Por instantes busquei as palavras para um discurso incisivo e acachapante, mas nenhuma pareceu adequada.

Ele ainda murmurou alguma coisa sobre depressão, limite e suicídio, mas eu preferi me afastar, jurando pra mim mesmo que voltaria com o texto apropriado.

Segui para a academia repassando métodos, assoviando remorsos e arrotando filosofias.

Comentários

Zoraya disse…
'No fundo ele tinha uma humildade de marca e eu, uma arrogância maltrapilha.
" - amei essa frase, Albir. E insisto numa 2a parte com final feliz kkk. beijos fisioculturistas
Carla Dias disse…
Ah, o meio-termo... Nada como equilibrar as coisas para não se perder em somente uma delas. Ótima crônica.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …