Pular para o conteúdo principal

AI, MEU CORAÇÃO! .. Albir José Inácio da Silva

Atravessou a quadra silenciosa naquele horário e subiu a escada que dava acesso à secretaria do clube. Havia algo estranho. Primeiro o portão encostado, que ele se lembrava de ter fechado ontem, depois a porta destrancada e agora a luz acesa. Arakém proferiu a clássica pergunta que antecede os assassinatos.

- Quem está aí?

A reunião da diretoria só começaria às oito, mas ele chegou antes das sete da manhã. Queria examinar documentos, além dos que tinha lido durante a madrugada, queria mais provas porque sabia que além de fraudes, superfaturamentos e desvios, havia outros crimes praticados pela quadrilha, que há anos se instalou na administração do Grêmio Recreativo Tarietense. Depois da reunião, iria direto à delegacia.

O escritório estava desarrumado porque ele mesmo o deixou assim ontem à noite, quando recolheu às pressas alguns papéis e foi pra casa. Agora sentia algo de errado no ambiente. Um arrepio subiu-lhe pela espinha. Entrou na sala de reuniões que estava escura, mas não conseguiu acender a luz, foi agarrado por um encapuzado. Seu braço foi torcido para as costas, e um outro capuz surgiu à sua frente com uma faca.

- Nada disso precisava acontecer, Arakém, era só você ter perdido como das outras vezes.

Arakém soube que ia morrer porque o outro nem disfarçava a voz. Reconheceu também a risada de quem o segurava e perguntou:

- Pra que o capuz?

Bóssi admitiu que era bobagem esconder o rosto, enfiou a lâmina no peito do presidente eleito e torceu a mão para os dois lados. Não devia sobreviver. Arakém dobrou os joelhos e caiu pra frente porque Neném soltou o seu braço e virou de costas - não podia ver sangue.

- Quê que foi, ô mariquinha, vai desmaiar? - desdenhou Bóssi, que agora tinha pressa. – Segue o combinado, corre e desaparece com tudo. – disse e apertou o botão do alarme que, àquela hora da manhã, trouxe os vizinhos para as janelas e parou os transeuntes que iam pra o trabalho. Entregou a máscara e a faca pro Neném, abriu a porta do escritório e gritou do alto da escada:

- Socorro! Socorro!

Neném, de capuz, roupa preta e um saco grande na mão, cruzou a quadra correndo, subiu no muro e saltou na calçada. Nesse momento, uma moto, sem placa, com tinta barata cobrindo a pintura e escapamento aberto, parou no meio-fio com estardalhaço. O piloto também tinha o rosto coberto. Neném pulou na garupa e o veículo saiu roncando pelo asfalto.

Aos primeiros que chegaram, Bóssi explicou chorando que tinha marcado com Arakém um encontro antes da reunião da diretoria para cuidarem da transição. E que ao chegar encontrou o presidente numa poça de sangue. E que quando foi à porta gritar por socorro ainda viu o ladrão encapuzado pulando o muro.

Bóssi repetiu a história quando o delegado chegou, e os presentes confirmaram ter visto o fugitivo desaparecer numa moto sem placa. Bóssi confirmou que algumas coisas foram roubadas, incluindo os pertences do morto. Lembrou que Arakém não tinha inimigos, só adversários políticos - gente honrada, incapaz de fazer mal a uma mosca.

Latrocínio. Se havia alguma coisa a investigar, era a autoria, muito difícil, aliás, porque encapuzados que somem de moto na estrada podem já estar muito longe. A violência das grandes cidades tinha chegado à pacata Tarietá.

Arrasados com a tragédia, os outros membros da diretoria se recusaram a tomar posse. E Bóssi aceitou o sacrifício de dirigir o clube, naquele momento difícil, até que houvesse novas eleições.

- Uma boa gestão é a melhor maneira de homenagear o presidente assassinado. O Tarietense não se furtará às suas responsabilidades e continuará encantando a vida da cidade – disse Bóssi, já em franca campanha.


(Continua em 15 dias) 

Comentários

Zoraya disse…
Albir! Que maravilha, uma história policial! Tô doida pra ler a continuação!Beijos ansiosos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …