Pular para o conteúdo principal

PERFIL >> Carla Dias >>

Cena do filme Bonita Como Nunca |  Fred Astaire e Rita Hayworth

O telejornal que eu assisto, não é o mesmo que você assiste. Na verdade, abandonei telejornais há cinco escândalos, que eles deram de competir com programas de entretenimento. Isso vem confundindo a realidade como nunca.

Manifestações públicas de ignorância me tiram do prumo, quando seus autores tendem a ser inflexíveis. Por que não aceitar de vez que opinião não é lei, justiça, nem sempre é amparo para quem dele necessita, tampouco verdade?

Ah, a verdade... Essa Dona Doída que tende a aparecer nua, crua, desleixada, avessa ao desejo vigente.

Não me importo de ser acordada pela conversa animada de um bando de maritacas. Não maldigo pássaros, árvores, café e dias de chuva. Tento não maldizer pessoas, mas frequentemente sou tentada por elas. Humana, pessoa que sou, acabo abrindo a boca, a alma, a cabeça, a porta de saída. Maldigo, desdigo, às vezes, cinco minutos depois, quero bem de um jeito que somente maritacas alucinadas entenderiam. Aquele jeito do quando cada sentimento grita, ao mesmo tempo, no nosso dentro.

Angustio-me com facilidade ao pensar no universo. O infinito me enche de desolação, porque remete à solidão que habita o sem-fim de quem sou. Já vi quem dormisse felicidade e acordasse rancor, como se aquelas horas, olhos fechados, tivessem se dedicado ferrenhamente a lapidar injúrias em um espírito frágil. Não foi cena bonita de se ver. Não foi período agradável de se viver.

A tristeza me inspira começos. Quando ela me atinge, desdenhosa e luxuriante, banco a temerária e me jogo ao desconhecido. Foi assim que aprendi a fazer crochê, torta de palmito, vestido. Pintei os cabelos de azul, as paredes de casa de amarelo. Estudei estrelas, outro idioma, as relações do eu com o misticismo. Aprendi a dançar bolero, entoar mantra, tive longas conversas com padres, pastores, benzedeiras e xamãs.

Sintonizei meu coração na consciência de que não gostamos dos mesmos livros, da mesma série, da mesma música, da mesma comida. Que seu Deus é o meu, ainda que você insista em dizer que não. E em vez de me desapontar com as nossas diferenças, decidi embarcar nelas, levando as minhas a tiracolo. Vai saber aonde nossas diferenças podem nos levar, certo?

Em tempo: manifestações públicas de afeto me encantam.

carladias.com

Comentários

Zoraya disse…
Não maldigo pássaros, árvores, café e dias de chuva.
quero bem de um jeito que somente maritacas alucinadas entenderiam.
O infinito me enche de desolação, porque remete à solidão que habita o sem-fim de quem sou.
... Carla, desisti de selecionar excertos de seu texto. São tantas as referências, as belezas, os sem-fim de maravilhas, que seria melhor copiar o texto todo.
Acho q vc está apaixonada e essa é uma carta ao seu amor,para que ele saiba com que Princesa ele está lidando.
E se vc gosta de manifestações públicas de afeto, aqui vai uma: acho vc uma maravilha!
Beijos, Zo
lucina disse…
a cada dia mais encantada com seu olhar.bjsss lucina
Carla Dias disse…
Zoraya, estou sempre apaixonada, se não por alguém, por algo, quase sempre pelos dois ao mesmo tempo. Apaixonar-se diariamente faz parte da minha rotina. Beijos.

Lucina, minha cara, lindeza ler seu comentário, que sou eu quem venho me encantando pela sua música, e há tanto tempo. Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …