sábado, 3 de dezembro de 2016

O PADRE E O GEIA >> Sergio Geia

 

Somos dois operários da mastigação; nem bem amanhece o dia, lá estamos batendo o ponto. Sem uma ajudante, ele toma o café e faz as refeições na rua; eu, sozinho, também.
Conheço Eugênio de longa data, desde os bons tempos em que ele, um magro seminarista, frequentava os Castilhos. Eu, um magro coroinha, também frequentava os Castilhos; e a igreja. Nunca tivemos uma amizade na acepção usual do termo, apenas o conhecia, mesmo porque, depois, Eugênio sumiu — seminarista é assim; costuma andar pra lá e pra cá, a conhecer realidades díspares em comunidades centrais e periféricas — e virou padre; eu fiquei, cresci, larguei a batina (de coroinha), virei coordenador de pastoral da juventude, depois cresci mais, casei, sumi.
Agora, Eugênio é pároco do Santuário, e eu não sou nada; ou, talvez, seja apenas um simples sujeito que gosta de escrever. Pois topo com o Eugênio quase todos os dias na padaria. Outro dia escrevi sobre ele e um carteiro (ele nem sabe); hoje escrevo sobre ele e o Geia; porque hoje, somente hoje, depois de tantos encontros, de tantas idas e vindas, depois de tantos bons-dias e jubilosas degustações, paramos um pouco pra conversar.
Disse-me que um tio meu é vizinho seu; que outro dia foi visitá-lo em sua residência; que conhece bem os Geias, o Marcos, o Milton; disse-lhe que o conhecia da casa dos Castilhos; e da igreja; que fui coroinha, coordenador de grupo de jovem, cantador dominical da missa das seis e meia; que quando o conheci, ele era um fino seminarista (disse apenas que era um seminarista, para lhe ser bastante honesto).
Conversamos muito sobre o saudoso Monsenhor Teófilo; disse-lhe que Teófilo havia morrido muito cedo; que prezei muito a sua amizade; que sinto falta. Eugênio disse que quando Teófilo assumiu a paróquia da Santa Teresinha, vindo de São Bento do Sapucaí, ele já apresentava problemas no coração. Não sabia; minha lembrança é vaga. Tenho apenas comigo a imagem turva de alguém dizendo que ele passara mal numa consulta médica.
Falou-me sobre o Seminário Diocesano Santo Antônio, lugar que o Geia tanto frequentou, onde tanto jogou bola, tanto namorou em animadas festas juninas, tanto bebeu e tão pouco rezou. Hoje o seminário não está mais na Granadeiro Guimarães; mudou-se. Disse-me que parte foi para o Alto do Cristo e parte, para a Casa do Menor; disse-me que a manutenção da casa, que era muito grande, estava salgada; que reduziu enormemente o número de seminaristas; que o senhor bispo achou por bem alugar o prédio para duas escolas de origem diocesana, e transferir o seminário para outras bandas.
Naquele tempo eram muitos os seminaristas, tanto que havia o seminário maior e o seminário menor; eram trinta, quarenta homens vocacionados. Foram fraternas amizades, boas companhias de bar, muitos recebi em casa para almoçar. Um tanto abraçou a vocação, guiados pelo Senhor e com fé; outro tanto preferiu abraçar coisas mais mundanas, sensuais, mas não por isso menos dignas ou distantes dos caminhos do Senhor.
Confesso que o Geia certa vez pensou em entrar para o seminário. Foi um pensamento vago, uma ilusão passageira. Mas a vida no seminário parecia atraente; relevem, porque o Geia, ao tempo daquele pensamento, era uma criança inocente, que não sabia nada da vida. Lembro-me que quase foi a um encontro vocacional no seminário; era uma espécie de apresentação das coisas aos candidatos. Estava tudo certo para ir, porém, não foi, e a dita vocação, a dita vontade de entrar para o seminário, se desmanchou, como um pudim malfeito.
Conversamos mais alguma coisa, falamos de política, da situação preocupante do país, dos amigos Castilhos; logo ele terminou o café, se despediu e foi. Eu fiquei, fiquei mais um pouco bebericando o expresso, imaginando que aquela conversa boa poderia ser o princípio de uma sincera amizade.  

Ilustração: obra do acervo do artista plástico frei Miguel Lucas Peña


Partilhar

2 comentários:

Zoraya disse...

Mais uma delicadeza de crônica do querido Geia! Tomara mesmo que seja uma amizade que alimente os dois e ainda ilumine os que os circundam, pq uma amizade é um farol e tb um porto seguro. (haha, terminar com última frase de Casablanca foi toque primoroso!). Beijos!

sergio geia disse...

Grato mais uma vez, Zoraya. Sabe que instigado por seu comentário revisitei Casablanca e pude me deliciar mais um pouco; e o que falar então de “as time goes by!”? E o que falar de Ingrid Bergman? Múltiplas belezas, amiga, para o nosso deleite.